O contra-ataque de Luciano Cartaxo e o efeito Cunha

João Pessoa acordou com o prefeito Luciano Cartaxo bradando aos quatro cantos sua ampla articulação partidária envolvendo 8 legendas da Capital para iniciar uma nova fase em sua pré-campanha à reeleição.

Embora repetindo a tecla de focar na gestão, na prática ele está de olho no envolvimento total dos aliados porque sem reverberação nas ruas de nada vale no sentido de exprimir o sentimento de coesão e força.

Luciano Cartaxo sabe que precisará de cuidado redobrado porque está diante de adversários hábeis e dispostos a lhe enfrentar de qualquer jeito, em especial Cida Ramos e Ricardo Coutinho.

O encontro desta quarta-feira pontuou o tamanho do esquema do prefeito ainda sonhando com o apoio do PSDB, que só deve chegar no segundo turno diante da decisão dos tucanos em apoiarem Manoel Júnior.

EFEITOS CUNHA NA PARAÍBA

O anúncio de afastamento do mandato de Eduardo Cunha atingiu em cheio a pré-candidatura de Manoel Júnior porque ele é na Paraíba, ao lado de Hugo Motta (outro afetado), o maior defensor do presidente da Câmara defenestrado.

Ora, se isto é verdadeiro a campanha de Manoel Jr passa a sofrer dos efeitos danosos do ponto de vista conceitual e moral porque agora, mesmo antes, a imagem de Cunha sempre foi de corrupto, portanto, esta condição respingará no pemedebista de forma negativa.

Não adianta esconder, pois esta realidade afetará em muito o projeto de Manoel Jr de agora em diante.

Cássio também, mas isto trataremos daqui a pouco. 


Os números advertem PSDB e Cássio para Perigo

O presidente do PSDB estadual, ex-deputado federal Ruy Carneiro, fez divulgar através de releases o saldo das últimas articulações do partido no Estado para a disputa municipal. Apresentou uma lista de nomes, que merecem ser levados em conta, mas em se tratando do partido do senador Cássio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado e ainda a maior liderança de Oposição no Estado, os números foram muito abaixo da expectativa.

Cássio, por exemplo, precisou recorrer a antigas lideranças políticas em fase final de carreira, como Francisco de Assis Quintans e Djacy Brasileiro, por exemplo, porque não conseguiu atrair lideranças novas, como fez o DEM em João Pessoa, consolidando a filiação do vereador Raoni Mendes.

PROBLEMA SÉRIO

Até mesmo em Campina Grande, raiz e principal base de Cássio e partido, nem de longe as movimentações de agora lembram a pujança partidária de anos atrás.

Aliás, Cássio e o partido precisam se advertir para o estacionamento do prefeito Romero Rodrigues nas pesquisas, uma vez que não consegue ultrapassar as casas dos 20 pontos percentuais e vive empatado com Veneziano Vital.

O QUE PODE ESTAR POR TRÁS?

Cássio precisa analisar com profundidade porque, apesar da alta visibilidade como líder do PSDB em cadeia nacional, ele não repete a mesma performance de influência no Estado. É visível a perda de musculatura, se comparado aos tempos passados.

A ausência em Campina, onde frequenta pouco, a pouca atenção aos aliados doloridos vivendo tempos difíceis, e até mesmo seu posicionamento em relação a Dilma e Lula devem estar tendo efeito.

Aliás, o maior problema dele é a performance do governador Ricardo Coutinho que, ao se aprofundar no Interior, com obras e serviços nunca existentes, eis que tem na comparação com os governos anteriores feito, no caso de Cássio, feito o lider Tucano perder a liderança fortemente para o Socialista.

Cássio precisa agir rápido porque corre perigo em Campina, na Capital virou coadjuvante, em síntese, se perder essas eleições vai ter dificuldade em 2018.

Quem viver, verá.

ÚLTIMA

"Tô vendo tudo/tô vendo tudo/ mas bico calado faz de conta que estou mudo..." 


Janot repete Gurgel e quer "extinguir" Lula sem provas

A primeira impressão dos leigos ou dos que querem ver o fim do PT e de Lula pode abrigar o entendimento de que o Procurador Geral da República ao pedir abertura de inquérito contra o ex-presidente da Republica se traduz em personagem de coragem ou destemor por tamanha atitude. Mas, em regra posta, o Procurador Rodrigo Janot reproduz a mesma tática de seu ex-colega, Roberto Gurgel que, no Caso Mensalão, pediu a condenação do ex-Ministro José Dirceu, mesmo reconhecendo de viva voz, em fala sua no plenário do STF, de que não tinha provas concretas, mas ainda assim o considerava Chefe de Quadrilha.

