Maranhão: a outra versão do PMDB original

Em meio à realidade contemporânea posta, o PMDB da Paraíba convive com versões distintas sobre a conjuntura política atual e de futuro colocando em posições dispares o presidente estadual, José Maranhão, e o senador Raimundo Lira, cujo desfecho ainda está a ser consolidado depois de esgotadas as novas etapas.

São dois caminhos e interesses distintos: Maranhão trabalha para manter a aliança com PSDB (Cássio Cunha Lima) e o PSD (Luciano Cartaxo) até 2018 e Lira articula ações para que o acordo se dê com o governador Ricardo Coutinho.

Os dois, sem que assumam sonham em ser candidato ao Governo, mas só tem uma vaga, além do mais Cássio e Cartaxo sonham com o mesmo cargo.

AS TESES PRÓ MARANHÃO

Ninguém contesta a liderança histórica do senador daí existir agrupamento de aliados mais chegados na consolidação de conceito e estratégia de agora em diante na direção de 2018, sob o comando maranhista.

E elencam as causas para isso:

1) ele é o maior líder popular do PMDB;
2) tem histórico partidário como nenhum outro;
3) abriga a aprovação da sociedade por ter sido "Mestre de Obras" - título carimbado pelo imortal Luiz Augusto Crispim;
4) conduz as políticas no Estado em consonância com a realidade política nacional;
5) neste contexto, o PMDB está com acordo firmado para indicar o vice do PSDB;
6) a aliança, portanto, na Paraíba é com Cássio e Luciano Cartaxo.

JOGO DURO NA ARGUMENTAÇÃO

Os defensores de Maranhão como condutor de todo processo até 2018 juntam como argumento a tese de que os aliados de Lira e o próprio senador saíram derrotados ao fazer a aliança com o governador RC.

Se isso fosse pouco, argumentam que o governador sempre tratou mal e discricionariamente o PMDB para pior.

SÍNTESE

Acham por essas e outras que a conjuntura favorece mais à tese de Maranhão de que a de Lira.

Tenho dito.


Como e por que Lira isola Maranhão no comando do PMDB

Ninguém de sã consciência ignora os fortes e decisivos movimentos de bastidores que o senador Raimundo Lira promove desde o final do ano de 2016 propondo uma nova conjuntura de Poder no PMDB, mesmo sem dar um pio que assim procede, deixando o presidente do partido, senador José Maranhão, inteiramente isolado na estrutura partidária.

Por analogia, como diriam os experts do bairro da Torre, aos poucos e de forma firme o senador Raimundo Lira coloca Maranhão nas cordas e próximo da Lona.

“SEM VOTOS” E COM PODER

Tanto Maranhão quanto seus aliados – Manoel Júnior, Rossevelt Vita, Antonio Souza – tem contra-atacado às investidas internas de Lira no PMDB reproduzindo aos quatro cantos que o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos é um parlamentar sem votos. “Detratam” o lider emergente pelo fato de ter ascendido na condição de suplente de Vital do Rego Filho e daí não ter sido votado.

O argumento, ao mesmo tempo ataque, mais do que aniquilar termina por vitaminar o senador Raimundo Lira porque no contexto do PMDB ele é o único em condições na atualidade de peitar o predominio do senador Maranhão.

NA RAIZ, A INSATISFAÇÃO

Raimundo Lira tem conquistado rounds e rounds a seu favor na queda-de-braço com Maranhão porque este, sem que se aperceba e/ou atente para a realidade, vive na contramão dos interesses internos do PMDB ao optar por aliança com o senador Cássio Cunha Lima, em 2016 e também 2018, afetando as Bases do partido, hoje com reação contrária ao encaminhamento maranhista.

O presidente sabe que o partido tem força, da mesma forma que dimensiona a sua liderança, só que ela – a liderança – sofre o desgaste da solidão de atitudes e decisões sem ouvir os demais companheiros de partido.

Esta é a essência de um enredo no qual, sem precisar de estudos históricos, identifica que o comando de Maranhão convive com exaustão exatamente por não querer nem saber mais partilhar o comando partidário.

MAIS PRÓXIMO DE RICARDO

Se é verdadeira a construção pró Lira, na prática significa dizer que os planos de Maranhão de construir aliança com o PSDB na Paraiba, mesmo tendo a cena nacional de acordo entre os dois partidos como aval, não tende a prosperar, certamente porque na direção de 2018 os novos ventos sopram pró acordo com o governador Ricardo Coutinho – e não Cássio Cunha Lima – deixando fragilizada a liderança maranhista, que pode ver ruir seus planos pessoais costurados com apoio apenas de Manoel Júnior.

