Camará: um marco da Reconstrução e a sede de Futuro sem retrovisor

Não precisa ser engenheiro, geólogo, Historiador ou economista para atestar a dimensâo da entrega da nova Barragem de Camará, no Brejo  por toda a sua simbologia histórica de forte influência,, que passa a ter para milhares de pessoas em16 municipios, a exemplo de Esperança e  Remigio - até ontem sem saber o que era água na torneira.

O governador Ricardo Coutinho ao fazer a entrega desta Obra imortalizou-se pela natureza politico-administrativa sensivel e decidida porque o que fora obrigação dos ex-governadores José Maranhão e Cássio Cunha Lima - nos dois mandatos da tragédia em Camará - acabou sendo resolvido na atual gestão sem promessa.

É realização refluindo em favor da coletividade substituindo agonia por esperança.

ESPIRITO ELEVADO

A convite, estive vendo de perto o marco histórico e fiquei tocado, sensibilizado.. Lembro-me bem como se fora hoje o desmantelo do arrombamento da barragem em 17 de junho  de 2004, perto do São João.

Passados dos 12 anos, chamou-me a atenção a postura do governador ao ser instigado a falar do passado, dos dois ex-governadores.

Sereno, preferiu dizer que era mais importante olhar e agir para frente ao invés da execração que outros fariam olhando para o retrovisor.

E isto é atitude Lider politico diferenciado.

A realização da obra com recursos públicos próprios do Estado numa difícil fase da economia nacional e da própria máquina administrativa somente é possivel com competência.

Seguro, com base em números estatísticos, Ricardo se disse com sede de Futuro na construção de um novo diálogo com a sociedade paraibana, a partir de uma nova cultura de convivência referenciada com mais volume e nível de ações num patamar inovador: com participação popular merecendo empoderamento politico até então visto.
 


Efeitos da Grande Caminhada Girassol em Mangabeira

Quem foi ou viu de longe a caminhada comandada pessoalmente pelo governador Ricardo Coutinho e Wilson Filho, posto que Cida Ramos foi poupada para o debate na TV Correio, neste domingo à noite, haverá de atestar: teve dimensão de gente grande, de quem está na disputa.

O volume de pessoas presentes ao ato desmistifica a tese de "passeio" do candidato à reeleição, porque além da quantidade de pessoas podia-se notar cumplicidade pelas ruas percorridas.

CAUSAS E EFEITOS

Não só na campanha como um todo, mas em Mangabeira no particular, a influência de Ricardo é facilmente constatada pelo volume de fortes interferências feitas por ele a partir do Viaduto construido em Contorno sem expressividade, a Escola Técnica, Mangabeira Shopping, etc.

Depois de Tarcisio Burity, criador do bairro, não há nenhum outro Governante com tamanho volume de obras em Mangabeira dai a sintonia em nivel diferenciado.

A referência destas ações de Ricardo acabam que espraiando pela Zona Sul para onde cresce a cidade em volume muito expressivo de pessoas.

Na prática o papel, o reconhecimento são constatados em todas as pesquisas influenciando pró Cida, sem dúvidas, como se atestou neste domingo.

SALDO E FUTURO

Por fim, pelo que se viu na caminhada, primeiro, é de admitir que a reação de Cida entrou em cena para valer na reta final e, segundo, não é possivel ignorar que os últimos dias podem apresentar mais volume com Ricardo à frente.

Se isto é verdadeiro, Cida tende a avançar nos indices percentuais dependendo também de seu desempenho nos debates da TV Correio (neste domingo), TV Tambau (terça-feira) e TV Cabo Branco (sexta-feira).

É possivel novidades.


A manifestação de Luciano Cartaxo na reta final

De todos os atos públicos promovidos pelo candidato à reeleição Luciano Cartaxo até a presente data em plena campanha eleitoral, nenhum deles tomou o tamanho da manifestação de sábado, pela Rua Tito Silva passando pela Av Epitácio Pessoa até o Busto de Tamandaré.

É indiscutivel o volume da maior das atividades de rua do candidato do PSD.

SIMBOLOGIA E REALIDADE

Já era esperado o público até pela confluência de interesses dos muitos candidatos e dos aliados convergindo em face de vários interesses.

A manifestação do sábado celebrou a união dos partidos e lideranças tradicionais presentes ao ato, à exceção do senador Cássio Cunha Lima que mais uma vez se ausentou de se apresentar publicamente na campanha.

Luciano granjeou, como prova o expressivo público presente, uma banda da cidade que quer se manter no Poder por uma vertente politico de Centro - Direita com participação diferenciada (comprimida) do PC do B, estranho nessa aliança, com adesão de setores das Classes A e B.

