Abel Braga expõe desejo, e Flamengo insiste na contratação do zagueiro Dedé para 2019

Dedé é o sonho de consumo do Flamengo: impacto extracampo e técnica dentro — Foto: Pedro Martins/Mowa Sports

O Natal foi magro e a tendência é que não haja novidades até a virada do ano. Ainda zerado na janela, o Flamengo trabalha em algumas frentes para se reforçar.

Dezenas de nomes foram consultados, em alguns casos negociações foram abertas, mas a direção tenta controlar a pressão externa por contratações e estabelecer prioridades. E o zagueiro Dedé o número 1 nesta lista.

O zagueiro é um desejo, principalmente, de Abel Braga. O treinador inclusive buscou contato com Dedé na semana passada para expor seus planos e projeto. Ele vê o defensor do Cruzeiro como substituto ideal de Réver, que retornará para o Atlético-MG. Além do fator técnico, seria um nome de impacto nacional e aceitação unânime na torcida. Pacote completo.

Mas é preciso cautela. É sabido que será difícil convencer os mineiros a liberá-lo. As conversas por Dedé começaram antes mesmo das eleições, ainda com o então vice de futebol Ricardo Lomba. O Flamengo, que negocia parceria com o BMG, pediu ajuda para trazer o zagueiro. A troca de poder, no entanto, não mudou em nada o desejo do Rubro-Negro, que também consultou a situação de Kannemann, do Grêmio.

Na semana passada, o vice-presidente de futebol Cruzeiro, Itair Machado, revelou que o Flamengo acenou com uma oferta entre R$ 15 mi e R$ 20 mi, prontamente recusada. Para trazer Dedé o clube carioca terá de abrir os cofres e ter muito jogo de cintura. O sonho, entretanto, permanece e expectativa é de que seja dado um bote ainda mais ousado.

As tratativas acontecem entre os clubes. Por mais que Dedé tenha consciência do desejo rubro-negro, negociações sobre salários e tempo de contrato só terão início caso o Cruzeiro dê o ok.

Enquanto isso…paciência por Gabigol

Gabigol é um desejo igualmente difícil, mas é o jogador que o Flamengo quer para comandar seu ataque em 2019. O artilheiro do Campeonato Brasileiro não está nos planos da Inter de Milão. Por outro lado, os italianos priorizam uma negociação com a Europa e não têm pressa para resolver a questão – o jogador se reapresenta no dia 7 de janeiro. O que atrasa os planos rubro-negros.

Gabigol está ciente da intenção do Flamengo e, se ficar no Brasil, o Rubro-Negro tende a ser o destino. Nesta quinta, o atacante participará do Jogo das Estrelas, no Maracanã, e terá contato com a torcida rubro-negra.

Bruno Henrique, meias e dificuldade por laterais

Dedé e Gabigol são os sonhos, mas o Flamengo trabalha em outras frentes, especialmente nos setores de meio campo e ataque. O clube consultou a situação de Luan, do Grêmio, mas recuou. Houve proposta pelo argentino Matías Vargas, recusada pelo Vélez.

Situação semelhante a de Bruno Henrique. Após a contratação de Sampaolli, o Santos recuou na negociação, o que irritou o empresário do atacante. O jogador ainda está na mira, mas dificilmente o Flamengo esticará a corda. O diretor Carlos Noval está à frente da negociação.

Alvo de críticas em 2018, as laterais não são prioridades no momento. O Flamengo monitora o mercado em busca de uma boa oportunidade. O clube tentou a contratação de Fagner, do Corinthians, mas desistiu ao saber que teria de desembolsar cerca de US$ 5 milhões – quase R$ 20 milhões.


Por Globoesporte