Sem tirar, nem por – o “sem votos” está dando aula de como articular e construir liderança partilhada e com reconhecimento nacional da habilidade e da conduta de Ficha Limpa numa fase em que poucos podem apresentar tais credenciais.

Trocando em miúdos, Lira se credencia cada vez mais para ser o candidato ao Governo pelo PMDB – algo que José Maranhão insiste em não acatar.

UMA POSIÇÃO EM EXPECTATIVA

De todos os lideres do PMDB, resta saber como procederá o ex-governador Roberto Paulino e o deputado estadual Raniery Paulino porque, mesmo não aceitando a convivência com o prefeito Zenóbio Toscano eles não aceitam a postura do governador Ricardo Coutinho de atrapalhar a vida deles em Guarabira colocando Joza da Padaria e Célio Alves como seus calos.

Só que, em 2018, a cena é outra e RC não é mais candidato ao Governo daí a probabilidade de Lira atrair esse apoio mais que duplo.

UMAS & OUTRAS

...O enfraquecimento do senador Maranhão no PMDB fortalece o caminho para o prefeito Luciano Cartaxo ser candidato ao Governo em 2018.

...No Rio de Janeiro, como anunciou em primeira mão o portal WSCOM, a engenheira Aracilba Rocha está sendo empossada na diretoria administrativa-financeira de subsidiária da Eletrobras.

...É indicação do PMDB. Ela queria ir para a Usina Belo Monte mas como houve resistência criou outra opção de força.

...O periscópio da WSCOM identificou o vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior, na posse de Ará.

...Repercute a imagem de encontro entre o deputado federal Wilson Filho e o prefeito de São Paulo, João Dória, com elogios do parlamentar paraibano ao lider tucano. Os petistas paraibanos andam “subindo na parede” de raiva.

...Por falar (escrever) sobre PT, quem passou por João Pessoa no fim-de-semana foi o dirigente nacional Rochinha articulando o adiamento do PED – Processo de Eleição Direta programado para concluir inscrições dia 31.

...Rochinha garantiu o pré-lançamento da candidatura de Lula a presidente da República nos próximos dias.

...O Secretário de Comunicação, Luis Torres, chegou à Capital depois de dias de descansos longe dos trópicos nordestinos.

...É uma questão de tempo o acordo a ser anunciado entre o governador Ricardo Coutinho, o ex-senador Wilson Santiago e os dois partidos (PSB e PTB).

...O Secretário de Turismo da Capital, Fernando Milanez, recebeu carta de Instituição de Negócios de Portugal convidando-o para articular ações comuns entre aquele Pais e João Pessoa. Na mira ainda tem Angola.

...Para onde vai o ex-deputado Ruy Carneiro? É a pergunta que não quer se calar.

ÚLTIMA

“O olho que existe/ é o que vê...”
 


Quando o Principal Debate priorizará o Desenvolvimento Sócio-Econômico?

Para variar, as conspirações politicas se mantêm em alta, tanto no plano nacional quanto no estadual. As próximas semanas serão decisivas para os rumos do Governo Temer diante de delações a abalar o próprio Presidente da República em casos tipificados de envolvimento com Propinas. Tudo isto é muito desestabilizador.

Até as Bases de sustentação do Governo, a exemplo da Rede Globo, já não poupam o establishment, portanto, o fantasma da deposição ronda Temer.

O CASO DA PARAÍBA

Há uma estreita relação entre o Poder atual e o apoio incondicional dado pelos senadores Cássio Cunha Lima, José Maranhão e Raimundo Lira, mais a maioria da Bancada Federal na Câmara Federal, em favor de Temer.

Se depender deste agrupamento de elite o Governo se salva, embora não se saiba ainda a carga e a extensão de envolvimentos ou citações nas Delações a seguir.

INDAGAÇÕES CONJUNTURAIS

As perguntas que não querem se calar são:

- Temer se sustentará?

- Quem lhe apoia sofrerá respingos futuros?

- Há lideres políticos Paraibanos envolvidos nas Delações?

- Quais os efeitos disso na Paraíba?

