Fazendeiro envolvido na morte de Dorothy deixa prisão nesta sexta - WSCOM

menu

Brasil & Mundo

30/06/2006


Fazendeiro envolvido na morte de

O fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão vai deixar hoje a unidade prisional Centro de Recuperação do Coqueiro, região metropolitana de Belém (PA), segundo o advogado dele, Jânio Siqueira.

O advogado do fazendeiro afirmou que, assim que ganhar a liberdade, Regivaldo Galvão vai viajar para São Paulo, onde fará tratamento ortopédico e dentário.

O fazendeiro ainda aguarda o julgamento de um recurso especial extraordinário contra a pronúncia do Tribunal de Justiça do Pará, que decidiu pelo júri popular. “Não há indício de autoria do crime para levá-lo ao julgamento”, afirmou o advogado Jânio Siqueira.

Repercussão

Mary Cohen, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) paraense, afirmou ontem que “a decisão do STF a favor de um acusado de um crime hediondo acaba estimulando a violência e a impunidade, deixando os demais defensores [dos direitos humanos] ameaçados e vulneráveis”.

De Altamira, por telefone, o bispo da Prelazia do Xingu, dom Erwin Krautler –que está ameaçado de morte–, afirmou estar preocupado com a repercussão que a decisão do STF terá entre grileiros, fazendeiros e madeireiros contrários à reforma agrária. “Esse povo vai cantar vitória”, disse o bispo.

O advogado da CPT (Comissão Pastoral da Terra) João Batista Gonçalves, que acompanha o processo do caso Dorothy, disse que a liberdade de Regivaldo Galvão é uma “ameaça” às testemunhas de acusação e que vai retardar o julgamento do crime no Tribunal de Justiça do Pará.

Notícias relacionadas