O favorito candidato é fruto de seu mandato, tem mérito para se credenciar por construir a aliança que quis formar, embora seja na essência o representante de todas as lideranças politicas tradicionais contra o governador Ricardo Coutinho,.seu ex-aliado.

TUDO NO PRIMEIRO TURNO

A campanha volumosa de Luciano Cartaxo conduz consigo uma estratégia clara: todos em torno dele estão jogando tudo para vencer a eleição no primeiro.

Este é o elemento basilar mas nem por isso perigoroso, sobretudo dentro da márgem no tabuleiro de possibilidade qualquer de segundo turno, condição esta fulminante aoa interesses da canpanha.

ELEITORADO INDECISO

A semana chega com a necessidade de todos os candidatos focarem nos indecisos, em especial Luciano e sua rival, Cida Ramos. É estratégico, é fundamental.

Há que se levar em conta o percentual entre 16 a 18% - número expressivo faltando uma semana exata para a eleição, uma vez que uma pergunta não quer se calar: por que esse contingente não aderiu à Situação bem avaliada?

Em sintese, Luciano deu demonstração de força no sábado agora chegando na semana final. 


A simbologia do Viaduto do Geisel e a estranheza de Santiago

Sábado comum, o penúltimo antes das eleições municipais, com um fato administrativo e uma repercussão tomando conta dos bastidores da disputa em João Pessoa "pegando fogo", como se diz lá na Torre.

A questão administrativa com efeito politico se aplica à entrega nesta sábado de novo trecho do Viaduto do Geisel na direção de Cabedelo desafogando o tráfego na entrada e saída da Capital. Sem favor algum é, sem dúvidas, uma das mais fortes intervenções de Mobilidade Urbana da Capital.

O outro tema merecendo bla-bla-bla nos bastidores é a fala do ex-senador Wilson Santiago afirmando que existe um clima estranho do eleitor na Capital podendo gerar surpresa no resultado eleitoral do dia 2 para prefeito.

O EMBLEMA DO VIADUTO

Tudo passaria sem efeito e necessidade de análise conceitual e politico se não estivesse em cena a figura do governador Ricardo Coutinho por seu novo feito de repercussão diferenciada porque a obra do Viaduto reverbera para dentro e fora da cidade.

Ora, se isto é verdade sem contestação, como isso pode ou não ser um elemento de influência na.eleição municipal em particular na campanha de Cida Ramos, já que ele é o principal eleitor e cabo eleitoral da candidata?

Faltando uma semana, como isto influenciará?

Com Ricardo ninguém brinca portanto vamos aguardar e dimensionar o tamanho desta e de outras ações. Mas tem peso.

A ESTRANHEZA TEM EXPLICAÇÃO

A raiz da abordagem do ex-senador está nos reflexos do alto desgaste da classe politica anotando ainda faltando uma semana para o pleito, um indice elevado de indecisos e votos nulos.

Há um descontentamento ainda não identiticado se é generalista enquanto reação do eleitorado ou se tem a ver com os candidatos da majoritária.

Além do mais indaga-se se os Institutos de pesquisa estão captando a "verdade" por tras da estranheza de Wilson Santiago.

Alie-se por fim a este cenário o fato de João Pessoa enquanto colégio eleitoral gostar de surpreender. O clima de agora já se viu anteriormente.

Se é assim, quem está sendo alvo desta estranheza beirando a "golpe" contra alguém. Quem está na Situação precisa se precaver mais.

UMAS & OUTRAS

...A ex-deputada federal Lucia Braga anda tomando seu tempo na periferia em busca de votos para se eleger.

...Seu marido usa seu recall para pedir votos em nome de seu passado.

...Lucy Alves continua estrela ascendente. Vai participar de festa internacional de.música em Las Vegas. Uma maravilha.

...Ela é "cabo eleitoral" de Fuba, ontem visto no MAG Shopping.

...Zé Mariz fez reunião social ontem atraindo muitos advogados para sua campanha a vereador. Foi prestigiada.

Depois trago mais.

ÚLTIMA

"O olho que existe/ é o que vê" 


O significado do debate da TV Cabo Branco

Toda a expectativa da semana adiante, véspera da votação de 2 de Outubro, se volta para a ação da militância em cada ponto da cidade buscando cada voto dos eleitores indecisos – na atualidade beirando 16 / 18%.

Trata-se de um percentual ainda expressivo para uma campanha numa cidade comumente de disputa acirrada.

