Ataque áereo de Israel mata 11 palestinos em Gaza - WSCOM

menu

Internacional

13/06/2006


Ataque áereo de Israel mata

Um míssil da Força Aérea de Israel atingiu nesta terça-feira uma van na cidade de Gaza, causando a morte de 11 palestinos que viajavam no veículo. Das vítimas, apenas dois eram membros do grupo terrorista Jihad Islâmico. Os outros nove mortos eram civis.

Entre as vítimas havia três membros da mesma família –Ashraf al Mughrabi, seu filho Mahar e seu sobrinho Hisham, de quatro e oito anos, respectivamente–, além de três médicos. Funcionários do hospital para onde as vítimas foram levadas disseram também que outras 30 pessoas ficaram feridas.

Reuters

Multidão se aglomera em volta de veículo atingido por míssil de Israel em Gaza

O ataque aéreo desta terça-feira foi a ação israelense mais mortífera dos últimos quatro meses, e sinaliza que Israel não teme que seus mísseis atinjam áreas densamente populosas. Na última sexta-feira (9), uma bomba causou a morte de sete palestinos em uma praia de Gaza. O Hamas atribuiu as mortes a uma ação de Israel, que investiga o caso e já disse que é possível que a explosão tenha sido causada pelo próprio Hamas.

“Nós estamos sendo moderados devido à onda de revolta desencadeada na comunidade internacional após as mortes na praia em Gaza, mas não durará muito”, afirmou o ministro israelense da Defesa, Amir Peretz. Apesar disso, o ministro também disse que lamentava as mortes dos civis palestinos.

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, chamou o ataque israelense desta terça-feira de “terrorismo”.

Israel disse que o ataque de Gaza visava destruir um veículo carregado de armas que, provavelmente, seriam usadas contra israelenses. “O carro que nós destruímos estava cheio de foguetes Katyusha e lançadores de mísseis. Eles estavam a caminho para lançar esses foguetes contra alvos em Israel”, disse um porta-voz do Exército israelense em Tel Aviv.

Testemunhas disseram que a Força Aérea israelense lançou dois mísseis contra o veículo em que os palestinos estavam. O primeiro acertou a rua, causando um buraco enorme. O segundo atingiu o alvo, matando os 11 palestinos.

Após serem confirmadas as mortes dos membros do Jihad Islâmico, o grupo terrorista palestino disse: “Hoje nós nos despedimos de nossos mártires. Amanhã Israel se despedirá de seus mortos”.

Segundo Israel, os mísseis podiam ser visto claramente dentro da van, acrescentando que os projéteis tinham capacidade de alcance superior a 20 km, mais potentes que os Qassam, míssil de fabricação caseira e normalmente usado por terroristas palestinos na região de Gaza.

Ainda de acordo com o Exército de Israel, mais de cem mísseis Qassam foram lançados contra território israelense, 38 nas últimas 24 horas.Um míssil da Força Aérea de Israel atingiu nesta terça-feira uma van na cidade de Gaza, causando a morte de 11 palestinos que viajavam no veículo. Das vítimas, apenas dois eram membros do grupo terrorista Jihad Islâmico. Os outros nove mortos eram civis.

Entre as vítimas havia três membros da mesma família –Ashraf al Mughrabi, seu filho Mahar e seu sobrinho Hisham, de quatro e oito anos, respectivamente–, além de três médicos. Funcionários do hospital para onde as vítimas foram levadas disseram também que outras 30 pessoas ficaram feridas.

O ataque aéreo desta terça-feira foi a ação israelense mais mortífera dos últimos quatro meses, e sinaliza que Israel não teme que seus mísseis atinjam áreas densamente populosas. Na última sexta-feira (9), uma bomba causou a morte de sete palestinos em uma praia de Gaza. O Hamas atribuiu as mortes a uma ação de Israel, que investiga o caso e já disse que é possível que a explosão tenha sido causada pelo próprio Hamas.

“Nós estamos sendo moderados devido à onda de revolta desencadeada na comunidade internacional após as mortes na praia em Gaza, mas não durará muito”, afirmou o ministro israelense da Defesa, Amir Peretz. Apesar disso, o ministro também disse que lamentava as mortes dos civis palestinos.

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, chamou o ataque israelense desta terça-feira de “terrorismo”.

Israel disse que o ataque de Gaza visava destruir um veículo carregado de armas que, provavelmente, seriam usadas contra israelenses. “O carro que nós destruímos estava cheio de foguetes Katyusha e lançadores de mísseis. Eles estavam a caminho para lançar esses foguetes contra alvos em Israel”, disse um porta-voz do Exército israelense em Tel Aviv.

Testemunhas disseram que a Força Aérea israelense lançou dois mísseis contra o veículo em que os palestinos estavam. O primeiro acertou a rua, causando um buraco enorme. O segundo atingiu o alvo, matando os 11 palestinos.

Após serem confirmadas as mortes dos membros do Jihad Islâmico, o grupo terrorista palestino disse: “Hoje nós nos despedimos de nossos mártires. Amanhã Israel se despedirá de seus mortos”.

Segundo Israel, os mísseis podiam ser visto claramente dentro da van, acrescentando que os projéteis tinham capacidade de alcance superior a 20 km, mais potentes que os Qassam, míssil de fabricação caseira e normalmente usado por terroristas palestinos na região de Gaza.

Ainda de acordo com o Exército de Israel, mais de cem mísseis Qassam foram lançados contra território israelense, 38 nas últimas 24 horas.

Notícias relacionadas