Diplomata russo é morto em Bagdá, no Iraque - WSCOM

menu

Internacional

03/06/2006


Diplomata russo é morto em

Um diplomata russo foi morto e quatro funcionários da embaixada russa foram seqüestrados na capital do Iraque, Bagdá.

Segundo o Ministério do Interior iraquiano, eles foram vítimas de uma emboscada no distrito do Mansour, nas proximidades das instalações da embaixada.

Homens armados usaram três carros para bloquear a estrada por onde o carro dos russos passava e atiraram no veículo.

Um porta-voz da embaixada russa confirmou a morte de um funcionário e o seqüestro dos demais ocupantes do carro, mas não divulgou detalhes sobre as vítimas.

Em um comunicado, a embaixada afirmou que a ocorrência está sendo investigada e que está se fazendo o possível para garantir a libertação dos seqüestrados com a ajuda das autoridades iraquianas e internacionais.

Onda de violência

Mansour abriga várias embaixadas e já foi palco de outros ataques a diplomatas.

Um diplomata dos Emirados Árabes Unidos foi seqüestrado e mantido em cativeiro por duas semanas antes de ser libertado no mês passado.

Em 2005, dois argelinos, um egípcio e um marroquino – todos funcionários de embaixadas – foram seqüestrados e mortos.

O seqüestro deste sábado ocorreu em mais um dia de violência no Iraque.

A polícia iraquiana encontrou oito cabeças no acostamento de uma estrada nas proximidades da cidade de Baquba, a 60 km de Bagdá.

As identidades das vítimas que tiveram suas cabeças decapitadas não foram reveladas, mas um bilhete encontrado junto com as cabeças afirma que pelo menos uma das pessoas tinha sido morta em retaliação pelo assassinato de quatro médicos xiitas.

Em outro incidente, sete policiais foram mortos e outras dez pessoas ficaram feridas num ataque com granadas a um posto policial em Baquba.

Além disso, quatro corpos foram encontrados em diferentes pontos de Bagdá, todos com sinais de tortura.

A onda de violência ocorre no momento em que o novo governo do primeiro-ministro Nouri Maliki se prepara para nomear os novos ministros do Interior e da Defesa – uma medida que a administração espera que reduza o número de ataques.

Notícias relacionadas