Independentemente dos humores das coordenações de campanha, em especial dos dois principais candidatos – Luciano Cartaxo X Cida Ramos ou, inversamente, Cida Ramos X Luciano Cartaxo -, é possível que haja no debate de sexta-feira próxima na TV Cabo Branco um elemento a mais na definição do eleitorado.

É verdade que ainda tem o da TV Correio, mesmo assim não é exagero tratar o efeito do sinal Plim-Plim com maior raio de alcance.

PERFORMANCE DEFINIDORA

Cada um dos três candidatos no debate – acrescentando o professor Charliton, já que por prerrogativa a emissora não incluirá o candidato do PSOL, Victor Hugo -, pode reproduzir mesma retórica ou performance sem novidades, ou não, como diz o Mano Caetano.

É bom lembrar que foi o debate da TV Cabo Branco entre Ricardo Coutinho e Cássio Cunha Lima com este último deixando transparecer imagem tremendo e, por conseguinte, com melhor desempenho do governador que a parada foi para o segundo turno em 2014. Como se diz lá na Torre, numa peinha de nada, mas foi e virou o jogo.

Trocando em miúdos, é preciso levar em conta o referido debate porque tudo pode acontecer, inclusive nada.

WSCOM DIVULGARÁ PESQUISAS

Na próxima semana, o Portal WSCOM fará a exposição de algumas pesquisas envolvendo municipios importantes.

Vamos apresentar a intenção de votos em Cajazeiras, Sousa e Esperança, através do Instituto CONSULT, cujas pesquisas já foram registradas.

Há possibilidade real de pesquisas em Bayeux. Outros municipios estão em exame para medidas legais exigidas pela Justiça Eleitoral.

UMAS & OUTRAS

...O deputado federal Aguinaldo Ribeiro ofereceu uma reunião expressiva de apoio na reta final de seu PP e aliados para o prefeito Luciano Cartaxo, lá no Hotel Caiçara.

...O ex-senador Wilson Santiago diz por telefone ao Colunista que anda animado quanto à hipótese de segundo turno.

...O presidente do PSDB, Ruy Carneiro, diverge da opinião de Santiago.

...Ainda hoje o deputado estadual Edmilson Soares se diz impressionado com a convicção do governador Ricardo Coutinho de que haverá segundo turno.

...O cantor e compositor Totonho foi escolhido pela Secretaria de Cultura do Ceará para dois shows naquele estado quando da apresentação de Acervo lúdico da Cultura Popular cearense por ser considerado pela Curadoria como artista com perfil diferenciado construindo pontes entre o popular e a inovação musical.

ÚLTIMA

“Pela última vida/ poucos amigos hão de te procurar...”


Até quando Justiça e MPF vão impor Estado de Exceção no país livrando líderes e partidos pró-Temer?

Anos atrás, em tempos fechados, recorria-se normalmente - e muito - ao bispo ou ao juiz para resolver excessos na vida democrática do Brasil.

 

Na fase atual, diante de tudo que existe de Grande Trama para eliminar Lula e o PT, na mesma ordem inversa onde ninguém da atual situação (ex-oposição) é afetado ou punido, já não vale recorrer ao juiz, só mesmo ao bispo sem prestígio pode-se socorrer.

Enquanto o STF recusa prender Eduardo Cunha acusado formalmente de desvios, da mesma forma que o procurador Rodrigo Janot age descaradamente protegendo PSDB, PMDB, etc e seus líderes, eis que o juiz Sérgio Moro apronta mais uma vez mandando prender o ex-ministro Guido Mantega, depois determina soltá-lo em mais um ato de excesso inaceitável no caso Lava Jato.

ABUSO SOBRE ABUSO

A ordem jurídica no país perdeu seu referencial e zelo pelos primados da Constituição diante de uma super-estrutura montada com aval do capital e de setores dos EUA, exclusivamente com objetivo de entregar nosso patrimônio ao interesse externo, mas antes disso precisando fulminar as conquistas da Era Lula/Dilma e, pior, a legenda petista e seu principal líder.

Ora, se tudo isso é verdadeiro, quem vai colocar o "guizo no gato" na estratégia produzida por quem deveria estabelecer a justiça diante de toda a realidade em curso? Como fica já se identificando projeções de que a nova fase leva a convicções de que a Lava Jato é apenas imstrumento politico e só.

Quando, por fim, as instituições e nomes relevantes do país vão se unir para gerar meios políticos e juridicos de conter tamanha anomalia? 


