Exército não tem função de invadir morros; o espetáculo com outra motivação só agrava

O Rio de Janeiro convive com a maior crise sócio - econômica de toda a sua história contemporânea fruto da corrupção promovida pela Elite política e empresarial nos últimos tempos.

Este cenário de Caos não valida, contudo, que as Forças Armadas sejam chamadas a agir nas Comunidades dos diversos Morros sob argumento de uma guerra contra o tráfico, cuja tarefa ou missão de resolver tais demandas não é do Exército.

Expor nosso aparato armamentista e estratégico maior a uma missão em que o Estado tem perdido a queda-de-braço com o Narcotráfico é querer dar muita visibilidade ao Exército buscando transformá-lo em herói ou saída para a atual crise sem necessidade,  ou mais do que isso se traduzindo em erro crasso, cujo tempo provará a ineficácia do combate de agora.

A causa e efeito são outros, portanto, o buraco é mais embaixo pela falência da políticas públicas.

EXÉRCITO: CAUSA E EFEITO DA CRISE

O Narcotráfico tomou força e conta do Rio de janeiro por um conjunto de Grandes Fatores, a partir do fracasso dos Governos, primeiro de atender as necessidades básicas das comunidades e, segundo, porque o Crime Organizado está nas demais esferas da sociedade elitista, inclusive no próprio aparato policial e judicial, sem contar que o consumo de tudo está na Zona Sul, nos ambientes bacanas.

O lugar do Exército diante desta constatação nunca foi nem será se confundir com o papel da Polícia Militar, Civil ou da Força Federal.

Querer fazer o Exército de Agente policial para resolver problemas afeitos ao Governo do Estado é querer correr perigo diante de uma realidade incompatível com o EB.

A solução de tudo é macro mas não tem jeito se não for pelas políticas de estado - políticas estas que o Rio de Janeiro não sabe mais aplica-las porque as elites políticas fracassaram e levaram o Estado ao Caos.

Enfim, está na hora de levar o Exército a sério e deixá-lo no seu lugar de sempre, de guardião, mas nunca de arremedo de solução para um problema de gestão de políticas públicas e de postura ética das elites.


Nilvan sai na frente com Temer, mas projeção de Lula na Arapuan construirá revide popular maior

A guerra pela liderança de horário no rádio da Capital entre Sistemas Arapuan e Correio fez o apresentador Nilvan Ferreira começar mais forte ao entrevistar nesta segunda-feira o presidente da República, Michel Temer, diante de concorrentes taludos - vide Fabiano Gomes, Heron Cid e Welington Farias sem apresentar na estreia personagem deste tamanho.

É fato e ninguém briga com ele. Aliás, nada deslustra porque os concorrentes têm nível para revidar.

Ou seja, a alegria de Nilvan deve ser ofuscada nos próximos dias quando da chegada de Lula à Paraíba onde certamente o ex-presidente deve prestigiar a equipe da Arapuan, como já fizera antes com o próprio Nilvan.

Lula tem restrições ao Sistema Correio porque o seu proprietário, Roberto Cavalcanti, chegou a chamá-lo de bandido - algo que certamente o ex-presidente não é, muito pelo contrário.

Na prática, estamos diante de uma disputa salutar que tomara se restrinja ao campo da queda-de-braço sobre quem faz melhor.

Fabiano, Heron e Wellington estão desafiados.

Sem querer nem formular, eis que está claro: Temer prefere o Correio e Lula a Arapuan.
 


A programação de Lula, os bastidores e a postura republicana de Marcos Vinícius

Ninguém pense que a agenda do ex-presidente Lula não precede de arrumações complicadas, conflitos localizados, etc, marcando a vinda do maior Líder. Desta feita, o PT assumiu praticamente tudo porque o Governo do PSB confirmou presença mas não quis conviver com problemas na conta de pagar a programação.

Poucos lembram, mas a postura do PT de cair de pau no programa das OSs - depois assimilada como projeto bom - rendeu moídos e desgastes, porque setores petistas partiram para desqualificar o maior aliado de Lula na Paraiba e mais ousado líder do PSB rachando nacionalmente em favor do ex-presidente. Como pode tratar quem lhe é fundamental? Coisas do PT.

