Reservas se animam com eventual chance, mas adotam cautela - WSCOM

menu

Mais Esporte

20/06/2006


Reservas se animam com eventual

O discurso adotado pelo técnico Carlos Alberto Parreira após a vitória por 2 a 0 sobre a Austrália, que indicou a possibilidade de escalar um time diferente no último jogo da primeira fase, quinta-feira, contra o Japão, deixou os reservas da seleção cautelosos no discurso, mas entusiasmados com a eventual chance.

“Hoje a gente não sabe quem vai jogar na quinta-feira, então a minha chance aumenta”, disse Juninho Pernambucano, que ainda não entrou em campo nem por um minuto nesta Copa do Mundo, apesar de ter participado dos dois amistosos preparatórios, contra Lucerna e Nova Zelândia.

“Os titulares são só os 11 que vão começar o próximo jogo”, afirmou o meia, dizendo que tal condição não é absoluta. “É assim que os times se preparam na Europa, é sempre próximo do jogo que sai isso”, explicou.

Juninho segue com vontade de entrar, e já deixou claro que ficará frustrado se não atuar em nenhum momento desta Copa. “Ainda não chega a ser uma decepção (não ter jogado) porque a competição continua; espero que tenhamos mais cinco jogos, e até lá a esperança de entrar continua”.

A expectativa dos jogadores de confiança de Parreira, como Robinho, Gilberto Silva e o próprio Juninho, aumentou com as palavras do treinador após o jogo diante dos australianos, confirmadas nesta segunda-feira, na concentração.

“Se for melhor manter o time, ele será mantido; se for melhor mexer, eu vou mexer”, disse o técnico. Ele argumentou que, para o jogo contra os japoneses, pode poupar atletas que estejam pendurados com cartão amarelo ou que se sintam cansados fisicamente.

Os pendurados da seleção brasileira são os atacantes Ronaldo e Robinho, o meia Émerson e o lateral Cafu. Nesse sentido, aumentam as esperanças do volante Gilberto Silva, do lateral Cicinho e do atacante Fred, que marcou o segundo gol contra a Austrália.

“Como eu sou jogador, eu quero jogar”, simplificou um tranqüilo Fred. “Vou continuar com o intuito de trabalhar forte para, se a oportunidade for dada, eu entrar bem, independentemente do tempo e da maneira que for”, prosseguiu o atacante, que preferiu não responder se pouparia alguém caso estivesse na pele de Parreira. “Aí é só com o Parreira. O que ele decidir, está bem decidido”, opinou o colega de Juninho no Lyon, da França.

O lateral Cicinho, que teria vaga entre os 11 caso o pendurado Cafu seja poupado, esclareceu que não se desanimou ao aquecer no início do segundo tempo e depois ser mandado de volta ao banco de reservas.

“É a maneira do aquecimento, que são três por vez. Não causa constrangimento não, é um prazer. E se tiver a oportunidade (quinta-feira), estarei preparado”, assegurou o atleta do Real Madrid.

Nesta segunda-feira, apenas os reservas treinaram. Eles fizeram uma prática leve, com exercícios de agilidade, um mini-rachão e treino de finalizações. Já os titulares ficaram no hotel Lerbach fazendo exercícios de recuperação muscular, alongamento e relaxamento na piscina.

Notícias relacionadas