Brasil começa a luta rumo ao hexa, França e Coréia também estréiam - WSCOM

menu

Mais Esporte

13/06/2006


Brasil começa a luta rumo

Após enorme expectativa, o Brasil faz sua estréia na Copa da Alemanha nesta terça-feira, às 16h, no Oympiastadion, em Berlim, diante da Croácia.

Em seu primeiro teste do Mundial, é momento de ver o que funciona na prática: a tradição do melhor futebol do planeta, incrementado com a “invenção” do quadrado mágico, ou a provável retranca que o técnico croata deve armar em campo para conter o ímpeto do time de Parreira. Apesar de Zlatko Kranjcar dizer que vai jogar para vencer, ninguém acredita que a Croácia terá a ousadia de enfrentar o Brasil de igual para igual.

Comandante de uma geração privilegiada e considerada melhor do que aquelas que conquistaram o tetra e o penta, o técnico Carlos Alberto Parreira sabe da pressão da estréia e definiu há dias a estratégia a ser adotada contra os croatas. “Não estou preocupado em dar espetáculo, o importante é iniciarmos a Copa com vitória”, avisou.

Bem mais difícil que definir os planos para o jogo inicial é conter o excesso de confiança que exala das arquibancadas e que, às vezes, chega a ser perceptível no próprio elenco brasileiro. Afinal, nenhuma outra seleção tem no seu arsenal de opções o melhor jogador da atualidade (Ronaldinho Gaúcho). Muito menos conta com o potencial artilheiro da história das Copas (Ronaldo, com 12 gols, está a três de ultrapassar o recorde do alemão Gerd Muller).

Aos jogadores, o treinador lançou um desafio. “O que a gente tem passado a eles (jogadores) é o seguinte: como é que vocês querem ser vistos? Todo mundo gostaria de ser lembrado como campeão, portanto, que cada um dê o melhor”.

A Croácia só tem um desfalque para a estréia. O atacante Ivica Olic ainda não se recuperou de lesão na coxa e, por isso, será substituído por Ivan Klasnic.

Duas foram as táticas adotadas pelo técnico Zlatko Kranjcar. No sábado, ele aumentou o favoritismo do Brasil dizendo estar preparado para sofrer uma goleada. Na véspera do jogo, mudou o discurso e garantiu que seu time pode vencer os pentacampeões.

Coréia do Sul quer repetir Copa de 2002, já os franceses não querem nem lembrar

A Coréia do Sul quer repetir o bom resultado na última Copa do Mundo, quando chegou às semifinais. Mas antes de pensar nisso, jogadores e comissão técnica estão concentrados em passar para a segunda fase. Para que isso aconteça, eles colocaram como meta vencer o jogo de estréia contra Togo para começar bem o Mundial.

“Temos que vencer o Togo para ter chances para passar. Todos os jogadores querem vencer para a Coréia por causa da última Copa. Em 2002, foi bom ver os coreanos no estádio, foi um apoio e tanto, mas agora não temos mais esse apoio e vamos nos concentrar para jogar bem”, afirmou o atacante Lee Chun-Soo.

A partida entre a Coréia do Sul e a seleção de Togo acontece nessa terça, na cidade de Frankfurt, pelo grupo G do Mundial, que também conta com França e Suíça. Em 2002, a França chegou ao Mundial dividindo o favoritismo da competição com a Argentina.

Fracassou, caiu na primeira fase, humilhada sem marcar sequer um gol. Para esquecer esse passado e reviver 1998, quando conquistou seu único título mundial, os franceses estreiam na Copa 2006 nesta terça-feira, às 13h, contra a Suíça no Gottlieb-Daimler Stadion, em Stuttgart. Os suíços têm planos bem mais modestos. Querem repetir boas campanhas do passado, quando chegaram às quartas-de-final, de onde nunca passaram.

Raymond Domenech, técnico da França, acredita que seu time tem plenas condições de ser campeão do mundo novamente e aposta numa talentosa base.

“Um time que conta com jogadores como Thuram, Makelele, Vieira, Zidane, Trezeguet e Henry não pode entrar em um campeonato apenas para participar. Vamos entrar nesta disputa para sermos campeões. Se isso vai acontecer, ninguém pode prever”, disse o treinador, que não tem problemas para escalar a equipe.

Outro empolgado é o meia Zinedine Zidane, que vai pendurar as chuteiras após o Mundial. – A França sempre entra para ser campeã e agora não será diferente – disse Zidane. Pelo lado da Suíça, o técnico Jacoc Kuhn poderá contar com o atacante Marco Streller, recuperado de uma lesão na coxa direita. O treinador não esconde que o empate será um grande resultado.

“A França é favorita, embora não tenha conseguido vencer o nosso time nas Eliminatórias. Empatamos os dois jogos e esse também seria um bom resultado na estréia da Copa do Mundo, pois depois poderíamos tentar a classificação contra a Coréia do Sul e contra Togo”, disse o treinador.

Confira as partidas desta terça-feira válidas pela Copa do Mundo 2006:

13/06 – 10h – Frankfurt – Coréia do Sul x Togo

13/06 – 13h – Stuttgart – França x Suíça

13/06 – 16h – Berlim – Brasil x Croácia

Notícias relacionadas