menu

Política

15/01/2019


Blog de WS adverte para movimento da Oposição e os efeitos junto à resistência possivel no Governo

Em análise, o Blog de Walter Santos tocou na ferida ao se referir ao movimento de unidade da Oposição.

O Blog de Walter Santos tocou na ferida ao se referir ao movimento de unidade da Oposição, porque com mais 7 votos, ela conquistaria a maioria na Assembleia Legislativa, mesmo com o predomínio absoluto do Governo.

Leiamos o que ele diz:

Os efeitos do grito de 1/3 da Assembléia Legislativa e os rumos da incerteza ao abrigar até o acaso

Poucos deram importância a um fato especial registrado nesta segunda-feira, 14, quando a Oposição na Assembléia Legislativa se reuniu para anunciar aos quatro cantos que está unida e votará na sucessão da ALPB com mesmo encaminhamento.

Até aí tudo bem, mesmo levando em conta as adesões de Manoel Judgerio e Felipe Leitão ao Governo, mas o contexto suscita a projeção hoje distante de que se a Oposição obtiver, por exemplo, sete votos faria a presidência da Casa.

REALIDADE E TERRENO FÉRTIL

A cúpula política do governador João Azevedo anda tranquila depois de acompanhar todas as audiências dos 22 deputados da Base Aliada, sempre antenada e em sintonia com João, mas ela talvez não valorize o fato de que os nomes apresentados para o segundo biênio – Hervásio Bezerra, Buba Germano e Jeová Campos- ainda não debelaram a resistência. Dos 22 votos, mais de 10 resistem.

Até agora,  o clima de aparente harmonia total pode incidir em outro patamar porque o Baixo Clero insiste em ser ouvido, mas há insistência em querer ignorá-lo. É aí que mora o perigo.

A ÚLTIMA INSUBORDINAÇÃO

Em 1986, o mais forte líder político reeleito com resultado acachapante sobre Marcondes Gadelha, o professor Tarcísio Burity ignorou a resistência ao nome de Fernando Milanez e acabou tendo os “tupamaros” (Edvaldo Mota, Ramalho Leite e Pericles Vilhena ) elegendo o então neófito João Fernandes presidente da Assembléia Legislativa.

Claro que tudo é mera citação histórica, mas é muito pertinente levar em conta o processo histórico porque, como se diz lá na Torre, não diga que “Santo Antônio me enganou” porque há riscos, sim, mesmo que todos sigam jurando de pés juntos.

Em síntese, tudo ainda está sob controle, mas os 12 opositores Unidos suscitam cuidado redobrado para que 1986 não se repita 39 anos depois.

O PAPEL DE JOÃO

Na mídia , já há quem identifique postura diferente do que pensam atual e ex-governador na solução, o que ainda não é fato consolidado, mas agora cabe a João Azevedo manter os princípios do Socialismo em voga e o futuro do seu governo com identidade e sintonia sem crises.

O fato é que não existe crise na conjuntura, mas há resistência à fórmula elaborada.

Em síntese, faz bem retirar as pedras do caminho.

 

ÚLTIMA

“O olho que existe é o que vê…”