DESENVOLVIMENTO - CONCEITO DISTANTE

Em meio a tudo, ninguém ouve falar, não há uma única discussão elevada sobre propostas reais, consistentes, bem entendidas sobre a construção de um NOVO processo de Desenvolvimento Sócio - Econômico para o futuro da Paraíba.

Não se pode abstrair os dados do passado recente para cá, isto no comparativo dos indicadores do Estado, mesmo assim o grande Debate passa exatamente pela construção de Propostas, inclusive na identificação de novas vocações econômicas para o Estado futuro.

Infelizmente, o Debate se restringe a estar-se a favor ou contra o atual Governo sem profundidade nas alternativas a se apresentar.

Voltaremos ao tema.
 


Como a crise Maranhão - Lira afeta Aliança PMDB - PSDB - PSD

A dados de hoje, mesmo longe da disputa de 2018, tanto o senador José Maranhão quanto o senador Cássio Cunha Lima e o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, são nomes postos como pré-candidatos ao Governo do Estado em 2018 pela Aliança criada em 2016 entre PMDB, PSDB e PSD.

Há, em tese, um esforço imenso desses três líderes de reeditar o acordo na sucessão municipal, do ano passado, embora esteja cedo para a garantia de que ele se repetirá.

NO PMDB, UM PROBLEMÃO

Se depender do senador Maranhão, a aliança estará resolvida. Só que, de uns tempos para cá, o presidente do PMDB estadual passou a conviver com um forte movimento interno liderado pelo senador Raimundo Lira a lhe deixar minoritário no partido.

Ou seja, o movimento feito pelo senador Maranhão de levar o PMDB à aliança com o PSDB e PSD praticamente se viu inviabilizado porque a maioria da Bancada Federal e Estadual quer outro rumo, isto é, acordo com o governador Ricardo Coutinho.

EFEITOS NA PRÁTICA

De imediato, produz a urgente necessidade de Maranhão sentar à mesa com os demais líderes tentando construir uma saída, mas dificilmente ele conseguirá demover Lira, Veneziano Vital, Hugo Mota, André Amaral, Nabor Wanderley, Ricardo Marcelo - todos fechados com Lira e, como consequência, RC.

Com este cenário consolidado, Maranhão não terá condições de ser candidato porque nesta configuração Lira será ungido ao posto e assim implodirá a Aliança de 2016.

LUCIANO, EM TESE

Se o PMDB sai da aliança, cresce a chance de Luciano Cartaxo ser o candidato - aliás, é tudo o que ele quer -, mesmo Cassio agindo como pré-candidato, sobretudo nas críticas ao governador.

É por essas e outras que Luciano produziu uma equipe de governo na segunda gestão mais à sua cara e domínio, mesmo na Saúde o vice-prefeito Manoel Junior comandaria.

Eis a síntese do momento
 


Os futuros voos de Kassab, Rômulo e Luciano Cartaxo

A presença do Ministro das Comunicações, Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, em evento puxado pelo prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, com a chancela visível do deputado federal Rômulo Gouveia, deixou evidente a existência de três projetos de convergência no sentido de construir reforços de ações Inovadoras e de Recursos, cuja ambição é realizar já agora com efeitos para 2018.

Kassab, dos três, é o de maior ambição política. Mira a condição de provável nome para a disputa presidencial pelo PSD - partido que teve a proporcional maior expansão no Congresso Nacional, ou a de candidato ao Governo de São Paulo - de tamanho de um País.

A LÓGICA DA GESTÃO E FUTURO DE KASSAB

Em poucos meses, ele já disse a que veio com resultados concretos na gestão de políticas nos dois centros - comunicações e ciência e tecnologia.
No primeiro caso, de grande interesse dos veículos do País está em vias de aprovar a maior adequação / atualização da Regulação sem os mecanismos do Governo petista, muito pelo contrário, dando mais respaldo às empresas, inclusive de telecomunicações em novo perfil e padrão.

Na Ciência e Tecnologia, mesmo não sendo do segmento, Kassab desenvolveu políticas de descontigenciamento como havia tempo não existia no Ministério.
Todas as despesas de apoio à inovação e pesquisas tudo ele deixou resolvido para pagar. E vai ter mais R$ 1 bilhão e 700 milhões com a volta da rubrica própria ao invés de depender da repatriação.

O CASO LUCIANO CARTAXO

Está empolgado com busca de novos projetos inovadores sem descuidar do Caixa e dos apertos. Ficou evidente seu entusiasmo.