MARCOS VINICIUS FAZ A DIFERENÇA

Eis que, em todo contexto, surge a figura do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcos Vinícius, se apresentando republicanamente dando todas as atenções institucionais para a entrega do título de Cidadania Pessoense a Lula.

Do PSDB, maior adversário do PT, Marcos Vinícius preferiu agir com a superioridade política e institucional oferecendo o que as regras dispõem sem picuinhas e tudo dentro da Lei.

Show, como se diz lá na Torre, por isso cresce de conceito.

A LUTA DE JACKSON

Em que pese tantas tarefas, o presidente do PT estadual, Jackson Macedo, de conduz com tirocínio e serenidade para tocar tudo à altura da história de Lula. Aprendeu cedo a conviver com turbulência e solução.


 


Os efeitos da reação de Maranhão para impedir punições no PMDB

Ainda é caso inconcluso aguardando posição final do diretório nacional do PMDB, mas ainda hoje repercute a posição assumida pelo senador José Maranhão de defender em reunião, durante a semana, que os deputados federais suspensos pela legenda mereçam espaço e condições de defesa e/ou contestação à punição imposta por terem votado pela admissibilidade do processo de Michel Temer.

A atitude de Maranhão, a rigor teve natureza geral envolvendo todos os parlamentares punidos, mas afeta diretamente o deputado federal Veneziano Vital.

Pode até ser que não surta efeito pela posição radical do presidente Romero Jucá, mesmo assim a postura do senador não poderia ser diferente pelo histórico dentro e fora do partido.

O parlamentar soube usar bem o argumento de que o PMDB velho de guerra não pode ignorar sua história de lutas contra o arbítrio, portanto, precisa usar de sua prerrogativa política em favor das liberdades.

Pelo sim, pelo não ficou o gesto de quem se alinha com a atitude democrática no exercício da política.

É por aí.
 


As mudanças de rumo na Política da Paraíba e os fatos novos a interferir no futuro

Embora estejamos apenas no início de um processo continuado das coisas da política a interferir fortemente nos destinos das pessoas, mesmo assim é indispensável avaliarmos para que rumo caminhamos diante da conjuntura, ora nacional com todas as implicações de Temer e as andanças de Lula no Nordeste, bem como no plano estadual frente às últimas decisões de Ricardo Coutinho, Cássio Cunha Lima e José Maranhão.

Para não esticar muito a corda e dificultar a compreensão do presente momento, levemos a sério a decisão do governador Ricardo Coutinho de ficar no Governo na intenção clara de eleger João Azevedo seu sucessor, da mesma que analisemos o desabafo do senador Cássio Cunha Lima de deixar a política.

Conte-se ainda com a determinação do senador José Maranhão de ser candidato ao governo.

EFEITOS PRÁTICOS

A consumação da decisão de Ricardo ainda leva muita gente a duvidar e achar que até 2018 ele muda de ideia e vai para a disputa no Senado. Fala assim quem não conhece o governador, sobretudo quando gera convicção.

Em sendo assim, João Azevedo passa a ter chances porque à frente do governo e da campanha expondo o que tem para mostrar cria mais condições e chances do seu principal secretário vir a ser viabilizado.

CÁSSIO NO DIVÃ

A exposição pública de que vai deixar a Política expressa o momento reflexivo do senador é maior líder do PSDB diante de uma saturação plena da atividade.

Encheu o saco, como se diz lá na Torre.

É difícil imaginar Cássio fora da política porque ele há tempo deixou de ser só para interpretar a sobrevivência de milhares. Este é o aspecto a dificultar a consolidação de seu afastamento definitivo, que pode ocorrer - eis uma hipótese.

Se Ricardo se aliar a Maranhão, por exemplo, aí é que vai ficar difícil para Cássio sair da política. Talvez até a pressão seja no sentido de ele disputar o governo, mesmo sabendo das enormes dificuldades de estrutura e de apelo popular porque ele tem decaído na preferência eleitoral.

Seus últimos posicionamentos nacionais lhe deram visibilidade ao menos tempo ampliação da rejeição à sua performance de apoio ao Golpe e a Temer por conta dos escândalos em torno até de seus companheiros de partido. Degenerou.

