WSCOM Online

Login no site Esqueci minha senha O que é Vozmice?
Busca no site

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Aliquam dapibus leo quis nisl. In lectus. Vivamus consectetuer pede in nisl. Mauris cursus pretium mauris. Suspendisse condimentum mi ac tellus. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Donec sed enim. Ut vel ipsum. Cras consequat velit et justo. Donec mollis, mi at tincidunt vehicula, nisl mi luctus risus, quis scelerisque arcu nibh ac nisi. Sed risus. Curabitur urna. Aliquam vitae nisl. Quisque imperdiet semper justo. Pellentesque nonummy pretium tellus.

Menu de navegação

/ Notícias / Policial

4/12/13 - 11:45 AM


Justiça nega habeas corpus a acusado de matar policial em imobiliária


Josimar Guilherme estaria envolvido na morte do policial militar Ozimar Oliveira

 Decidido nesta terça-feira, 3, que um dos acusados pela morte do policial militar Ozimar Oliveira, ocorrido no mês de agosto no bairro de Água Fria (JP), continurá detido. A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou habeas Corpus com pedido de liminar, impetrado por Luiz Eduardo de Andrade Hilst, em favor de Josimar Guilherme da Silva Júnior, acusado de crime de latrocínio – roubo, seguido de morte. O relator do processo de nº 2001144 -21.2013.815.0000 foi o desembargador Carlos Martins Beltrão Filho.

Conforme consta nos autos, Josimar e mais três elementos, após assaltarem o policial militar Ozimar Oliveira, que se encontrava em uma imobiliária no bairro de Água Fria, em João Pessoa, desferiram vários disparos de arma de fogo que culminou com do militar. Um dos três comparsas está foragido. A participação de Josimar no crime foi dar cobertura para os demais no momento do crime.

O apelante entrou com o presenta processo, alegando que está sofrendo constrangimento ilegal e que falta fundamentação na formação da culpa. O relator do processo entendeu, ao negar o pleito de Josemar, existir uma cadeia de informações a ligar todos os envolvidos na morte do policial militar.

Alega ainda a defesa que o decreto prisional não está bem fundamentado e que que o paciente é réu primário e tem bons antecedentes. Com relação a essas alegações, o relator entendeu que a prisão preventiva se fundamenta na necessidade de assegurar a ordem pública ou econômica. “È clarividente que houve fundamentação do magistrado para decretar a prisão. Portanto, não há razão para cassação da decisão tomada no juízo de primeiro grau”, assegura.

Da Redação (com assessoria)
WSCOM Online







Revista Nordeste

Veja nesta edição: O Futuro do Brasil.


Veja no Portal NORDESTE:

Busca no site


© Todos os direitos reservados - Grupo WSCOM de Comunicação - www.wscom.com.br

Produzido por Construir Sites