Até hoje nem o MPF nem STF apresentou à sociedade brasileira provas para a condenação de Zé Dirceu limitando-se ao argumento "inventado" da Teoria do Dominio do Fato - o mesmo que Janot quer pregar na história atual de Lula ferindo o primado básico e essencial da Prova.

O ALVO É LULA

Nos autos de agora em que atribui a Lula comandar as articulações em favor do Governo, o Procurador se atém até a diálogos interceptados - o que intui estar abrigando a gravação ilegal divulgada ilegalmente pelo juiz Sergio Moro com exclusividade na Rede Globo (News) - misturando de propósito sua argumentação da ação no STF tratando da nomeação do ex-presidente com o conjunto da Lava Jato, onde Lula não é investigado e inexiste qualquer envolvimento da presidenta Dilma Rousseff.

Ao misturar dados e fatos, ele insere Lula na Lava Jato sem sê-lo parte, posto que o que há de citação é o sitio e o triplex - onde uma coisa nada tem a ver com a outra, mas acaba colocando no mesmo saco ministros do atual e governo anterior como a intuir o conceito de quadrilha- a exemplo da trama arguida por Roberto Gurgel.

MISTURANDO DADOS PARA CONFUNDIR

Rodrigo Janot mistura alhos com bugalhos de forma proposital com visivel posicionamento focado exclusivamente na condenação do PT e, em especial, do ex-presidente Lula para tirá-lo da disputa de 2018.

É fácil de constatar quando ele exclui todos os lideres da Oposição - Aécio Neves, José Serra, FHC, José Agripino, etc, denunciados em Delações, mas preservados pelo MPF, fazendo-o menor na aplicabilidade de postura Republicana, posto que serve assim a ser uma engrenagem do "grande esquema" para banir o Lula Petismo da cena politica.

TRISTE PAPEL DO MPF E DO STF

A sociedade brasileira que apoiou o reforço à atuação do MP na Constituinte de 1988 deve estar-se indagando que "monstro" construiu ao lhe dar condições até de postura policialesca politica, na contramão da historia que exige respeito ao Estado Democrático de Direito.

Quando exclui ou trata partidos e lideres politicos de forma discricionaria buscando a todo custo punir o PT mas sem atitude plural na relação com a Oposição - em especial o PSDB - o digno Procurador Geral da República não cumpre republicanamente com seu Mister e assim se configura como se fora parte a favor de uns contra outros.

No caso em tela, como fazem alguns ministros do STF abertamente a favor do PSDB, o MPF entra na contra - mão da História a exigir reparos às extravagâncias aonde se meteu a importante instituição.


Socorro Gadelha e a força da Habitação de resultados

Quem acompanha os bastidores da cena política no Estado e fora dele identifica facilmente os Executivos com práxis e desempenho distintos. É o caso, por exemplo, de Socorro Gadelha - a Secretária do prefeito Luciano Cartaxo a oferecer resultados fundamentais para o discurso futuro do candidato à reeleição.

Acompanho de alguma forma de perto porque o entusiasmo sempre me foi repassado pelo Secretário Adjunto demissionário, José Mariz, em face da resistência, cobrança e efetividade dos programas habitacionais realizados nos diversos bairros da cidade.

Socorro Gadelha parece um dínamo sem parar inspecionando, brigando por prazos menos longo e qualidade nas moradias entregues pelo Prefeito Luciano Cartaxo.

Socorro e Zé Mariz formavam a dupla de assessores com melhor performance de relações bem resolvidas, por isso alinhando a capacidade de trabalho e harmonia na gestão apresentaram até aqui o melhor saldo possível marcando e fazendo história.

Luciano até procurará um Vice que agregue eleitoralmente sua campanha, mas se um dia precisar uma Vice de valor, Socorro Gadelha é este nome.

Por fim, o prefeito deve muito a este segmento habitacional parte da força de seu mandato.

Mera constatação. 


O que vai sair da Nova Conjuntura?

Houve um tempo recente no qual uma verdade era quase soberana: o PT e Lula estão enfim alijados da cena política de Poder do País e da cidade de João Pessoa. O Tsunami construido falava do fim da era Lula Petismo. De fato, ainda há resquicio desta lógica nazo-fascista ou falso moral, mas a nova onda na Paraíba está longe do exterminio do PT e, sobretudo, de Lula.