MARANHÃO SÓ PENSA...

Creiamos: Maranhão está convicto de que vai ser candidato ao Governo. Ele é tende que Luciano Cartaxo perdeu a empolgação para ser o nome da Oposição e como não tem espaço vazio o senador já ocupou a vaga.

Não é caso resolvido porque depende de muita coisa, mas até abrir negociações com Ricardo Coutinho ele já iniciou, apesar do pé atrás de aliados como o homem do cofre, mais conhecido como Toinho.

CONCLUSÃO

Os últimos fatos aqui analisados são muito importantes para a construção de 2018 mesmo tendo muito terreno a se percorrer.

De tudo, conclui-se que a conjuntura enfraquece os dois mais novos líderes - Luciano e Romero Rodrigues, porque sem o apoio dos maiorais acima pouco anda ou se resolve.

Ricardo se mantém na frente.

Tenho dito.

UMAS & OUTRAS

...Estela Isabel e Sandra Marrocos precisam definitivamente entender que há espaços em demasia para caber as duas e muito mais figuras apegadas às bandeiras de luta que elas representam.

...Pegou o mal todo o episódio de ontem, embora tenham distorcido a questão.

...Repito: a luta e o nível de comprometimento delas exige superação de birras e picuinhas que nada acrescenta. Juízo.

...O novo Procurador Geral de Justiça, Seráphico Nóbrega, anda em reuniões intermináveis para dar conta e domínio dos desafios à frente em meios às restrições.

...No processo emerge a figura do Promotor de Justiça, Francisco Lianza - um dos "Brains" do Ministério Público estadual.

ÚLTIMA

"NA VOLTA NINGUÉM SE PERDE"
 


Parte da Justiça Federal e do MPF exorbita em suas prerrogativas e já demonstra agressão desmedida a Lula

Parece surreal, mas não é; repetem-se absurdos jurídicos sem se acreditar, mesmo assim se multiplicam numa concepção ideológico - jurídica sem igual por parte de setores da Justiça Federal e do Ministério Público Federal na direção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como perseguição sistemática - algo inconcebível numa sociedade de base jurídica republicana.

Os últimos fatos registrados impedindo a concessão do Título de "Doutor Honoris Causa" no interior da Bahia, o veto absurdo à doação de dinheiro lícito ao ex-presidente em face da perseguição insana do Juiz Sérgio Moro e a ação do MPF da Paraíba querendo explicações da Reitora Margareth Diniz sobre mesmo ato de entrega de Título a Lula se traduzem na nova fase de absurdos inaceitáveis produzidos por quem deveria, no mínimo, respeitar a Lei.

CAUSAS E EFEITOS

Cada vez mais se consolida como verdade comprovada que, de fato, setores da Justiça e do MPF foram de fato treinados com eficácia de ação pelo aparato jurídico do Governo Americano - algo também inconcebível do ponto - de - vista de formação de uma Casta forjada pela lente à Direita - para politizar a Justiça brasileira com a implantação de retrocessos inaceitáveis.

Que abrigo legal ignorando a Constituição Brasileira tem qualquer agente público para impedir a Autonomia Universitária ou, mais do que isso, por que impedir que Lula possa receber títulos ou doações lícitas de forma Republicana e Democrática?

TUDO SE DANDO COM O SILÊNCIO COMPROMETEDOR DO STF

Tanto no Brasil quanto fora dele já há consenso no entendimento e convicção de que, de fato, o Brasil convive com Golpe Parlamentar comandado pelo então vice-presidente Michel Temer , hoje presidente, macomunado com setores da Justiça, MPF, PF e de parlamentares do Congresso Nacional na derrubada do Governo Dilma com o aval silencioso do Supremo Tribunal Federal.

Todos os absurdos construídos por parlamentares flagrados em atos de corrupção, a partir do presidente, foram provocados para correção do STF mas este preferiu acovardar-se na (im)postura diante da mídia e de membros da Corte flagorosamente agindo em favor do Golpe, a exemplo do Ministro Gilmar Mendes.

Imoral, amoral, etc, são adjetivos que se aplicam no péssimo exemplo dado pelo Supremo e setores da Justiça e MPF em instâncias menores promovendo o que se denominou de LAWFARE - o uso da Lei para perseguir pessoas, como Lula, a a Fênix da política brasileira.

