WSCOM Online

Login no site Esqueci minha senha O que é Vozmice?
Busca no site

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Aliquam dapibus leo quis nisl. In lectus. Vivamus consectetuer pede in nisl. Mauris cursus pretium mauris. Suspendisse condimentum mi ac tellus. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Donec sed enim. Ut vel ipsum. Cras consequat velit et justo. Donec mollis, mi at tincidunt vehicula, nisl mi luctus risus, quis scelerisque arcu nibh ac nisi. Sed risus. Curabitur urna. Aliquam vitae nisl. Quisque imperdiet semper justo. Pellentesque nonummy pretium tellus.

Menu de navegação

/ Notícias / Paraíba

5/13/13 - 9:24 AM


Paraíba está fora do programa que estimula o uso da energia solar


Senador Vital do Rêgo pretende mudar essa realidade

 A medida da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para estimular a geração doméstica de energia solar não conta com nenhuma adesão do Estado da Paraíba.
Sabedor do potencial energético do Brasil, o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) não concebe que o estado mais ensolarado no Brasil esteja fora do projeto.

O parlamentar pretende mudar essa realidade conscientizando a população de que a medida aprovada reduz barreiras para essa produção de energia, dando desconto na conta de luz, caso haja produção excedente.

Segundo a distribuidora de energia na Paraíba a Energisa, nenhum consumidor paraibano solicitou ligação ao sistema da concessionária de energia do estado para aproveitar o abatimento. Vital se baseia no levantamento do professor e pesquisador do grupo de Fontes Alternativas de Energia (FAE) do Departamento de Energia Nuclear da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Chigueru Tiba, onde é revelado que o noroeste da Paraíba é um dos melhores lugares do Brasil em relação à incidência dos raios solares, para buscar os conscientizar esses consumidores aderirem ao programa da Aneel. “Cidades como Sousa e Patos têm uma radiação média anual de 20 MJ/m². Em um mês como dezembro, por exemplo, quando tem muito sol, a Paraíba tem uma incidência de 24 MJ/m² ou 26 MJ/m²”, comenta Vital. Megajoule (MJ) é uma unidade de medida de energia, também usada para aferir a incidência de radiação solar.

Com as novas regras da resolução da Aneel, quem tiver microgeração, com até 100 KW de potência, ou minigeração, de 100 KW a 1 MW, vai poder trocar energia com a distribuidora local por meio do Sistema de Compensação de Energia e ter descontos na conta de luz, caso haja produção excedente de energia.

O professor Zaqueu Ernesto da Silva, diretor do Centro de Energias Alternativas e Renováveis da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), explica que a região da Paraíba tem entre cinco horas e meia e seis horas e meia de horas úteis de luz solar por dia. De acordo com ele, dá para gerar entre 800 e 1.000w de energia por metro quadrado com essa incidência solar. “A região do semiárido paraibano é muito indicada para a geração de energia solar”, diz.

Recentemente Vital concordou com a tese defendida pela doutora em direito ambiental, Ruth Pessoa Gondim que apresentou a energia solar fotovoltaica, como uma alternativa viável para o país especialmente no Nordeste e que não agride o meio ambiente.

Segundo Vital, a energia solar fotovoltaica, ainda pouco explorada no país, vem conquistando aos poucos o Nordeste por ser uma tecnologia que converte a luz solar diretamente em energia elétrica, podendo substituir o sistema convencional inteiramente e, assim, reduzir os gastos dos paraibanos.

Fabrica na Paraíba

Como membro das Comissões de Assuntos Econômicos (CAE), Serviços de Infraestrutura e da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) Vital afirma que uma fábrica de painéis fotovoltáicos vai se instalar na Paraíba no segundo semestre de 2013. A Brasil Solair irá produzir, inicialmente, painéis solares e, para um segundo momento, está nos planos a fabricação de inversores. Posteriormente, está prevista uma expansão para incluir a fabricação das células fotovoltaicas que compõem os painéis, segundo informações da assessoria da empresa. A fábrica terá a capacidade para produzir cerca de 172.000 painéis por ano, cerca de 30MW/ano.

Oferta de crédito - O parlamentar peemedebista esclarece aos consumidores habituais da energia elétrica, que já existem linhas de crédito para estimular o consumo desse tipo de energia renovável, junto a Caixa Econômica Federal com taxas menores do que se costuma pagar no sistema tradicional utilizado pela maioria da população.

da Redação (com assessoria_
WSCOM Online







Revista Nordeste

Veja nesta edição: O Futuro do Brasil.


Veja no Portal NORDESTE:

Busca no site


© Todos os direitos reservados - Grupo WSCOM de Comunicação - www.wscom.com.br

Produzido por Construir Sites