Notícias

Game 'Minecraft' é adotado como ferramenta de ensino por quase mil escolas no mu

'Minecraft' é usado para criar réplicas de monumentos, cenários de filmes e cidades

Joel Levin, professor de uma escola em Nova York, passeia com seus alunos em uma área ampla e arborizada toda sexta-feira pela manhã para ensinar biologia. No fim da aula, ele oferece pás e outras ferramentas às crianças, que têm de 8 a 12 anos, e lança um desafio: "Usem materiais da natureza e construam o que a imaginação permitir".

Tudo acontece dentro de "Minecraft", game de construção de blocos, uma espécie de Lego virtual, que permite ao jogador montar praticamente qualquer objeto, de pequenas casas a grandes castelos e cidades inteiras.

O jogo, que foi lançado oficialmente em 2011 e tem mais de 40 milhões de usuários, é usado por Levin como plataforma educativa. E ele não está só: quase mil escolas do mundo fazem o mesmo.

Na China, alunos aprendem literatura reconstruindo cenários de romances clássicos. Na Austrália, combinações de matéria-prima para fazer novos produtos são usadas nas aulas de matemática. Na Suécia, terra natal da Mojang, companhia responsável por "Minecraft", uma escola incluiu, neste mês, o jogo na grade de disciplinas.

"Escolhi 'Minecraft' porque o jogo é um mundo aberto, cheio de possibilidades para qualquer matéria", diz Levin. "Os alunos devem seguir tarefas predeterminadas, que seguem um plano de aula."

Levin teve a ideia de usar "Minecraft" na sala de aula, quando viu sua filha de cinco anos construir, sozinha, uma casa na árvore no game.

"Percebi que ela estava aprendendo muitas coisas, como noções de geometria e física", diz. A partir daí, ele adaptou o jogo para as aulas.

Nasceu então o projeto MinecraftEDU, que vende a versão especial do game com 50% de desconto para escolas.

Cláudio Mendes, professor da Universidade Federal de Ouro Preto que estuda o uso de games na educação, diz que jogos são uma ótima ferramenta de ensino, mas que é preciso escolher bem o título.

"Simuladores de construção como 'Minecraft' ou 'SimCity' são os mais indicados por não terem missões específicas nem enredo definido, o que estimula a criatividade", diz Mendes, acrescentando que, no Brasil, a adoção de tais recursos é tímida.

PROGRAMA DA ONU

Além das escolas, "Minecraft" também virou base para projetos sociais. Até 2016, a ONU pretende revitalizar mais de 300 espaços urbanos no mundo com a ajuda do jogo.

O projeto, chamado Bloco por Bloco, é coordenado palo Habitat, escritório da ONU para desenvolvimento urbano e ambiental, e busca envolver jovens na recuperação de áreas abandonadas.

Para isso, os locais são recriados dentro do game, e os jogadores são convidados a modificá-los virtualmente, para ver como o espaço ficaria. O primeiro local a ser revitalizado é um parquinho na periferia de Nairóbi (Quênia).

"Temos novidades para mostrar e vamos lançar um site em breve. Ainda não sabemos se há alguma cidade no Brasil, mas vamos passar por todos os continentes", diz Lydia Winters, diretora da produtora Mojang, parceira da ONU no Bloco por Bloco.


notícias relacionadas