Robinho treina sem dores, mas não testa chute - WSCOM

menu

Mais Esporte

29/06/2006


Robinho treina sem dores, mas

Depois de três dias fazendo apenas trabalhos de fisioterapia na piscina do castelo Lerbach e treinos de bicicleta, o atacante Robinho voltou a treinar no campo – e com bola – nesta quarta-feira. E, apesar de não ter testado aquilo que causou a lesão que o afastou – o chute -, ele declarou, depois da prática, que não sentiu dores.

com bola, mas não testou o músculo lesionado

“Hoje eu não senti nada. Espero continuar assim e ganhar confiança para chegar no sabadão 100% para jogar”, declarou o atacante, em entrevista coletiva concedida após deixar o gramado da Belkaw Arena.

O atleta explicou que jogaria mesmo sentindo dores – desde que elas não comprometam seu rendimento em campo. “Se for suportável a dor, eu jogo. Caso contrário vou avisar a comissão técnica até para não prejudicar a equipe”, reconheceu, antes de filosofar: “Tudo depende da dor. Dor e cansaço fazem parte do uniforme do atleta”.

Robinho começou o treino participando da roda de “bobinho” e da sessão de alongamentos com o restante do grupo. Então, enquanto os demais jogadores fizeram um trabalho físico com extensores, o jogador começou a correr. Entre as 17h e 17h20 locais (12h e 12h20 no Brasil), o driblador deu dez voltas em torno do campo, sendo cinco para cada lado.

Depois disso, descansou durante 10 minutos, e começou às 17h30 um trabalho de agilidade com o preparador físico Paulo Paixão. Robinho, sem bola, passava por cones, e ao fim da corrida recebia bola de Paixão para devolver com um leve toque com o dorso do pé – tanto esquerdo quanto direito.

Ao término da prática, o atacante ficou observando os companheiros, que jogavam um mini-rachão. O jogador fez embaixadinhas e trocou passes curtos com a trave ou algum integrante da comissão técnica enquanto isso, mas não deu nenhum chute.

O técnico Carlos Alberto Parreira acompanhou de perto o comportamento de Robinho durante toda a prática, desde a corrida até os momentos finais.

Antes do treino, o médico da seleção brasileira, José Luiz Runco, se mostrou otimista, acreditando na possibilidade de o atacante do Real Madrid se recuperar plenamente a tempo de enfrentar a França, no próximo sábado. “Acho que ele vai jogar, está intensificando bem o trabalho”, avaliou. “Ele está animado. Vejo isso pela maneira como sobe a escada”.

Dor e cansaço fazem parte do uniforme do atleta

RobinhoNo último sábado (24), Robinho participava normalmente do treino da seleção quando, ao final da prática, sentiu um edema no terço superior do músculo reto anterior da coxa direita. Segundo a tradução de Runco, “o músculo do chute”. A lesão o tirou do jogo contra Gana.

Os titulares da partida diante dos africanos ficaram no castelo Lerbach fazendo recuperação física. Nos casos de Emerson e Kaká, que sentem dores no joelho direito e, segundo Runco, estariam fora da partida contra a França se a partida fosse amanhã, foi feito tratamento.

Robinho, que era cotado pela imprensa e torcida para sair jogando nas oitavas-de-final, voltou a pregar, nesta quarta-feira, o discurso politicamente correto.

“Se tiver que ficar no banco (contra a França) não tem problema nenhum, vou me preparar para ficar à disposição do professor. Se eu for titular, ótimo. Mas se for banco não tem problema”.

Notícias relacionadas