Com ataque eficiente, tchecos fazem melhor estréia desta Copa - WSCOM

menu

Mais Esporte

12/06/2006


Com ataque eficiente, tchecos fazem

No embate entre EUA e República Tcheca, que estão entre os cinco melhores times do ranking da Fifa, a equipe européia levou a melhor na vitória por 3 a 0 no AufSchalke Arena, em Gelsenkirchen na primeira partida do Grupo E. Sem a menor dificuldade, os tchecos usaram sua estratégia de ataque eficiente para marcar três gols. Foi a primeira partida de estréia desta Copa com uma diferença maior que dois gols.

Os classificados do Grupo E cruzarão nas oitavas-de-final com os dois primeiros colocados do Grupo F. Por isso, o Brasil tem grandes chances de enfrentar Itália ou República Tcheca já na primeira partida eliminatória.

A tática dos tchecos de sair para o contra-ataque e surpreender com um meio-campo veloz já havia dado resultados na Eurocopa de 2004, quando a equipe chegou às semifinais e teve o melhor ataque da competição, com 36 gols.

Após um início de jogo violento – foram seis faltas em 4min – o zagueiro Onyewu, responsável por marcar Jan Koller, levou um cartão amarelo após falta dura em Nedved. No lance seguinte, Grygera fez ótimo cruzamento pela direita e o atacante Koller, de 2,02m, repetiu sua famosa cabeçada e abriu o placar para os tchecos aos 5min.

Os dois times optaram por uma estratégia menos ortodoxa, no 4-5-1, com apenas um atacante isolado. Para os tchecos, a aposta foi o gigante Jan Koller. Já no lado norte-americano, a esperança de gols estava nos pés de Brian McBride.

Com passes rápidos no meio-campo, principalmente com Nedved e Grygera, os tchecos deixaram a zaga norte-americana perdida em campo. Para os EUA, o destaque era a ótima visão de jogo de Landon Donovan. O jogador armou os principais lances de perigo da seleção dos norte-americana, mas o atacante McBride não conseguia finalizar.

A República Tcheca jogou sem seu principal goleador, o atacante Milan Baros, que ficou fora da estréia devido a uma lesão no pé. Apesar do prognóstico positivo na semana passada, o artilheiro da Eurocopa de 2004 piorou e ficou sem treinar com seus companheiros. Porém, o técnico Karel Brueckner fez mistério e só anunciou sua ausência horas antes da partida.

Aos 22min, os tchecos conseguiram mais uma vez uma ótima chance para marcar. Após cruzamento de Nedved, Grygera apareceu de trás e aproveitou-se novamente da jogada aérea para tentar ampliar o placar. Porém, a bola saiu pela linha de fundo.

Cinco minutos depois, foi a vez dos EUA terem uma grande chance de empatar. Em um dos poucos chutes a gol da equipe, a defesa tcheca se atrapalhou e deixou o capitão Reyna livre para tentar chute de fora da área. O goleiro Cech caiu no chão e a bola bateu da trave direita.

Apagado desde o início da partida, o meia Rosicky ampliou o placar para a República Tcheca com um dos gols mais bonitos desta Copa do Mundo. Nedved tentou cruzar pela esquerda, o zagueiro Onyewu conseguiu fazer a proteção e a bola caiu nos pés de Rosicky, que chutou de fora da área e marcou 2 a 0 aos 36min.

No fim do primeiro tempo, a situação se complicou para a República Tcheca. O atacante Jan Koller sentiu dores na coxa numa disputa normal e ficou sem condições de continuar a partida. O jogador do Monaco tinha acabado de se recuperar de uma lesão no joelho esquerdo, que o deixou seis meses parado na última temporada. Em seu lugar entrou o atacante Lokvenc.

Para não sofrer uma goleada em sua primeira partida na Copa da Alemanha, os EUA optaram por fazer linha de impedimento. Em todo o jogo, os auxiliares marcaram impressionantes 8 impedimentos do ataque tcheco.

No segundo tempo, os EUA voltaram a campo com um ataque mais entrosado. O capitão Reyna, o meia Donovan e o atacante McBride conseguiram armar novas jogadas e exigiram mais dos defensores tchecos. Porém, os norte-americanos abusaram novamente das faltas. O jogador mais marcado pelos EUA foi o meia Nedved, que sofreu faltas duras durante toda a partida..

Os tchecos sentiram a ausência de Jan Koller e Milan Baros e tiveram mais dificuldades para finalizar na segunda etapa. Aos 23min, Rosicky encaixou mais um chute preciso que, para sorte dos EUA, bateu na trave.

No lance seguinte, Johnson deu um susto no goleiro Peter Cech ao chutar forte de fora da área, mas a bola saiu pela linha de fundo. O atacante de 22 anos que substituiu Mastroeni no intervalo deu mais dinamismo para as tentativas de gol dos EUA.

Aos 31 min, a tática de ataque eficiente dos tchecos voltou a funcionar, dessa vez no contra-ataque. Rosicky surpreendeu a defesa dos EUA com sua velocidade e correu quase todo o meio-campo para encarar sozinho o goleiro Keller e ampliar o placar.

Após a vitória, a República Tcheca mantém seu ótimo desempenho, sem perder há oito meses. A última derrota da equipe do Leste Europeu foi no dia 8 de outubro do ano passado, quando sofreu dois gols da Holanda nas eliminatórias para a Copa.

Os EUA continuam com seu péssimo retrospecto em partidas na Europa. Desde que o técnico Bruce Arena assumiu a seleção norte-americana em 1998, a equipe venceu apenas duas partidas no continente.

Após a partida de estréia, os EUA enfrentam a Itália no dia 17 de junho, enquanto a República Tcheca disputa a segunda partida contra Gana no mesmo dia. Em 22 de junho, os norte-americanos encerram a fase de grupos contra Gana e a República Tcheca enfrenta a Itália numa provável disputa do primeiro lugar do grupo.

Notícias relacionadas