México quer jogar com inteligência para confirmar favoritismo - WSCOM

menu

Mais Esporte

16/06/2006


México quer jogar com inteligência

Após a vitória por 3 a 1 sobre o Irã na estréia na Copa do Mundo, os mexicanos buscam contra Angola, na próxima sexta-feira, dar um passo significativo rumo à classificação para as oitavas-de-final.

A equipe, cabeça-de-chave do Grupo D, não poderá contar com sua principal estrela, o atacante Borgetti, que tem 38 gols com a camisa asteca. O jogador sofreu uma lesão muscular na coxa esquerda contra os iranianos e deve ficar ausente de toda a primeira fase.

Em seu lugar o técnico Ricardo La Volpe deve escalar o brasileiro naturalizado Zinha. O meia-atacante entrou no segundo tempo na estréia e teve atuação destacada. Além de marcar o terceiro gol, o jogador do Toluca deu o passe para o segundo, de Bravo.

La Volpe ficou satisfeito com a atuação da equipe, mas pede atenção contra os angolanos, que precisam da vitória após a derrota no primeiro jogo para Portugal por 1 a 0.

“Temos que ser inteligentes. Não podemos cometer os mesmos erros que contra o Irã. Nesta primeira parte do Mundial temos que jogar três finais e já ganhamos a primeira. Agora, estamos pensando em ganhar a segunda, mas com paciência, pois em um Mundial nenhuma equipe dá nada de graça”, analisou La Volpe nesta quinta-feira.

Sem Borgetti, o atacante Bravo tentará repetir o bom desempenho da estréia, quando marcou dois gols. O atleta número 19, que defende o Chivas Guadalajara, terminou a primeira rodada como um dos artilheiros do Mundial.

Em situação menos confortável, Angola vai para o tudo ou nada para o duelo contra os mexicanos, em Hanover.

A seleção surpreendeu pelo bom futebol no primeiro jogo, mas foi derrotada por 1 a 0 para Portugal, que marcou com Pauleta logo no início da partida.

Os destaques da equipe são o atacante Akwa e o meia Zé Kalanga. Ambos tiveram boas atuações contra os portugueses e levam perigo constante aos defensores adversários.

A equipe, porém, tem uma formação que prioriza o setor defensivo e deixa os jogadores de frente isolados em campo em vários momentos.

O esquema tático adotado pelo técnico Luis Oliveira chegou a contrariar Akwa, que deu declarações polêmicas durante a semana à imprensa internacional pedindo um companheiro de ataque.

“Quando a equipe começou a jogar melhor, o treinador decidiu trocar de atacante. Não concordo, mas tenho que aceitar. Eu não esperava ser substituído, mas o técnico Oliveira sabe o que está fazendo”, reclamou Akwa, que foi substituído por Mantorras no início do segundo tempo.

Estreante em Mundiais, os angolanos precisam da vitória para seguir no torneio e entrar em campo contra o Irã, na última rodada, para disputar a partida mais importante da história do país, que foi assolado por uma guerra civil na década de 90.

México

Sánchez; Torrado, Salcido, Márquez, Osorio e Méndez; Pardo, Pineda e Zinha; Franco e Bravo.

Técnico: Ricardo La Volpe

Angola

João Ricardo; Delgado, Jamba, Kali e Locô; Macanga, Zé Kalanga, Mendonça e Figueiredo; Mateus e Akwa.

Técnico: Luis Oliveira

Local: AWD Arena, em Hanover

Capacidade: 39.297

Árbitro: Shamsul Maidin (SIN)

Assistentes: P. Permanich (TAI) e E. Ghulom (EAU)

Horário: 16h (de Brasília)

*com agências internacionais

Notícias relacionadas