Liderança do São Paulo é 'presente de despedida' de Mineiro - WSCOM

menu

Mais Esporte

01/06/2006


Liderança do São Paulo é

A liderança do Campeonato Brasileiro foi o presente de despedida do volante Mineiro para o São Paulo. Convocado nesta quarta-feira para defender a seleção brasileira na próxima Copa do Mundo, o jogador viu sua equipe “roubar” do Fluminense o primeiro posto da tabela. O clube paulista fez sua parte e venceu o rival carioca por 1 a 0 no Morumbi, em duelo válido pela nona rodada da competição nacional. Além disso, contou com uma combinação de resultados extremamente favorável para alcançar o topo pela primeira vez nesta temporada.

Até esta quarta-feira, o São Paulo aparecia na quinta colocação do Campeonato Brasileiro. No entanto, nenhuma das equipes que estavam acima do time tricolor na tabela conseguiu vencer (Cruzeiro e Internacional empataram, respectivamente, com Atlético-PR e São Caetano; Santos e Fluminense perderam para Grêmio e o próprio São Paulo). Assim, o triunfo do clube do Morumbi fez com que os mandantes ascendessem, de uma só vez, para a liderança da competição nacional.

“Sabemos que isso é importante demais, mas não chegamos à liderança hoje [quarta-feira]. Conseguimos isso porque o nosso desempenho em todo o campeonato foi positivo, e por isso nós precisamos dar seqüência ao trabalho”, avisou, bastante contido, o lateral-esquerdo Júnior, do São Paulo.

A campanha do São Paulo até o primeiro lugar da tabela, aliás, foi impulsionada pelo rendimento da equipe como mandante. O êxito diante do Fluminense manteve o time dirigido por Muricy Ramalho com 100% de aproveitamento em seus domínios, agora com cinco vitórias em cinco partidas no Campeonato Brasileiro.

Assim, o São Paulo igualou o número de pontos do Fluminense (19). As duas equipes têm campanhas similares (seis vitórias, um empate e duas derrotas) e os paulistas levam vantagem apenas por terem saldo de gols superior (nove contra seis). Com isso, os cariocas caíram para o segundo posto da tabela.

Nesta quarta-feira, porém, nem a liderança do Brasileiro rendeu comemoração tão efusiva quanto a participação de Mineiro. Conhecido por seu estilo acanhado e avesso à badalação, o camisa 7 ganhou a braçadeira de capitão do São Paulo, foi o centro das atenções em campo e viu a torcida gritar seu nome durante o intervalo (além de aplaudir em quase todas as participações dele na etapa inicial). Ele foi chamado para a seleção brasileira devido ao corte do volante Edmílson, que sofreu uma lesão no joelho direito.

Ofuscado pela festa de Mineiro, o Fluminense perdeu a liderança do Campeonato Brasileiro pela segunda vez (o time carioca havia ficado no topo da tabela na segunda rodada, mas foi superado pelo Santos devido a um empate por 1 a 1 com o Vasco). O time das Laranjeiras e o Grêmio, que ponteou a competição na rodada inicial, são as equipes que não conseguiram se manter na primeira colocação após alcançá-la (o Cruzeiro permaneceu no primeiro posto por duas rodadas, e o Santos por três).

A derrocada do Fluminense, contudo, pode ser justificada pelo número de desfalques que o time carioca teve nesta quarta-feira. O técnico Oswaldo de Oliveira, que foi xingado pela torcida do São Paulo durante o segundo tempo, não pôde contar com seis atletas e precisou escalar seis jogadores formados nas categorias de base da equipe carioca.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, a última antes da paralisação do torneio em virtude da Copa do Mundo, o Fluminense terá pela frente outro rival que disputa as primeiras colocações. O time carioca receberá o Internacional-RS, às 16h do próximo sábado, no Maracanã. No dia seguinte, às 18h10, o São Paulo irá a Caxias do Sul para encarar o Juventude.

O jogo

Desfigurado pela ausência de seis titulares (Thiago Silva e Tuta cumpriram suspensão; Rogério foi acometido por uma virose; Thiago, Arouca e Petkovic estão machucados), o Fluminense apostou em jogadores formados em suas categorias de base (Fernando Henrique, Radamés, Ângelo, Romeu, Juliano, Marcelo e Lenny foram titulares nesta quarta). Por conta disso, o técnico Oswaldo de Oliveira adotou uma postura cautelosa para o confronto com o São Paulo. “Temos que fazer uma partida positiva do ponto de vista tático. Vamos encarar um grande adversário e temos muitos problemas. Por isso, um empate não pode ser considerado ruim”, ponderou o comandante dos visitantes.