O papel de Luciano e Cida Ramos na reta final do processo eleitoral

O processo eleitoral em João Pessoa se desenrola nos seus instantes finais buscando identificar se a realidade de campo mantém mesmo patamar das pesquisas passadas ou se pode ser alterado nos poucos dias que se sucedem.

Há que se levar em conta o peso dos candidatos, das coligações e as influências partidárias ou de lideranças no contexto geral da campanha.

O CASO LUCIANO

Até agora, mesmo com a estratégia adversária de querer colar nele a lentidão através de figuração de uma lesma, nada do que dizem as pesquisas parece ter se consolidado depreciativamente nele, ao contrário, supõem – se que os indices a seu favor indicam postura e desempenho na midia e campanha a lhe consolidar como executivo.

Tem sido até aqui, portanto, aguarda-se o desfecho até dia 2 de outubro.

A ESTRATÉGIA EM CIDA

Pelo que se anota até o presente momento, a candidata Socialista cresceu muito em face do índice de desconhecimento de sua pessoa no imaginário coletivo da cidade ao que parece pela forma do 40, da estrutura e, sobretudo, da força pessoal do governador Ricardo Coutinho. De fato, o lider socialista tem se dedicado ao máximo.

Resta agora o instante da candidata construir um ciclo adiante a depender dela particularmente, embora o esforço reconhecido precise se traduzir em empatia eleitoral.

Dai a indagação: há tem para a força dela mais do Girassol criar segundo turno?

OUTRAS INFLUÊNCIAS

O esquema partidário tem funcionado em bloco para reforçar o candidato de situação, embora a influência do senador Cássio em João Pessoa não exista como pretendido e, no caso de Maranhão, tem importância mas no quesito popular se indaga se produz a força de antes.


Marconi Goes: o legado da "Escola" do seguidor de Chateaubriand

No final dos 70, em plena Ditadura Militar até 1986, fase da Abertura politica no Pais, com a chegada do advento da Televisão em João Pessoa, o mais forte, poderoso e temido empresário de comunicação da Paraiba atendia pelo nome de Marconi Goes de Albuquerque.

Nada acontecia de importante, sobretudo no campo do Poder e da Politica, que não passasse por uma sala pequena do lado direito do corredor estreito, no prédio dos Associados na Av Pedro II, onde ali vivia instalado Marconi Góis.

AUGE POLITICA

À época, Marconi dirigia o mais importante jornal do Estado, O NORTE, tendo da equipe de jornalistas nomes como Frutuoso Chaves, Erialdo Pereira, Júlio Santana, Nonato Guedes, Evandro Nóbrega, etc, ainda sob a batuta do superintendente Teócrito Leal. Orgulho-me de ter participado dessa equipe valorosa.

Seguidor fiel do estilo do "revolucionário" de Assis Chateaubriand, Marconi não dava trégua à quem ousasse interromper projetos de consolidação e expansão dos Associados na Paraiba. Por este prisma, conseguiu aliadoa e inimigos, sobretudo na Politica. O Caso Gulliver tem um pouco disso.

Todos os governadores do Estado, de Ernani Sátyro até o segundo mandato de Tarcisio Burity, em 1986, tinham que obrigatoriamente passar pela sala pequena da sede na Pedro II ou o Restaurante do Hotel Manaira, de Manoel Gaudêncio, e depois os lautos jantares na sua residência na Indio Irabutã, no Cabo Branco. 

Era do tipo conservador ao estilo "escreveu não leu, o pau comeu". Simples assim. Lembro que tinha até a lista dos considerados desafetos.

A INOVAÇÃO E OS PROBLEMAS

Marconi cresceu tanto que passou a ser na hierarquia um dos Condôminos dos Associados. Na prática, sócio proprietário.

Foi ele quem instalou em 1985  a primeira TV em João Pessoa, a TV O NORTE sob a superintendência do coringa Abelardo Jurema Filho. Ano seguinte, chegou a poderosa concorrente TV Cabo Branco, através de prepostos do ex-governador Wilson Braga.

Nesse tempo aportaram na Capital pessoense dois jovens empresários, Paulo Brandão e Roberto Cavalcanti, incentivados por Burity assumindo o Jornal e Rádio Correio se transformando mais na frente no principal concorrente de Marconi, tanto que chegou a desbancar tempos depois O NORTE na circulação - no tal IVC - Instituto Verificador de Circulação.

O ACORDO E O FECHAMENTO DO MOMENTO

Entre 1987 e 1990 havia um jornal diário formado por "meninos" liderados por mim na Redação e por Goreti Zenaide na administração, que começou a encostar no Correio e nO NORTE. Era o tempo em que a ENARQ dos empresários João Furtado e João Marques receberam o jornal em troca de dividas.

