Jogo do desespero vale a Copa para Japão e Croácia - WSCOM

menu

Mais Esporte

18/06/2006


Jogo do desespero vale a

A vitória, somente a vitória e nada mais que a vitória. A equipe que conquistar os três pontos no jogo entre Japão e Croácia, neste domingo, às 10h, em Nuremberg, segue vislumbrando a vaga às oitavas-de-final da Copa do Mundo da Alemanha. Quem perder praticamente dá adeus ao Mundial 2006 com uma rodada de antecedência.

As duas equipes perderam na estréia – o Japão cedeu uma virada fulminante para a Austrália por 3 a 1, enquanto a Croácia caiu por 1 a 0 diante do Brasil – e estão sem nenhum ponto. Precisam vencer para seguir dependendo apenas de suas forças para se classificar. Com isso em vista, as duas partes adotaram o famoso discurso do “este jogo é como uma final”.

Pelo lado japonês, o técnico brasileiro Zico já deixou claro que ficará completamente frustrado caso não obtenha o resultado positivo neste domingo. “Se não conquistarmos os três pontos, quatro anos de trabalho serão desperdiçados”, resumiu.

Para evitar o desperdício, Zico vai colocar em campo um Japão diferente daquele que perdeu para a Austrália na última terça-feira. Além de nomes, o brasileiro modificou o esquema tático da sua seleção: abandonou o 3-5-2 usado contra os “Socceroos” para adotar o 4-4-2 diante dos croatas.

“É a melhor medida para uma partida que devemos ganhar”, esclareceu Zico. “Devemos marcar mais contra a Croácia e não ceder tantos espaços”, observou. “Temos que marcar mais, é simples assim”, completou o meia Hidetoshi Nakata.

Dois jogadores ganham chance com a nova formação: o meio-campista Ogasawara, que entra no lugar de Komano e fará a dupla de volantes com Fukunishi, e o lateral Akira Kaji, que volta de contusão sofrida em amistoso contra a Alemanha e assume a lateral-direita, mandando o zagueiro Tsuboi para o banco.

Com o novo esquema, Zico pretende dar mais liberdade para os meias Nakata e Nakamura munirem os atacantes Takahara e Yanagisawa, além de usar os dois volantes para aumentar a proteção à zaga nas investidas dos laterais ao ataque.

Já os croatas entram em campo exatamente com o mesmo time que deu muito trabalho ao Brasil no jogo de estréia, no 3-5-2 com três zagueiros, dois volantes, dois alas, um meia e dois atacantes. O capitão Niko Kovac se recuperou das dores nas costelas e joga. Sem novidades na escalação, o trunfo que o técnico Zlatko Kranjcar vê para a “decisão” contra o Japão é o porte físico de seu grupo.

“Somos maiores, mais pesados e provavelmente mais fortes. É com isso que vamos procurar nossas chances”, anunciou o treinador croata. A diferença de altura é, de fato, considerável: 8 cm, em média. Enquanto os onze atletas da Croácia que devem começar jogando têm, em média, 1m86 de altura, os japoneses têm apenas 1m78.

Para completar, o jogador mais alto do Japão é o zagueiro Nakamura, com 1m87. A Croácia tem o atacante Prso com a mesma altura, mas tem três atletas bem mais altos: o volante Igor Tudor, de 1m93, o zagueiro Simunic, de 1m95, e o goleiro Pletikosa, de 1m93.

Por isso, o capitão Niko Kovac reforçou a tese de Kranjcar de que o jogo físico é a arma croata: “Laterais, cruzamentos, escanteios, cobranças de faltas. Todas ocasiões onde possamos usar nossa altura podem ser um fator decisivo”.

Zico sabe do risco que corre. “A Croácia tem jogadores habilidosos, atacantes altos e bons jogadores nas duas pontas que podem criar problemas no meio”, avaliou, prevendo cruzamentos em sua área durante o jogo.

No entanto, a pontaria dos atacantes croatas é motivo de ânimo extra para o Japão. Nos últimos três jogos que fez, a Croácia foi derrotada em todos, e só marcou um gol – que na verdade, foi contra, anotado pelo espanhol Pablo na derrota croata por 2 a 1. Nos outros dois jogos, os europeus caíram por 1 a 0 para Polônia em amistoso e para o Brasil na Copa.

JAPÃO

Kawaguchi; Kaji, Miyamoto, Nakazawa e Alex Santos; Ogasawara, Nakata, Fukunishi e Nakamura; Takahara e Yanagisawa

Técnico: Zico

CROÁCIA

Pletikosa; Simic, Robert Kovac e Simunic; Srna, Tudor, Niko Kovac, Babic e Kranjcar; Klasnic e Prso

Técnico: Zlatko Kranjcar

Data: 17/06/2006, domingo, às 10h

Local: Franken-Stadion, em Nuremberg

Capacidade: 36.898 lugares

Árbitro: Frank de Bleeckere (BEL)

Assistentes: P. Hermans (BEL) e W. Vromans (BEL)

* Com agências internacionais

Notícias relacionadas