Colunista do WSCOM faz análise sobre polêmica nos estudos das ciências humanas - WSCOM

menu

Educação

27/04/2019


Colunista do WSCOM faz análise sobre polêmica nos estudos das ciências humanas

Segundo Rui, são os cursos de humanidades que oferecem aos cidadãos capacidade de agir na observância de princípios éticos e morais.

Na imagem, o jornalista e escritor Rui Leitão

Após o presidente Jair Bolsonaro informar através do Twitter que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, “estuda descentralizar investimento em faculdades de filosofia e sociologia (humanas)”, o jornalista e escritor, Rui Leitão publicou em seu blog no portal WSCOM neste sábado (27) uma análise sobre o fato. 

 

Segundo Rui, são os cursos de humanidades que oferecem aos cidadãos capacidade de agir na observância de princípios éticos e morais.

 

“Como pensar em desenvolvimento cultural e social, desprezando os saberes transmitidos através das ciências humanas? Quem sabe seja exatamente isso que temem, preferindo adotar a ignorância contra o conhecimento? Não querem que vivamos numa sociedade da informação. O discurso ideológico pela seletividade do estudo, em favor dos interesses exclusivamente determinados pelo mercado”, destacou. 

 

Confira na íntegra:

Filosofia e Sociologia rejeitadas no Brasil contemporâneo

A produção criativa é estimulada pelos conhecimentos obtidos através de estudos das ciências humanas, entre as quais filosofia e sociologia. Causa estranheza e perplexidade a decisão do governo federal em excluir das universidades públicas essas faculdades, sob o argumento inaceitável de que “não é adequado usar dinheiro público e espaço direcionado a esses cursos”, segundo declaração do presidente da república. Surpreende a todos que ele não compreenda que as “humanidades” são alicerces de formação intelectual.

 

Descartar esses cursos é mais uma demonstração do retrocesso a que estão querendo impor em nosso país. O argumento apresentado baseia-se no entendimento equivocado de que educação é custo e não direito. Talvez porque esse aprendizado não interessa ao mercado. Não desejam fazer com que se ofereçam oportunidades de construir uma visão crítica do mundo. È uma postura bem apropriada dos que detestam ser alcançados por reflexões da realidade.

 

São os cursos de humanidades que oferecem aos cidadãos capacidade de agir na observância de princípios éticos e morais. Como pensar em desenvolvimento cultural e social, desprezando os saberes transmitidos através das ciências humanas? Quem sabe seja exatamente isso que temem, preferindo adotar a ignorância contra o conhecimento? Não querem que vivamos numa sociedade da informação. O discurso ideológico pela seletividade do estudo, em favor dos interesses exclusivamente determinados pelo mercado.

 

As ciências humanas permitem ao indivíduo ascender à condição de ser humano esclarecido. A opção pela ignorância objetiva produzir efeitos alienantes, facilitando a condução da sociedade para o obscurantismo Em síntese, essa decisão revela a displicência do governo em ensinar civilidade, proibindo o exercício do pensamento. É a desconsideração da necessidade da população ter acesso aos meios do saber e da cultura. Parece até que ser culto tornou-se algo perigoso para o sistema político dominante.