menu

Política

17/07/2019


Após blindagem de Toffoli, Flávio Bolsonaro vai ao Senado apresentar proposta de imposto único

A informação sobre o projeto foi divulgada um dia após o presidente do STF, Dias Toffoli, blindar o senador.

Na imagem, o senador Flávio Bolsonaro; foto: Pedro França/Agência Senado

Logo após a blindagem feita pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, nas investigações sobre movimentações financeiras atípicas, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), deve apresentar no Senado uma proposta de criação de um imposto único sobre movimentações financeiras.

 

A ideia é apoiada por mais de 40 entidades de comércio, turismo e indústria, e foi lançada pelo Instituto Brasil 200, que defende a criação de uma alíquota de 2,81% para substituir mais de 90 tributos. O congressista vai propor que a cobrança inicialmente substitua cinco impostos federais: INSS sobre folha de pagamento, PIS, IPI, Cofins e IOF.

 

Flávio conversou nesta terça-feira (16) com Gabriel Kanner, presidente da entidade, e os dois bateram o martelo sobre o projeto.

 

“O imposto único, não declaratório, é insonegável, de cobrança automática e fácil fiscalização. Coloca o Brasil na era da modernidade”, diz Gabriel Kanner em trecho da publicação feita nesta quarta-feira (17) pela coluna de Mônica Bergamo.

 

A entrada do senador dá novo peso à reforma. Ela sinaliza que o projeto tem apoio de setores importantes do próprio governo.

 

Sobre a blindagem

A informação sobre o projeto foi divulgada um dia após o presidente do STF, Dias Toffoli, blindar o senador. A Corte suspendeu todos os inquéritos que tramitam em todas as instâncias judiciais que tenham partido de dados compartilhados por órgãos de controle, como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), sem autorização judicial. A investigação ocorre no Ministério Público do Rio de Janeiro.

 

O Coaf detalhou hora e data de cada depósito de R$ 2.000 feito entre junho e julho de 2017. Foram no total 48 depósitos, somando R$ 96 mil.