HORA DE REAGIR

A representação da sociedade próxima dos movimentos sociais, a exemplo da OAB, ABI/FENAJ, CNBB, etc precisa denunciar a perseguição desumana e inaceitável contra o ex-presidente e PT porque, na prática, Moro e o que representa veio para serem Agentes Americanos na condenação petista e comprometido na absolvição dos corruptos adversários de Lula.

Isto não pode continuar porque fere princípios, a Constituição e afeta o futuro de nossa frágil Democracia.

Chega de exageros da Justiça e MPF! Isso tem que acabar!


O papel do Serviço Público, as reivindicações, as atitudes de RC e o PSDB na lona

O Brasil convive com retrocessos de toda a ordem no campo da administração pública com absurdos de toda a espécie afetando a sociedade, agora mirando o Servidor Publico. É a herança do imoral Governo Temer mantido a duras penas pelo Erário e setores da classe política indecente, amoral. Neste contexto, de forma distinta, convive-se também com a realidade do Governo da Paraíba e as consequências da gestão sob a mão de ferro de Ricardo Vieira Coutinho.

Não há nem o que comparar entre as gestões públicas Federal e Estadual porque os indicadores, a conduta das políticas gerais e o saldo entre as duas esferas, proporcionalmente, é distinguir o inferno e o céu, apesar dos limites financeiros em curso.

AS ÚLTIMAS QUEDAS-DE-BRAÇO

Há de se registrar que, nesta semana finda, o Governo Ricardo Coutinho conviveu com diversos enfrentamentos jurídico e político de certa forma com intenção de abatê-lo no equilíbrio financeiro e político distintos. Houve o caso do TJ e mais recentemente do PSDB.

O mais forte caso se esbarrou no Supremo Tribunal Federal, este se manifestando a favor do Governo da Paraíba na ação movida pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Joás de Brito Pereira, querendo a ferro e fogo sequestrar R$ 54 milhões do erário estadual para pagamento de precatórios.

Data Vênia, ter que admitir a procedência de negociação e/ou solução para processos procedentes não pode significar a valentia de se priorizar ganhos adicionais, mesmo justos, como sempre servindo a poucos, pouquíssimos privilegiados, cujo efeito na prática significaria o descontrole financeiro total do Estado.

O Governo Ricardo (vide Procurador Gilberto Carneiro) ganhou mais esse Round que explicita o zelo pelas contas e responsabilidades públicas numa conjuntura em Grandes estados vivem o Caos pela inexistência do que RC tem de montão, controle e capacidade de gestão.

A REAÇÃO TUCANA E O NOCAUTE

No plano Político, também com foco em desestabilizar o Governo Ricardo, o experiente e líder do PSDB , ex-deputado federal Ruy Carneiro partiu para cima do governo com criticas duríssimas à medida adotada pela gestão estadual de criar nova modalidade de absorção de quadros na Polícia Militar, através de Serviço Voluntário.

Bastou o anúncio para Ruy Carneiro cair de pau acusando o Governo de irresponsabilidade, etc. Jogou duro, pesado na crítica.

Não passou nem 24 Horas para a casa cair. O Secretário Adjunto da SECOM, Sebastião Lucena, descobriu ou relembrou que idêntica medida, sem tirar nem por, tinha sido adotada, tornada sob efeito através de Decreto no Governo Cássio Cunha.

A "lembrança" de Tião Lucena serviu como uma cruzada de direita no fígado tucano deixando-o na lona, nocauteado.

SINTESE DIANTE DO CAOS

Independente de leitura sob filtro ideológico ou político, o fato é que o governo Federal vive o Caos pela conduta aética e comprometidamente desonesta gerando o desmonte de conquistas sociais, enquanto o Governo da Paraíba dá demonstrações claras, insofismáveis de conviver com uma gestão pública austera, mas de resultados reais, positivos. Exemplar.

Mesmo com o mau humor de setores da sociedade, nem dá para comparar a distância pró Paraíba diante do Rio de janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais em crise profunda nunca visto.

Tenho dito.