Havia na circulação do Correio o mais competente distribuidor e com fieeling de noticia chamado Bené. Foi ele quem descobriu que O MOMENTO estava passando o Correio em circulação. Ato continuo, avisou a Roberto, que ousou ir até a Marconi. Se unirem para junto a Burity impedir que os recursos da SECOM chegassem ao novo jornal. Resultado: torneira fechada, fechado terminou O MOMENTO.

FASE FINAL

Marconi entrou em rota de colizão com os Condôminos - estes reclamando do faturamento e resultados até conviver com a intervenção comandada por Jota Alcides vindo de Brasilia.

Nesta fase, Marconi já tinha outros negócios e  patrimônios, portanto, fez ótimo acordo com o grupo e encerrou sua atividade na Midia.

O seguidor de Chateaubriand de quem me tornei amigo distante deixa viúva a digna Dizinha Goes, suas referenciadas filhas e netas repletas de saudade de um Homem de perfil firme e realizador.

ÚLTIMA

"O nome/ a obra imortaliza..."


Como a rejeição do PT afeta professor Charliton

Os próximos debates programados para a reta final, em especial da TV Cabo Branco, servem de elemento fatal para a consolidação do resultado dia 2 de Outubro.

Em que pese a performance do candidato do PT, Professor Charliton, com reações positivas ao seu desempenho, na prática nada disso tem conseguido ampliar a sua márgem eleitoral em relação aos demais candidatos.

O DESGASTE DO PT

Chama a atenção o cenário fácil de constatar, segundo o qual o eleitor pode até se manifestar favorável, mas a imagem desgastada do PT respinga nele e assim o voto parece não se efetivar na quanodade pretendida.

A campanha trucidante dos veiculos de comunicação massancrando o PT tem surtido efeito como consequência contra a candidatura do professor Charliton impedindo que as pesquisas lhe mostrem em patamar mais elevado

POSIÇÃO DECISIVA

Embora a disputa esteja entre Luciano e CIda,.o papel exercido pelo petista pode ou não influir nos proximos dez dias na consolidação, ou não, de.segundo turno

Vai depender, algo que a dados de hoje gera frustração pela realidade existente.


 


Paraiba se credencia com desempenho acima da Média; qual o efeito para RC?

Há momentos em que o exame dos fatos, sobretudo dos números frios das estatísticas, precisam ser tratados pelo que são, nem sempre como pretendem setores interessados nos rumos da Paraiba.

Esta é a conclusão diante de novas conclusões de organismos nacionais colocando o Governo do Estado em nivel muito acima da média do Pais.

Aliás, com os novos dados, a Paraiba convive com o terceiro melhor desempenho no Nordeste.

De acordo com novo ranking examinando o nivel de Competitividade dos Estados, através do Centro de Liderança Pública (CLP), ainda em parceria com a Economist Intelligence Unit e Consultoria Tendências, está posto que, no campo da capacidade competitiva levando em conta 65 indicadores, a Paraiba - volto a repetir - convive com o terceiro melhor desempenho no Nordeste. Isto não é fácil de se efetivar porque depende do desempenho nos vários setores.

PIB 4 vezes mais

Já o PNUD - programa de avaliação rigorosa, a Paraiba teve crescimento real nos últimos 3 anos com valores 4 vezes a mais da média nacional.

Este é um saldo muito expessivo porque haviamos recrudescido muito em relação aos vizinhos. Os dados provam realidade.

Em 2015, a PB tirou 89.4. Nos três itens está acima da média nacional.

AINDA A COMPETITIVIDADE

O governador Ricardo Coutinho deve estar sorrindo à toa com os números de seu governo.O estado se destaca em infraestrutura, com nota de 73.9 , numa escala de 0 a 100.

Aliás, registre-se também que a Paraiba mereceu nota maior que a média nacional, em Solidez Fiscal (61.3) e Potencial de Mercado (62.9). No caso deste último ponto vale destacar a queda, que foi de mais de 25 pontos.

EFEITOS PARA DENTRO E FORA

Os dados frios do resultado posto, coloca o governador na escala de executivos muito acima da média nacional, levando-o como consequência ser o mais bem chefe do executivo avaliado do Brasil, conforme o Ibope.

Na prática, RC pontua forte em todo o Estado fazendo-no como mais influente lider politico nos 223 municipios e nome para conquistas de espaço nacional.

Seu maior desafio, contudo, é a disputa este ano em João Pessoa e Campina Grande. Se houver segundo turno, as chances dele vencer passam a ser muito forte.