Doria vence prévia do PSDB no 1º turno e disputará governo de SP - WSCOM

menu

Política

18/03/2018


Doria vence prévia do PSDB no 1º turno e disputará governo de SP

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), venceu as prévias do PSDB paulista neste domingo e será o candidato tucano ao governo de São Paulo. A vitória veio no primeiro turno, disputado por outros três pré-candidatos: o ex-senador José Aníbal, o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, e o cientista político Felipe D’Avila.

O prefeito tinha 11.993 votos de um total de 14.988 válidos, o referente a 80,02%. As pesquisas eleitorais, que mostram o prefeito na dianteira para o Palácio dos Bandeirantes, e o apoio dos grupos liderados pelo vice-prefeito Bruno Covas e pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Cauê Macris, foram decisivos.

Veja o resultado completo dos votos válidos

João Doria (prefeito de SP) – 11.993 – 80,02%

Floriano Pesaro (secretário de Desenvolvimento Social) – 1.101 – 7,35%

Felipe D’Ávila (cientista político) – 993 – 6,63%

José Aníbal (suplente de senador) – 901 – 5,98%

O favoritismo era tanto que chegou a se cogitar um movimento do governador Geraldo Alckmin, que o endossasse e desmobilizasse as prévias, o que não ocorreu. Até o dia da votação, Alckmin se manteve neutro em público, sem apoiar publicamente nenhum dos nomes postos. Ao lançar a pré-candidatura na segunda-feira, o prefeito chegou a dizer que não precisava do “aval” do governador e que este estaria com o vencedor das prévias.

O principal desafio do prefeito, a partir de agora, é afastar a rejeição por ter deixado a Prefeitura apenas um ano e três meses depois de tomar posse. Ao votar nas eleições internas, no diretório de Pinheiros, Doria reforçou a estratégia de ressaltar que Bruno Covas é a continuidade.

“Nós teremos um brilhante prefeito, que é o Bruno Covas, que divide todas as responsabilidades comigo. As pessoas ficarão muito felizes com ele”, se defendeu, quando questionado sobre a saída do atual cargo. O prefeito também rebateu as críticas do adversário José Aníbal, que afirmou que ele tem a intenção de tentar substituir Alckmin como candidato à Presidência. “Eu fico lisonjeado com a citação do José Aníbal para que eu dispute a Presidência da República, mas o meu candidato – e eu espero que o dele também – é o governador Geraldo Alckmin.” Revista Veja.

Notícias relacionadas