UMAS & OUTRAS

...Chamou a atenção de Observadores o encontro do presidente do TJ e o senador José Maranhão esta semana em Brasília. Entre tantos efeitos deve arrefecer o pouco ou nenhum relacionamento de Joás Brito Pereira e a desembargadora Fátima Bezerra Cavalcanti.

...O clima esquentou esta semana com o PC do B querendo a todo custo que o PSDC cedesse vaga para os Vermelhos voltarem a ter representação na Câmara Municipal.

...Injustamente queriam transferir para o vereador João Corujinha responsabilidades que eram e são de seus filiados, a exemplo de Helton Renê que quis porque quis voltar ao PROCON.

...A Direita não se cansa de atos absurdos e irresponsáveis. Nos dois últimos dias fez propagar um áudio apócrifo nas Redes Sociais acusando a Rede Globo de fazer acordo pro Lula para desmontar Temer.

...Pior ver gente conhecida reproduzindo a mentira como verdade.

...Temer não tem espaço para fato positivo porque seu histórico e atitudes desmontam qualquer possibilidade neste sentido, até porque anda.atolado com corrupção comandada por ele, segundo os autos processuais.

...A programação de Lula na Paraíba terá a participação do governador Ricardo Coutinho somente do no campo político, pessoal. Estrutura, zero. Houve roídos nos bastidores.

ULTIMA

"SABE LÁ/ O QUE É NÃO TER/ E TER QUE TER PRÁ DAR..."

 

 


 


Prestem atenção! Romero não está brincando de pré-candidatura ao Governo

Em dois da semana em curso, segunda e terça-feira o prefeito de Campina Grande foi visto na Grande João Pessoa, sempre à noite depois das tarefas rotineiras da Prefeitura.

Na segunda, passou 1 hora com Heron Cid, na TV ARAPUAN, no programa "Cara a Cara" debulhando tantos assuntos da gestão pública, de sua trajetória a partir de Campina, os cenários estadual e nacional até admitindo deixar o PSDB por conta das nódoas conceituais e éticas da turma federal.

Ele não quer se misturar com Ficha Suja de jeito nenhum.

Dia seguinte, na terça , esteve em Cabedelo fazendo campanha política nesta fase preparatória. 

O QUE ANDA FAZENDO

Romero Rodrigues sabe que disputa dentro da Aliança com um pre-candidato forte, no caso Luciano Cartaxo, mas nem por isso se intimida. Ele é dos que vai para cima sem medo algum de debate.

Ainda precisa estadualizar a sua imagem, porque não é fácil construir tamanha dimensão, mesmo assim anda construindo passo a passo a expansão de seu nome é trabalho com conteúdo.

O fato é que ele se impôs no processo e se diz motivado pelo que escuta pelos lugares.

Eis o resumo da hora.


Os sérios dramas cercando Luciano Cartaxo a criar fosso e pântanos em 2018

O ano de 2017 começou para o prefeito Luciano Cartaxo como novo tempo capaz de pavimentar o terreno em condições tal de levá-lo ao Palácio da Redenção. Muita euforia, articulações , viagens ao Interior, a parir de Sousa, Cajazeiras, etc. Tudo parecia céu de brigadeiro.

Demorou menos de seis meses e, pelo andar da carruagem de hoje , o aprovado prefeito da Capital perdeu as rédeas do jogo, já tem no seu encalço e com mais sustento no Interior o prefeito de Campina Grande , Romero Rodrigues, e agora se depara com o senador José Maranhão admitindo ser candidato e , o pior para o prefeito, admitindo conversar e estar junto do governador Ricardo Coutinho.

O que pode estar acontecendo, logo ele líder de pesquisas? 

CONJUNTURA DA ALIANÇA

O prefeito pode não saber, mas na sua ausência parte dos seus aliados se queixa da pouca efetividade do que se acerta, ou seja, não se cumpre. Nos bastidores tem feito fama este perfil, que assim lhe enfraquece.

E não são só os vereadores. Os maiorais não poupam de criticas, repito, pela demora e não efetividade do que se pactua.

CONJUNTO DE FATORES

Aliados do prefeito acham que há algo de errado no contexto. Sentem que Luciano Cartaxo arrefeceu da euforia da pre-candidatura porque percebeu ser um fardo imenso segurar a onda com estrutura financeira até lá, logo agora com a ultra vigilância de tudo.