Mostrou ao ministro diversos projetos e assim, diante dos encaminhamentos, deixou claro que quer ir mais longe até pensando no Palácio da Redenção.
Em síntese, está tomado de empolgação e construção deste projeto com chances de avançar.

RÔMULO, SENADOR?

Pode parecer ideia fora de tempo, mas ele age para ser uma alternativa neste campo, mesmo sabendo não ser nada fácil.
Mas, seja como for, é peça muito importante no tabuleiro de hoje e de 2018
 


Afinal, até onde vai o confronto interno no PMDB?

Afinal, até onde vai o confronto interno no PMDB?

Nem precisa doutorar-se em Ciência Politica para entender facilmente que há em curso no PMDB da Paraiba um sério conflito de interesses e posicionamento dos principais atores e/ou lideres do partido.

O clima esquentou ontem quando o Tesoureiro e aliado do presidente do PMDB, Antonio Souza, passou o "Carão" público no senador Raimundo Lira como que a dizer que ele, o parlamentar, não entende da agremiação.

COMO ESTÁ

De um lado, o presidente / senador e maior lider, José Maranhão, rompido com.o governador Ricardo Coutinho e a ele fazendo forte Oposição, defendendo aliança com o PSDB (Cássio Cunha Lima) e PSD (Luciano Cartaxo) para estarem juntos em 2018 na sucessão estadual.

Do outro, estão o senador Raimundo Lira e os deputados federais Hugo Motta, Veneziano Vital e André Amaral Filho a favor de uma composição com o governador RC agora e em 2018.

Há nesse contexto, até a articulação para que o senador Lira seja candidato ao Governo com apoio do governador.

NEM LÁ NEM LÔ

Só o grupo liderado pelo ex-governador Roberto Paulino tem posição diferente pois nem apoia nem faz forte Oposição ao governador. Faz criticas, mas isso é outra coisa.

FUTURO

Pelo andar da carruagem isto não vai ficar assim, ou seja, haverá embate interno no PMDB a ampliar a fissura entre as duas posições.

Vamos acompanhar sabendo que as duas posições têm valor mas será indispensável uma postura melhor resolvida.

ULTIMA

"O olho que existe/é o que vê..."


A retomada do Petismo em tempo de dormência

O senador Lindbergh Farias, nome em ascensão no Partido dos Trabalhadores, é nome referenciado a partir de sua performance como parlamentar da linha de frente da Oposição ao Governo Temer produzindo leituras críticas de forte argumentação conceitual sobre a realidade econômica, política e social do Brasil nesta nova fase pós – Dilma Rousseff.

Lindbergh Farias está de férias em João Pessoa, mas resolveu abrir uma agenda nesta terça-feira para discutir com os filiados do PT e aliados de campo progressista sobre os rumos a serem tomados levando em conta os inúmeros projetos em curso de desmonte da base principal da Era Lula/Dilma.

ALÉM DA ANÁLISE, A DESMOBILIZAÇÃO

Lindberg Farias dispõe de um acompanhamento atualizado sobre as diversas Políticas em curso pelo Governo Temer, cuja base central passa pela entrega do Patrimônio Histórico, de nossos Bens – vide a ação em curso de repasse sem fiscalização de muitas das empresas ligadas à Petrobras, bem como as Reformas propostas onde a classe trabalhadora passa a ser penalizada, da mesma forma que os segmentos sociais mais vulneráveis excluídos das Políticas de proteção social.

O senador sabe de cor e salteado de cada ação nefasta na prospecção dos movimentos organizados, só que se depara com um fato altamente preocupante para o futuro da Esquerda no Brasil, que é a desmobilização e a falta de credibilidade.

Só Lula tem sido maior do que tudo isso.

A MIDIA COMO RESPONSÁVEL

Desde a reeleição de Dilma em 2014, quando Aécio Neves e o PSDB resolveram contestar as eleições e se opuseram dai em diante ao Governo legitimo da presidenta, entrou em operação uma das mais fortes articulações internacionais envolvendo os partidos de Oposição com apoio aberto de setores da Justiça, do Ministério Público, PF e sobretudo a MIDIA construindo todo o processo já conhecido de desmonte do PT e do Governo.

É a Midia – em especial a Rede Globo – com aval e envolvimento de grandes nomes do Jornalismo, a responsável pelo processo de manipulação e dormência em curso, onde a parte da Classe Média que aderiu ao movimento de Golpe legalizado no País quem reproduz neste momento da vida nacional uma outra fase da História contemporânea, um tanto arrependida mas preferindo assumir os efeitos danosos a ter que conviver com o Petismo de inclusão social e de incremento econômico – financeiro como nem Temer nem seus aliados têm sabido conduzir.