Por que isso? - indagaria algum atento totonho para responder na batata, na hora: os fatos sequentes da Lava Jato provam que a Oposicao geral, o PSDB, o PMDB, etc andan atolados até o gogó com escândalos e mais escândalos a tirar - lhes a Bandeira da moralidade inexistente.

Um detalhe: a Mulher no alvo de ser punida com afastamento do Poder é ela mesma a única autoridade sem nenhuma acusação formal de qualquer ordem, exatamente por nunca ter aceito a partilha críminosa dos partidos e das lideranças. A sociedade brasileira esta desvendando isso , irrefutavel até.

NO CASO DA PARAIBA

O lançamento da candidatura de Cida Ramos na segunda-feira balançou mais do que foi ignorada pelos adversarios. Ela chegou com gana e jeito de quem sabe lutar e partir pra cima.

É ela quem em poucos días fez a sucessão da Paraiba tomar novo rumo. A declaração do Secretário Zenide Bezerra traduz bem isso porque se transformou em Viral na internet contra o expediente assessor de Luciano Cartaxo.

Em poucas horas, é possível identificar, Cida foi muito mais citada do que o competente Joao Azevedo.

Na prática, daqui a 1 mes sabremos o tamanho desta estratégia mirabolante de Ricardo Coutinho.

Mas é preciso saber como sobrevivem Manoel Júnior e Wilson Filho - o primeiro devendo perder o Vice-reinado para a águia, a referencia além pernas.
 


Lula, a aprovação popular e a consolidação de maior nome da Esquerda no mundo

O mundo de uma forma geral acompanha com interesse os últimos fatos registrados no Brasil, sobretudo pela péssima imagem advinda da “Lava Jato” interferindo na economia e na vida nacional, agora convivendo com um fato extraordinário diante da reação popular no País apoiando o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva sem igual, ao contrário que propunham e esperavam setores brasileiros à Direita, credenciando na atualidade o ex - metalúrgico como o Líder socialista vivo de maior dimensão no Planeta, muito além de Fidel Castro, Putin, etc.

É raro, extremamente incomum, se deparar com um Lider politico de esquerda na contemporaneidade recebendo a maior carga de perseguição da Midia e de setores do Judiciário, Ministério Público nunca visto, etc e, no contra-ponto do massacre, vê-lo avaliado com a maior aprovação já recebida por um ex-presidente, como se confirmou em pesquisa de Opinião pública da Vox Populi, neste domingo.

AINDA OS NÚMEROS COMO SUPORTE

Estão lá na pesquisa os índices apontando que 56% desaprovaram a inclusão de Lula na Lava Jato e 43% desaprovaram a conduta de Sérgio Moro, muito acima dos que defendem os atos do Juiz

Como se pressupunha pelas manifestações de rua e nas Redes Sociais, 65% consideraram exagero inaceitável na condução coercitiva de Lula e, eis a revelação surpreendente: 57% afirmaram acreditar na palavra do ex-presidente.

LULA É SIMBOLO DA AÇÃO ANTI-SOCIALISTA

Embora o que se registra no Brasil aparente ser crise provocada para depor a presidenta Dilma Rousseff e eliminação do PT e de Lula, cada vez mais se confirmam as projeções de que toda a estratégia liderada pela Rede Globo e outros veículos de comunicação com amparo de setores da Justiça e do MPF, tem a ver com uma macro operação à Direita Neo Liberal varrendo o Mundo e de olho na América do Sul.

Lula representa com números a mais expressiva reforma de resultados num pais de tamanho territorial com enormes desigualdades elevando o nível social das pessoas mas, paralelamente, gerando uma ira da classe média para cima não conformada até hoje de ceder espaços à nova classe emergente próxima dela.

O Brasil com Lula e Dilma se traduz na liderança da América do Sul sempre tratada às costas pelos lideres brasileiros, nos últimos tempos em defesa da unidade dos países sul-americanos, vide o Mercosul cambaleando na atualidade, em face da crise brasileira também espraiada por outros Países.

COMPARAÇÃO EFETIVA, SEM ADJETIVOS

Embora parte da sociedade brasileira considere Lula o escárnio, na vida real ele consolidou a imagem do mais popular de todos os presidentes porque o resultado de sua ação política no Governo e fora dele, sobretudo na Diplomacia, tem sido de comprovada inclusão social ampla e de contribuição à superação de graves crises em outras partes do mundo.

Lula é alvo da Direita internacional porque defende o Estado Palestino, foi um dos que mais contribuiu para selar a Paz do Ocidente com o Irã e, ultimamente, tem se destacado pela luta em favor dos países Africanos, sem contar sua liderança na América Latina sem igual.

