Pênalti nos acréscimos dá vitória e vaga nas quartas à Itália - WSCOM

menu

Mais Esporte

26/06/2006


Pênalti nos acréscimos dá vitória

A Itália sofreu, mas conseguiu se classificar para as quartas-de-final da Copa do Mundo ao vencer a Austrália por 1 a 0 nesta segunda-feira, na cidade de Kaiserslautern, com um gol de pênalti duvidoso aos 50min do segundo tempo. Além da vaga, obtida com um jogador a menos (Materazzi foi expulso no começo do segundo tempo), a Azzurra se vingou do técnico Guus Hiddink, responsável pela eliminação da equipe na Copa de 2002, quando dirigia a seleção da Coréia do Sul.

E coube a Francesco Totti sacramentar a classificação italiana para as quartas-de-final. O jogador, que entrou no fim do segundo tempo no lugar de Del Piero, não deu chances para o goleiro Schwarzer na cobrança da penalidade. Agora, a Azzurra enfrenta o ganhador do confronto entre Suíça e Ucrânia.

A Itália ampliou assim a sua seqüência invicta. O time já soma 22 partidas sem perder. Além disso, em Mundiais disputados na Europa, a série invicta chega a 23 jogos. A última derrota foi para a Polônia em 1974, também na Alemanha.

Antes da partida desta segunda-feira, o técnico da Itália, Marcello Lippi, surpreendeu na escalação, colocando Del Piero no lugar de Totti, que foi bastante criticado pela imprensa local na primeira fase. Luca Toni, que corria o risco de perder a vaga de titular para Iaquinta, acabou mantido na equipe.

“Agora deixo que os críticos falem de mim. Até agora me massacraram. Estou certo de que agora devem estar felizes”, disse Totti após marcar o gol da classificação.

A Austrália também mudou. Além da volta do goleiro Schwarzer, que havia ficado de fora da partida contra a Croácia, o técnico Guus Hiddink colocou Wilkshire no lugar do suspenso Emerton e Bresciano na vaga de Kewell, que chegou ao estádio de muletas.

A Itália começou a partida pressionando. Aos 3min, Del Piero cruzou da esquerda e Luca Toni, de cabeça, mandou à esquerda do gol australiano.

O domínio da Itália prosseguiu, apesar do jogo duro da Austrália. Sem contar com Kewell, um dos seus jogadores de melhor qualidade técnica, a equipe da Oceania se limitou a defender, esperando uma brecha para o contra-ataque.

Já a Itália sentiu falta de opções de jogadas. Del Piero não conseguia organizar o ataque italiano, que no primeiro tempo viveu basicamente de bolas lançadas na área. Mesmo assim, o time levou perigo ao gol australiano.

Aos 20min, Schwarzer espalmou um chute de Gilardino. Dois minutos depois, Pirlo lançou Luca Toni, que girou e bateu forte. Com os pés, mais uma vez o goleiro australiano evitou o gol.

A Austrália assustou o gol de Buffon uma única vez no primeiro tempo. Aos 30min, Chipperfield aproveitou um rebote na área para testar o goleiro italiano, que agarrou com segurança.

A Itália ainda teve duas boas chances de abrir o placar antes do intervalo. Aos 34min, Pirlo tocou para Perrotta, que passou de cabeça para Luca Toni. Mas o atacante italiano mandou para fora. Aos 41min, foi a vezes de Gilardino desperdiçar uma oportunidade ao não alcançar passe de Luca Toni.

No intervalo, Lippi resolveu mexer no ataque, colocando Iaquinta no lugar de Gilardino. Entretanto, aos 5min a equipe ficou com um jogador a menos. Materazzi deu carrinho em Bresciano e levou o cartão vermelho.

Mesmo precisando marcar para avançar às quartas-de-final, Lippi decidiu fortalecer a defesa. Ele tirou o atacante Luca Toni e colocou em campo o zagueiro Barzagli.

Com um jogador a mais, a Austrália passou a arriscar mais. E só não marcou aos 14min porque Buffon fez grande defesa em chute de Chipperfield. Já a Itália contava com os contra-ataques. Em um deles, aos 19min, Gattuso cruzou muito forte, impedindo que Del Piero alcançasse a bola.

Ao 30min, Totti finalmente entrou em campo no lugar de Del Piero. Mas a dinâmica não mudou, e a Austrália continuou desperdiçando as melhores chances. Como aos 35min, em uma cabeçada de Cahill que foi para fora.

No fim, as duas equipes ainda tiveram chance de marcar. Pela Austrália, Viduka perdeu uma dividida com Buffon. Pela Itália, Iaquinta não aproveitou um rebote na área.

Quando o jogo parecia ir para a prorrogação, a Itália achou o gol. Grosso fez grande jogada pela esquerda e, em uma dividida com Neill, caiu dentro da área. Pênalti que Totti cobrou com força para marcar o único gol da partida e classificar a Itália.

“Em nenhum momento eu me preocupei porque ainda tinha a prorrogação e a disputa de pênaltis”, afirmou o técnico Marcello Lippi.

Notícias relacionadas