APMP divulga nota de repúdio contra jornal paraibano; Associação se solidariza c - WSCOM

menu

Paraíba

05/06/2006


APMP divulga nota de repúdio

A Associação Paraibana do Ministério Público divulgou hoje nota em que repudia reportagem publicada no jornal Correio da Paraíba sobre transporte escolar. A nota da APMP se solidariza com a promotora de Justiça Miriam Pereira Vasconcelos, que foi acusada na matéria de ignorar os problemas de transporte escolar na cidade de Mogeiro.

Veja íntegra da nota:

A ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DO MINISTÉRIO PÚBLICO – APMP vem repudiar as afirmações colocadas pelo Jornalista Damásio Dias, no Jornal Correio da Paraíba do dia 26 de maio deste ano, contra a Promotora de Justiça Miriam Pereira Vasconcelos, quando disse que: “… sem se importar com o que os jornalistas tinham a dizer, a Promotora de Justiça Miriam Pereira saiu do Fórum, sequer olhou para a equipe e foi embora. A repórter Cristina Fernandes contou, por telefone, que a equipe correu atrás da Promotora Pública para explicar a ocorrência de Mogeiro, mas ela afirmou que não tinha tempo para atendê-los porque iria participar de um seminário”.

A Repórter e sua equipe estavam fazendo uma reportagem em Mogeiro sobre o transporte de estudantes e disse que foi impedida pela Prefeita de realizar o respectivo trabalho.

A afirmação colocada pelo supracitado jornalista, amparada nas palavras da Repórter, não corresponde à verdade. A Promotora de Justiça não deixou de atendê-la. Disse a representante do Ministério Público que iria telefonar para o Delegado de Mogeiro para adoção das providências cabíveis. Acontece que, quando a telefonista do Fórum de Itabaiana providenciou a ligação, a Repórter perguntou se o indigitado policial chegaria logo, e a Dra. Miriam respondeu que não sabia, o que muito irritou a Senhora Cristina, que saiu dizendo o seguinte: Deixe, não precisa mais não! Isso é um descaso… E foi embora balbuciando palavras sem esperar a providência solicitada.

Assim, quem deu as costas ao “problema” não foi a Promotora de Justiça, mas sim a Repórter, que queria uma solução imediata, o que era impossível no momento.

É preciso ficar bem claro ainda que a Promotora de Justiça estava de saída para um Seminário de Direito Eleitoral na Capital do nosso Estado, convocada pelo Ministério Público da Paraíba, portanto tinha inequivocamente compromisso institucional para atender.

Registre-se que a Dra. Mirian é tida no Ministério Público da Paraíba como uma excelente Promotora de Justiça, pessoa extremamente dedica à sua profissão e muito responsável. Aliás, é de uma visão social como poucos e de um comprometimento público invejável. Como poderia uma pessoa com essas dignificantes qualidades deixar de dar atenção aos profissionais de comunicação?

A matéria jornalística ficou longe, muito longe da verdade dos acontecimentos, contudo tentou indubitavelmente denegrir a imagem de uma Promotora de Justiça que tem serviços prestados à sociedade e que está sempre à disposição de todos.

Esclarece a APMP que a Dra. Miriam em menos de dois meses na Promotoria de Justiça na qual trabalha já instaurou procedimento administrativo para coibir as irregularidades no transporte dos estudantes da região, de Itabaiana a Mogeiro, portanto diligente como sempre.

Espera-se, assim, que esse tipo de conduta não mais aconteça, sobretudo para o sensacionalismo não prevalecer sobre a verdade, como aconteceu na matéria supracitada.

João Pessoa-PB, 3 de junho de 2006.

ALEXANDRE CÉSAR F. TEIXEIRA

Presidente da APMP

Notícias relacionadas