Não se trata de ufanismo nem exagero: na atualidade não há no mundo quem tenha a dimensão e importância de Lula como o mais expressivo Lider socialista do universo.
 


Afinal, Daniela vai pra cima ou é só Ensaio?

Dias desses, o núcleo duro da familia Ribeiro examinou um cenário que não estava nos planos originalmente de se efetivar, mas que se fixou na cabeça de diversos membros para Reflexão: por que, sem estar em campanha para Prefeitura, o nome da deputada estadual Daniela Ribeiro se mantém com menção de 18/19%?

E o que fazer diante disso? - suscitou-se outra pergunta latente. Joga fora esse acervo ou age o grupo para construir candidatura pra valer?
 
A resposta positiva a estas perguntas fez todo o grupo e o PP na Paraiba a tomar a decisao de lançar o nome dela para a disputa à prefeitura de Campina. Com ela, passam a ser 5 os candidatos diante dos ja pre-lançados Romero Rodrigues, Veneziano Vital, Adriano Galdino e Bolinha.
 
Isto chama-se segundo turno da certa.
 
HORA DE ENFRENTAR
 
Daniela tem seu percentual expressivo, espontaneo, mas precisa ser mais agressiva na ocupação de espaços e dos debates com efetividade porque a imagem só de empatia não resolve.
 
Ou parte para cima atraindo lideranças de bairros, reforços de estrutura partidária, etc, ou será uma candidata sem Push para disputar o primeiro lugar.
 
Vamos aguardar. Voltaremos ao assunto.

A quebra de paradigmas em torno de Cida Ramos

João Pessoa chega aos seus 431 anos de existência convivendo, a partir deste domingo, com uma situação sui generis, surpreendente e provocadora, que é se deparar com a pré-candidatura à Prefeitura de Cida Ramos, professora universitária, ativista e secretária de Estado. Isso por toda a simbologia que ela representa diante de proposta de gestão na maior cidade do Estado, já gerando (pré) conceitos de todas as ordens, embora sem a dimensão exata do que ela irrompe.

Ao acaso, sentei para escrever sobre o lançamento da pré-candidatura de Cida Ramos pelo PSB à Prefeitura e, ao som de "Chan Chan" - um dos Hits históricos do grupo cubano "Buena Vista Social Club", indaguei no silêncio do tempo: desta vez Ricardo Coutinho exagerou na dose? Levando em conta tempo, novidade inusitada, e quebra de paradigmas. Ou não?

Responder a estas perguntas significa também conceituar que toda a análise que se faça neste momento haverá de ser superficial e inconsistente porque, repito, a pré-candidatura de Cida Ramos de fato quebra paradigmas em nível nunca imaginado, e por isso mesmo é preciso esperar, entender e dimensionar melhor toda a proposta no decorrer do tempo.

FATOR TEMPO, DESAFIOS E EXPECTATIVA

A leitura apressada já ouvida em vários lugares é de que Cida não terá tempo suficiente para conseguir dimensionar sua imagem e histórico visando ir à disputa para valer - tudo isso supondo beneficiamento do prefeito Luciano Cartaxo.

Ledo engano. A abordagem feita em comparação a João Azevedo não é mesma coisa em Cida, que tem “know how” e pegada no desempenho forte de líder política, bem diferente de Azevedo, que não soube empolgar até a mesmo a militância girassol, porque ele é técnico e não empregou sua competência na política. Com Cida pode ser diferente.

De fato, ela enfrenta a adversidade do fator tempo e este é seu maior desafio sabendo-se que para isso precisará empolgar a militância e provar para os setores que a desconhecem sua verdadeira performance de Gestão e/ou Potencialidade administrativa para enfrentar e resolver os principais problemas da cidade.

Mas ela deve partir da perspectiva de que Ricardo e a sua estrutura levem ela ao mínimo de 26% - vide Estela Bezerra.

AINDA O HISTÓRICO E A GESTÃO

Cida tem mais condição do que João Azevedo para unir todos os partidos progressistas, porque sua história é de compromisso com avanços sociais desde os primeiros passos. Sua luta vitoriosa ao longo da vida para superar preconceitos e adversidades lhe fez presidente do DCE da UFPB, da ADUF, diretora do CCHLA e atualmente secretária de Desenvolvimento Humano do Estado, levando-a a ser presidenta do Fórum dos Secretários de todo país.

De qualquer sorte, ela parte agora para debater a gestão da cidade dentro de um prisma e conceito socialista de governar a cidade, a partir do modelo Ricardo Coutinho, como Azevedo já defendia, restando agir e saber dar nova pegada a esse conceito.

