'Minha missão está cumprida', afirma ministro - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

28/06/2006


'Minha missão está cumprida', afirma

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues, afirmou hoje, em entrevista coletiva, após pedir demissão do cargo, que sua missão está cumprida. “Tudo que teria que fazer já foi feito. Eu saio com o sentimento de dever cumprido, de ter dado tudo de mim para que as crises fossem superadas”, declarou. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceitou o pedido de demissão.

Segundo ele, não houve motivação política em sua saída. Ele repetiu diversas vezes que o motivo do afastamento foi o fato de sentir que sua missão foi cumprida. “Não há nenhuma vinculação entre a minha saída e questões políticas. Houve de fato, o meu convencimento de que a minha missão está cumprida”, disse.

O ministro também negou que a sua saída tenha sido motivada por problemas de saúde, como divulgado inicialmente. A assessoria do Ministério da Agricultura havia informado que a mulher do ministro estaria doente. “Os problemas de saúde na minha família são muito anteriores ao meu cargo, porém, não é agora que eles iriam impedir o meu trabalho”, afirmou.

Rodrigues procurou destacar quatro metas que considera alcançadas durante a sua gestão: a intensificação do contato entre o ministério rural e os produtores de classe; a modernização do processo técnico e administrativo da máquina do ministério; a melhoria do mecanismo de agregação de valores; e recomposição dos estoques públicos, principalmente de alimentação básica.

No entanto, ele alegou que ainda há metas a serem cumpridas. “É evidente que ainda faltam algumas questões a serem discutidas, mas, por todas essas razões, eu considero que a minha contribuição para o governo se encontra terminada”, acrescentou.

Algumas questões que ficaram pendentes para o seu sucessor, segundo ele, são pontos que transcendem a pasta, “questões de nível macroeconômico”, que Rodrigues preferiu não comentar. No entanto, ele citou que, o que ainda pode mudar para alavancar a agricultura do País é a queda dos juros e a baixa do dólar.

O ministro, que deve deixar o cargo na sexta-feira, admitiu que a agricultura brasileira teve uma de suas piores crises. “Crise que impôs dura negociação e trabalho rigoroso do ministério da Agricultura”, afirmou durante a entrevista.

Rodrigues agradeceu aos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e da Casa Civil, Dilma Rousseff, que o ajudaram a passar pela crise. “O pacote agrícola e o plano de safra que saíram nos últimos dias foi resultado de uma longa negociação com o ministro Guido (Mantega).”

Substituto – Rodrigues não confirmou o nome do secretário executivo da pasta, Luiz Carlos Guedes Pinto, como seu substituto. Segundo ele, essa decisão ficou totalmente a cargo do presidente Lula. “Eu teria pelo menos uns vinte nomes para sugerir”, afirmou.

Ao comentar se seria adequado ter um nome mais técnico do que político, Rodrigues voltou a dizer que isso fica a cargo do Lula. O ministro também negou que soubesse sobre o fato de o PMDB ter pedido o ministério para Lula. “Se isso tivesse acontecido, ele (Lula) teria me falado”, disse.

“Em todos os momentos que houve uma crise política, que surgiu pela mídia de que partidos queriam participar mais do governo, em todas as vezes eu ofereci a ele (Lula) o cargo, não pedi demissão. Foram melo menos umas quatro vezes”, afirmou.

Rodrigues era um dos poucos ministros que permaneciam no cargo desde o início do governo do presidente Lula, em 1º de janeiro de 2003. Nesta semana, o ministro tinha agendada uma viagem a Genebra para participar das negociações da Rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), nas quais agora será substituído por um funcionário de sua pasta, que ainda não foi designado.

O ministro, segundo sua assessoria de imprensa, permanecerá no cargo durante alguns dias, enquanto Lula realiza as consultas necessárias para nomear seu sucessor na pasta.

Rodrigues, engenheiro agrônomo de 63 anos, esteve sempre vinculado ao setor privado e presidia a Associação Brasileira de Agronegócios (ABAG) quando aceitou o convite para se incorporar ao Governo.

Entre os empresários, uma das primeiras reações à demissão de Rodrigues foi a do presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu, Orestes Prata Tibery Júnior, que lamentou a saída de um ministro que “sempre esteve aberto ao diálogo e ao debate”.

Notícias relacionadas