Diante de um adversário acuado, com três zagueiros e pouca atuação ofensiva dos alas, o São Paulo não soube aproveitar o espaço. A equipe da casa não pressionou a saída de bola dos cariocas e viu o Fluminense tocar mais a bola no início do confronto desta quarta. “Erramos demais na intermediária. Faltou um pouco de tranqüilidade”, analisou o atacante Alex Dias, do time paulista.

A ineficiência ofensiva do São Paulo, que ainda foi amplificada por atuações apagadas de Danilo, Alex Dias e Ricardo Oliveira, ofereceu ao Fluminense a possibilidade de contra-golpear. Com lançamentos de Juliano para a velocidade de Lenny, que quase sempre levou vantagem sobre os defensores da equipe mandante, os cariocas foram superiores em grande parte da etapa inicial.

Foi assim aos 27min, por exemplo, na melhor oportunidade da primeira etapa. Cláudio Pitbull foi lançado na direita e tocou no meio para Juliano. O meia invadiu a área e chutou forte, no meio do gol. Bosco soltou nos pés de Lenny, mas conseguiu abafar a conclusão do camisa 7, que bateu à esquerda da meta.

O equilíbrio do jogo só ruiu quando o São Paulo acertou seu jogo coletivo. A equipe trocou passes com qualidade pela primeira vez aos 45min e abriu o placar. Danilo recebeu na esquerda e tocou no meio para Júnior, que rolou para trás. Souza bateu de primeira, de chapa, e a bola ainda passou por baixo de Romeu antes de entrar no canto direito baixo de Fernando Henrique.

A vantagem que o São Paulo alcançou no fim da primeira etapa mudou ligeiramente o panorama tático da partida depois do intervalo. O Fluminense assumiu postura mais ofensiva, sobretudo depois da entrada do atacante Evando no lugar do volante Ângelo, e o confronto ficou mais aberto no Morumbi.

Quando o Fluminense tinha mais domínio da bola, porém, o São Paulo criou uma oportunidade clara para aumentar sua vantagem. Thiago puxou contra-ataque pela esquerda aos 19min e virou o jogo para Alex Dias, que tocou de primeira para Danilo. O camisa 10, com liberdade e dentro da área, se esforçou para chegar na bola e concluiu de esquerda, à direita de Fernando Henrique.

Thiago voltou a levar perigo para o Fluminense aos 31min. O atacante recebeu bola dentro da área após cobrança de escanteio e chutou forte, de pé direito. Fernando Henrique não conseguiu segurar e Radamés salvou em cima da linha para evitar o segundo gol do São Paulo.

Enquanto o São Paulo chegou perto, o Fluminense balançou as redes. O time carioca aproveitou uma cobrança de falta da esquerda aos 38min, quando a defesa do São Paulo tentou fazer linha de impedimento, e Gabriel Santos tocou de cabeça para o gol. No entanto, o árbitro Evandro Rogério Roman apontou impedimento do jogador, invalidou o lance e gerou muita reclamação por parte dos visitantes. A equipe da casa havia garantido a vitória (e a liderança) do Brasileiro.

SÃO PAULO

Bosco; Alex, Fabão e André Dias; Souza, Josué, Mineiro, Danilo (Lenílson) e Júnior; Alex Dias (Leandro) e Ricardo Oliveira (Thiago)

Técnico: Muricy Ramalho

FLUMINENSE

Fernando Henrique; Gabriel Santos, Marcão e Roger; Radamés, Ângelo (Evando), Romeu (Jean), Juliano e Marcelo; Lenny (Alex) e Cláudio Pitbull

Técnico: Oswaldo de Oliveira

Local: estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)

Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)

Auxiliares: Roberto Braatz e Francisco Aurélio do Prado (ambos do PR)

Cartões amarelos: Marcão (F), Danilo (S), Radamés (F), Alex (S), Marcelo (F), Fabão (S)

Gol: Souza, aos 45min do primeiro tempo

Notícias relacionadas