Publicidade
Porque José Maranhão altera rumo da Sucessão ao  consolidar pré-candidatura ao Governo em 2018

Há uma expectativa em torno da reunião convocada pelo vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior, também presidente do Diretório do MDB da Capital, para construir o apoio municipal à pré-candidatura do prefeito Luciano Cartaxo ao Governo.

Como já foi dito, a decisão de Manoel Júnior é inusitada e corajosa mas já sabendo que terá pouca eficácia ou nenhuma mesmo até porque, do ponto de vista legal, Maranhão já deu o recado a ele: o diretório está acéfalo porque o próprio presidente não renovou em tempo hábil.

Manoel Júnior sabe que, no MDB depois da morte de Humberto Lucena quem manda mesmo no partido é José Maranhão que derrotou todos os que tentaram se confrontar com ele, a partir do maioral Ronaldo Cunha Lima. 

ESPAÇO VAZIO?

Maranhão tomou conta da cena mais próxima da Oposição porque os dois maiores concorrentes, Luciano Cartaxo e Romero Rodrigues, entraram o ano de 2018 em marcha lenta ou quase inexpressiva, diferentemente do senador chegando ao novo ano feito um alado.

Na prática, Maranhão tem usado de sua competência na articulação implodindo as divergências contra ele como muita habilidade, a partir da costura de entendimentos feitos com o senador Cássio Cunha Lima, seu ex-maior inimigo politico. Dai em diante tudo tem sido de abertura de contatos, a exemplo do que aconteceu recentemente com Romero Rodrigues.

Em síntese, Maranhão ocupou o espaço que era quase absoluto de Luciano Cartaxo, este se queixando da ausência de apoio do MDB ao projeto dele ser candidato ao Governo, que não terá porque o partido está fechado com o senador.

O encontro desta quarta-feira de Manoel Júnior pode ter a força de um risco na água.
 

09/01/2018 as 13:29