Notícias

Segundo pesquisa, dois em casa três jovens desejam ter o próprio negócio

Foram entrevistados mais de 5,6 mil jovens profissionais, com idades entre 25 e 30 anos, de oito países: Brasil, Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Espanha, China, Índia e Rússia

Créditos: Matheus Henrique/G1

Uma pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) aponta que dois em cada três jovens brasileiros pretendem se tornar empreendedores nos próximos anos. A realização pessoal é a principal motivação para abrir o próprio negócio. Menos da metade dos pretensos empreendedores se dizem pessimistas com o mercado formal de trabalho.

Para a pesquisa, intitulada “Jovens Empresários Empreendedores”, foram entrevistados mais de 5,6 mil jovens profissionais, com idades entre 25 e 30 anos, de oito países: Brasil, Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Espanha, China, Índia e Rússia. Segundo a Firjan, foram feitas, aproximadamente, 600 entrevistas em cada país. Com isso, a entidade buscou traçar um perfil destes jovens profissionais.

A maioria dos entrevistados (76,4%) apontou a realização pessoal/de um sonho como principal motivação para empreender. A possibilidade de ter melhor qualidade de vida foi citada por 75,6% dos entrevistados. Ter oportunidade de altos ganhos financeiros foi considerado por 70% dos que responderam à pesquisa. Para 66,1%, o empreendedorismo se mostra como um mercado promissor. Já 64,5% dizem que não ter chefe lhes motivam a investir no próprio negócio.

Ter horários flexíveis é motivo de anseio para 60,7% dos jovens brasileiros que querem empreender. Trabalhar com algo que faça diferença positiva para a sociedade foi mencionado por 58,4% dos entrevistados. Além disso, 63,3% esperam encontrar respeito e reconhecimento profissional no empreendedorismo.

Embora o mercado de trabalho esteja em crise no Brasil, menos da metade (41,2%) dos entrevistados que pretendem empreender no país disseram ter falta de perspectiva com o mercado formal de trabalho.

A pesquisa mostrou ainda que para mais de 70% dos jovens brasileiros há ambiente atraente para a abertura de novos empreendimentos tanto nas capitais quanto nas pequenas cidades do país. De acordo com a Firjan, esta percepção é diferente para os jovens estrangeiros. Na China (67%) e na Índia (59%), por exemplo, a maioria dos jovens consideram que as metrópoles sejam o local ideal para investir em novos negócios.

Realização profissional
Segundo a Firjan, por meio da pesquisa foi possível mensurar que os jovens empresários brasileiros se sentem mais realizados profissionalmente que os não são donos de um negócio. Dentre os entrevistados, 46,1% daqueles que têm o próprio negócio se declararam plenamente realizados. Dentre os jovens que atuam no mercado formal, apenas 25,6% citaram a plena realização pessoal e profissional.

Ainda considerando o perfil dos jovens que já empreendem, a maior parte deles (81,1%) montou sua empresa do zero. Apenas 15,4% herdaram o negócio e 3,2% o compraram. Dentre os que pretendem investir no empreendedorismo, 31,1% consideram que a opção mais fácil é dar continuidade no negócio familiar.

Por G1


notícias relacionadas