Aliás, depois dela própria, Ricardo é seu maior trunfo.

Em síntese, a cidade está diante de um novo quadro humano a desafiar-se para construir ou não uma nova referência política e de gestão pública.

Ela, Ricardo, o PSB e os novos apoiadores estão diante deste grande desafio inserindo a disputa de João Pessoa em patamar inusitado.
 


Cássio, a História, a Ideologia e o posicionamento político

Ao que parece, de uns tempos para cá e adiante, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) passou a conviver com um enorme desconforto de ser em vias públicas hostilizado por setores da sociedade, em face de sua postura como Líder do PSDB no Senado defendendo o Impeachment de Dilma Rousseff e ser um algoz do Lula petismo.

Como viés ideológico, Cássio reproduz o que sempre foi, ou seja, um líder político tomado de pensamento Neo Liberal, portanto, da linha privaticionista e de limitação nos benefícios sociais em detrimento da supremacia do mercado, portanto, das Elites econômicas. Ele sempre foi isso desde que assinou a doutrina Tucana no início dos anos 90 deixando o PMDB de Ulisses Guimarães para votar em Mario Covas.

O EVENTO RECENTE E A HISTÓRIA

Embora sempre próximo do Centro - Direita, Cássio se afastou cedo da doutrina mais aberta de seu Pai, Ronaldo Cunha Lima, líder político a partir de base intelectual sensível envolvido contra o arbítrio a partir do Golpe de 64, quando teve seus direitos políticos Cassados levando ele, Dona Glória e Filhos a morar no Rio de Janeiro.

O fato registrado ontem remete a uma reflexão mais profunda, pois acontece com um Líder político que já namorou o PT e conviveu com ele, tanto que manteve como vice uma Petista de nome Cozete Barbosa.

Cassio, aliás, chegou a marcar sua filiação no PTB para atender uma convivência com Lula, mas não se efetivou porque estourou a denúncia de Maurício, dos Correios, no famoso Mensalão e aí ele mudou de rota e foi para o PSDB.

A história mostra, enfim, que "Cassinho", como Lula tratava, já foi muito próximo do PT.

A MUDANÇA DE POSTURA

De 2014 para cá, Cássio mudou de posição e passou a atacar o PT, Dilma Rousseff e Lula de forma implacável sem dar trégua em tempo nenhum.

Passou a ser uma espécie de alterego de Aécio Neves, amigo desde os tempos de governo, mas radicalizando na ofensiva contra Dilma e o PT, que namorava, como nunca viu.

O foco central de Cássio tem sido atingir o PT no aspecto moral taxando de corrupto em nível em que o discurso não apresenta provas no tamanho da acusação.

Além do mais, ele não consegue se desencalhar da contra - ofensiva ao apontar inúmeras acusações e denúncias contra seu partido, Aécio, líderes Paulista, etc, de desvios de dinheiro (Vide lista da Odebrecht). O STF está abarrotado de processos que desqualificam sua "pureza" discursiva, sem contar o que lhe chateia é ouvir sempre a lembrança de Cassado.

Em síntese, Cássio vai conviver para sempre com essa realidade de desconforto dos setores organizados da sociedade contra sua postura conservadora, de encontro aos interesses dos trabalhadores.

É a colheita do que plantou.
 


Maranhão pró Impeachment não assume de frente

O presidente estadual do PMDB, José Maranhão, estreou nos últimos dias uma fala em nome do partido avaliando a conjuntura nacional e os encaminhamentos partidários.

Para quem nunca o viu ou ouviu tratando do cenário político brasileiro ninguém identifica o que ele de fato defende porque na prática ele não assume textualmente sua verdade.

No horário de TV, Maranhão teoriza, teoriza mas não diz claramente que ele defende o Impeachment da Presidenta Dilma Rousseff, não só porque a cúpula do PMDB defende isso mas porque ele pessoalmente age assim.

O senador e líder do PMDB parece envergonhado da decisão tomada ferindo sua história de político perseguido pelo Golpe nas agora instrumento a favor de outro Golpe parq afastar a presidenta Dilma Rousseff sem Crime de Responsabilidade.

Maranhão, enfim, vai pagar o preço da contradição entre seu passado e futuro manchando sua honrosa trajetória política.

A PROVA DA INGRATIDÃO

O Blog expõe para conhecimento do público leitor a verdade do tamanho da ingratidão do PMDB Paraibano com Lula e Dilma.

As fotos dizem mais que palavras.