Após morte de advogado, Saddam faz 'greve de fome' - WSCOM

menu

Internacional

21/06/2006


Após morte de advogado, Saddam

Saddam Hussein iniciou uma greve de fome em protesto pela morte de um de seus advogados, segundo informações de sua equipe de defesa.

Saddam Hussein e outros sete acusados afirmaram que não vão se alimentar até que a equipe de advogados de defesa tenha recebido “proteção internacional”, disse o advogado Khalil al-Dulaimi.

O ex-líder iraquiano e os sete outros acusados estão sendo julgados por crimes contra a humanidade.

O corpo de Khamis al-Obeidi foi encontrado em Bagdá horas depois de o advogado ter sido seqüestrado em sua casa.

Seqüestro e morte – Khamis al-Obeidi foi morto a tiros e deixado em uma rua de Bagdá nesta quarta-feira, segundo informações da polícia da capital iraquiana.

O incidente ocorre num momento crucial do processo, apenas dois dias após a acusação pedir a execução de Saddam por crimes contra a humanidade.

Fontes oficiais citadas pela agência de notícias AP teriam dito que Obeidi, que insistia em permanecer no Iraque apesar da crescente insegurança, foi raptado de sua casa por homens que usavam uniformes da polícia. A TV estatal definiu os executores como “terroristas”.

Obeidi é o terceiro advogado de Saddam Hussein a ser morto desde o início do processo. Em 19 de outubro, um dia após a instalação do júri, Saadoun al-Janabi também foi raptado e morto. Seu colega Adel al-Zubeidi morreu três semanas depois, numa emboscada em Bagdá.

Pedido de execução – A notícia do assassinato de Obeidi aparece em um momento crucial no processo que julga Saddam Hussein e sete ex-integrantes de seu governo de envolvimento no massacre de 148 xiitas no vilarejo de Dujail, em 1982. A ação teria sido em represália a um tentativa frustrada de assassinar o ex-presidente.

Na segunda-feira, o promotor-chefe do processo, Jaafar al-Mussawi, pediu que o ex-presidente do Iraque fosse condenado à morte por enforcamento.

Jaafar al-Mussawi também pediu que outros dois réus – o meio-irmão de Saddam Barzan al-Tikriti e o ex-vice-presidente Taha Yassin Ramadan – recebam a pena capital.

A defesa deverá apresentar seus últimos argumentos no dia 10 de julho. Depois disso, o painel de cinco juízes deve apresentar as sentenças.

Notícias relacionadas