O preço de uma candidatura ao Governo, agora sabe o prefeito, é altíssimo e muitos chamados aliados não querem saber de outra coisa, senão resolver suas demandas ignorando a realidade difícil financeirante da Prefeitura.

EQUIPE E PROJETO

Agora que virou pré-candidato ao Governo ele sofre concorrência na Aliança, não tem confiança 100% tanto que criou o PMN, anda apertado com a redução de recursos, portanto, anda refletindo sobre como bancar este projeto imenso.

Ele vai conviver em breve com três opções que questionamentos fortes:

- Que projeto de futuro ele tem para oferecer à sociedade paraibana?

- Sua equipe está à altura de conhecer, entender e propor desenvolvimento para o Estado?

- Por que a Aliança de 2016 já se esfarelou tão cedo e já não gravita em torno dele?

SINTESE

Luciano viaja na próxima quinta-feira deixando compromissos especiais como a chegada do herdeiro de Oscar Niemayer , para ajudá-lo a resolver a barreira, etc, sabendo que a batida do bumbo mudou e até rever o projeto de Governo ele precisa refletir.

Como se diz lá na Torre, o peso do andor é pesado, além do mais ele demonstra conviver com muitas tarefas ao mesmo tempo.

E serão resolvidas?

UMAS & OUTRAS

...O prefeito está para perder vereadores para a Oposição, dizem opositores.

...O líder da Oposição, Bruno Farias, jura de pés juntos que isto acontecerá.

...O vereador Thiago Lucena tem apresentado bons projetos.

...O vereador Mangueira já faz duras críticas.

...Já o líder, Milanez Neto, enfrenta muitos dissabores pelas queixas.

...As críticas contra secretários aumentaram. Alguns em efetividade.

...Longe desta lista, mesmo assim ele trata aquém do esperado o vereador Marmuthe, este andando muito desgostoso. Ele poderia estar eleito em outra legenda, mas perdeu porque foi o primeiro a ir para PSD.

...O problema da Lagoa não estancou.

...Aplausos amplos e gerais pela entrega de Honraria ao médico Marcelo Queiroga, um dos orgulhos da cidade por sua contribuição na Cardiologia.

...Luciano tem vários projetos qualificados para dar sequência e construir nova fase .

ULTIMA

"O olho que existe/ é o que vê..."


A nova fase do Ministério Público com Seráphico Nóbrega e as dificuldades à vista

 A nomeação do Promotor Seráphico Nóbrega na Procuradoria Geral de Justiça do Estado em substituição ao operoso e firme Bertrand Asfora expõe a natureza política de coerência mantida pelo Executivo a assegurar a tradição de reconhecer em ato o processo natural do mais votado, o preferido pelo Coletivo do MP,  mas nem de longe pode-se ignorar os tempos de restrições estruturais e orçamentárias a serem vividas pela futura gestão.

 Há compromissos assumidos pelo novo Procurador Geral de Justiça na direção de modernizar a estrutura do MPPB, de manter o protagonismo no combate à corrupção e violência, por exemplo, só que a barra anda pesada nos diversos Poderes - e o MPPB não é exceção - sem dinheiro para manter tamanha disposição de expansão.

 Como o Procurador Geral de Justiça vai compatibilizar promessa e realidade em confronto de interesses?

 REDUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

 Ninguém de bom senso ignora ou minimiza o papel do Ministério Público, já há algum tempo no limite do limite do estrangulamento orçamentário, portanto, se isto é verdadeiro o que fazer para atender tantas expectativas.

 O danado é que não há mágica nem adianta desespero algum porque nada resolve sem serenidade, portanto, a equipe da nova Gestão precisa cair na real, encarar a verdade estrutural como é para, a partir deste entendimento construir o cenário possível.

 Manter o que se tem com qualidade já aí será uma atitude política coerente, por isso ter controle severo nas contas será também um exercício indispensável antes de operar as inovações prometidas.

 É que, como se diz lá na Torre, o tempo anda estranho do tipo de vaca desconhecer Bezerro, ou seja, tem que ir devagar porque o andor é de barro.

 Daí em diante tudo será lucro.