Espetáculo Guara-Mamo está em cartaz neste mês de abril em João Pessoa - WSCOM

menu

Artes

09/04/2018


Espetáculo Guara-Mamo está em cartaz neste mês de abril em João Pessoa

Os dias são 14, 15, 21 e 22, às 17h, no Teatro Ednaldo do Egypto

A Companhia Mutuca apresenta o espetáculo de circo/teatro ‘Guara-Mamo’, que foi criado com base nos causos dos mestres do vale do Gramame, trazendo as vivencias e rituais Griôs como elementos guia da encenação. Com muita música ao vivo, máscaras, técnicas de circo e poesia o espetáculo conta quatro histórias que permeiam o rio Gramame. Os dias são 14, 15, 21 e 22, às 17h, no Teatro Ednaldo do Egypto. A entrada é R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia).

O  vale  do  Gramame  é  um  grande  reduto  de  mestres  da  cultura  popular,  lá  podemos encontrar mestres com sabedoria das ervas, de contação de histórias e causos, da poesia, da sanfona, da quadrilha junina tradicional, da pesca, mateiros, entre outros. Neste sentido este trabalho foi resultado de uma intensa pesquisa de mapeamento, coleta, e vivências com os contadores de causos do Vale do Gramame, no intuito de elaborar um acervo documental da tradição oral das histórias e estórias do vale, na perspectiva de difundir a cultura  do  povo  Gramamense  como  uma  alternativa  de  resgate  as  nossas  bases  de identidade, percebendo como através de gerações e gerações, isto se reflete num potencial de resistência das classes subalternas ao enfrentamento da cultura de massa. Além disto o  espetáculo,  em  seu  viés  político,  corrobora  com  a  causa  da  preservação  do  Rio Gramame, principal rio que abastece os municípios da Paraíba e que constantemente sofre ameaças de destruição pela intensa poluição e ações de desmatamento.

“Griô ou Mestre(a) é todo(a) cidadão(ã) que se reconheça e seja reconhecido(a) pela sua própria comunidade como herdeiro(a) dos saberes e fazeres da tradição oral e que, através do poder da palavra, da oralidade, da corporeidade e da vivência, dialoga, aprende, ensina e torna-se a memória viva e afetiva da tradição oral, transmitindo saberes e fazeres de geração em geração, garantindo a ancestralidade e identidade do seu povo. A tradição oral tem sua própria pedagogia, política e economia de criação, produção cultural e transmissão de geração em geração” (MESTRE ALCIDES).

Sobre o espetáculo

Com três contadores de história que se desdobram em vários personagens, e um músico construindo a trilha sonora desta aventura, Guara-mamo remonta contos e causos dos mestres e mestras do Vale do Gramame numa mescla de poesia, circo, teatro, música e muita imaginação.

Como um mergulho num rio de águas profundas, estes contadores carregam o público a um mundo imaginário repleto de fantasias e também de verdades, com histórias que colocam em suspensão nossos conhecimentos e trazem à tona a sabedoria milenar de um povo que está na gênese de nossa sociabilidade. São quatro histórias que chamam atenção  pelo  seu  criativo  enredo,  pela  emoção  de  cada  uma,  e  pelos  seus  desfechos surpreendentes.

A primeira história que foi referendada pelo Mestre Zé Pequeno, conta o caso da cebola de xem-xém. Após um sonho revelador de João Grande, irmão de Zé Pequeno, em que  sua  égua  está  morrendo  devido  a  uma  picada  de  cobra  venenosa,  acontece  um inusitado  fato,  que  pode  mudar  o  destino  da  “bichinha”.  O  mesmo  acontece  com  o cachorro de Zé Pequeno, que agora luta pela vida do bicho.

A segunda história recontada pela Mestra Judite Palhano situa-se no sec. XVIII, e fala sobre Branca Dias, a filha dos principais donos das terras onde se localizava a região que hoje é conhecida como Vale Do Gramame. Após chamar a atenção de um padre pela sua beleza, ela vive situações conflituosas no seu cotidiano.

A terceira história que foi exposta pelo Cacique Carlinhos da Tribo Tabajara, conta a situação de um pescador que foi fisgado por um peixe gigante que o levou a uma incrível aventura entre os perigos do rio e do mar. Esta história, apesar de ser de pescador é um fato verídico, um verdadeiro revisitar a cultura e sabedoria popular.

A  quarta  história  fala  sobre  a  Cacimba  Misteriosa.  Contada  por  “Deda”,  um pescador  do  Vale  do  Gramame,  esta  história  foi  uma  vivência  pessoal  que  o  deixou intrigado diante de um acontecimento quando tomava banho na tal cacimba misteriosa. Deda, que vez ou outra gosta de tomar uma cachacinha, não hesita ao falar desse causo intrigante e engraçado.

Ficha técnica

Direção geral: Walter Olivério

Texto: Walter Olivério

Atores: Walter Olivério; Wladimir Santiago; Aquiles Nud.

Músico: Lívio Brandão

Contrarregra: Maria Dolores

Autoria das Músicas: Regina Limeira; Walter Olivério; Lívio Brandão; Mestre João de

Penha; Milton Dornellas; Adeíldo Vieira; Glaucia Lima. Concepção Cenográfica: Walter Olivério; Adriano Bezerra. Confecção cenográfica: José Cassiano; Adriano Bezerra. Concepção/Confecção dos figurinos e adereços : Adriano Bezerra

A Cia Mutuca

A Cia Mutuca é um grupo integrado por quatro atores, Lívio Brandão, Aquiles Nud, Vladimir Santiago e Walter Olivério, que surgiu no ano de 2015 e desde então vem realizando trabalhos na área de circo e teatro nas cidades de João Pessoa, Mamanguape, Santa Rita e Patos.

Dentre estes trabalhos estão  as montagens cênicas sobre os temas da Lei Maria da Penha, Violência contra a pessoa idosa, Meio Ambiente, Drogas, Bom convívio em condomínio, realizado em parceria com a Companhia Estadual de Habitação da Paraíba (CEHAP); o Brincante Poético, personagem da cultura popular paraibana que atravessa feiras  populares  e  bairros  periféricos  recitando  poesia;  e  desde  2015  o  grupo  vem  se dedicando ao espetáculo Guara-mamo, que é resultado de uma longa pesquisa de campo com  os  mestres  do  Vale  do  Gramame  (Indígenas,  Quilombolas,  Assentados,  Griôs) coletando histórias e causos populares desta região, no intuito de valorizar e rememorar as raízes da construção da identidade cultural brasileira.

Contrapartida aos/as colaboradores/as

Os/as colaboradores/as deste projeto terão suas logomarcas e seus nomes expostos nos materiais de divulgação do espetáculo (banner, folders, cartazes e etc.), bem como serão citados nas entrevistas em emissoras de televisão, rádios, internet, sempre que o grupo for solicitado.

Além  disto  é  importante  ressaltar  o  respaldo  valorativo  dos  colaboradores  em contribuir  com  um  espetáculo  que  estimule  a  preservação  da  identidade  e  memória cultural  de  uma  população,  assim  como  preza  pela  causa  ambiental  em  combate  a poluição da natureza.

Para mais informações: 83 9 8793 9511 / 83 9 9118 1365

Notícias relacionadas