LINDBERGH PREGA NO DESERTO?

Certamente que não, posto que há resistência não só no PT, como em outros partidos da dita Esquerda brasileira, mesmo assim sua força pessoal pouco deverá produzir de efeito real porque, no caso da Paraiba e no Pais, o Petismo anda nocauteado e sem saber como sair deste cenário de imobilismo sem igual.

This is a question.


Familia Milanez comenta análise sobre histórico da sucessão politica

Do Secretário de Turismo de João Pessoa e ex-vereador Fernando Milanez recebemos o texto a ser publicado a seguir:

Eis, na integra:

UMA QUESTÃO DE DNA

O jornalista Walter Santos comoveu a família Pessoa Milanez com um artigo intitulado “Porque Milanez Neto é o nome do futuro”.

Com a sua perspicácia jornalística de sempre, WS lembrou que o nosso vereador "cresceu de calças curtas no colo do avô ouvindo histórias de força na Politica da Paraiba, sem ignorar a energia cósmica da avó Lourdinha - uma máquina humana de fazer relacionamentos. Braba e romântica ao mesmo tempo.

Do Pai herdou a habilidade de saber estar no tempo e local certos fazendo politica 24 horas ao dia”.

E arrematou: "Mas é de Lide, sua mãe, a lição mais forte de serenidade e firmeza”.

Não são apenas os elogios que nos comovem. É, sobretudo, a perfeita compreensão do DNA de uma família que nasceu para exercer determinadas atividades. No nosso caso, é a política.

No caso de Walter, o jornalismo.
Todos precisamos de segurança, cuidado, certezas, rumos e valores. O alicerce de tudo isso é a família. Ela é a coluna, o fundamento, a rocha da existência humana onde recebemos as condições para uma vida sadia pessoal e social. As primeiras noções do bem e da verdade, do amor e da justiça, recebemos na família. Sem esta pedra fundamental, os povos se debilitam e a sociedade se desestrutura.

Por isso, ao tempo em que - em nome da família Pessoa Milanez - agradeço ao generoso artigo, faço questão de lembrar que Walter é pioneiro no jornalismo eletrônico na Paraíba, com a criação do WSCOM, um dos mais respeitados portais de internet do Nordeste; e que os seus dois filhos, Pablo e Vinícius, estão seguindo pelo mesmo caminho que ele soube trilhar com profissionalismo, seriedade e lealdade.

Forte abraço, WS. 


Três Políticos paraibanos no Front do Noticiário Nacional

Quem vive atento(a) à cena politica, percebe fácil que há em curso movimentos diferentes com repercussão nacional a envolver Políticos do Estado em nivel relevante, caso se concretizem para valer nos próximos dias.

O senador Raimundo Lira (PMDB) e os deputados federal Aguinaldo Ribeiro (PP) e Efraim Filho(DEM) devem ocupar espaços nobres da cobertura política pelo que eles têm sido lembrados nos ultimos dias para funções de relevância na cena nacional.

LIRA, LIDER DO PMDB

Depois que, logo cedo, resolveu apoiar a candidatura do senador Eunicio de Oliveira na presidência do Senado, Raimundo Lira passou a ocupar a expectativa de ser o futuro lider do PMDB na Casa e, ultimamente, até lembrado para o Ministério do Planejamento.

Desde quando do mandato passado, Lira conquistou um grau de respeitabilidade que o leva a ser lembrado para postos importantes, sobretudo por ser Ficha Limpa e não estar envolvido em denúncias, como estão alguns de seus Pares.

Por essas e outras vamos admitir que, até 2 de fevereiro – data de votação da presidencia do Senado certamente ele deverá ser ungido para um cargo de excelência conjuntural.

AGUINALDO, LIDER DO GOVERNO

Embora citado como opção do PP para assumir o Ministério da Saúde, o deputado federal Aguinaldo Ribeiro conquistou a simpatia do Palácio do Planalto para assumir a Liderança do Governo a partir de fevereiro na Câmara Federal.

Entre os dois projetos em curso, o segundo tem se consolidado mais. Depois da fase de repouso em que se encontra, recuperando-se de crise renal, ele deve assumir com toda força os espaços de liderança.

EFRAIM, LIDER DO DEM

Já o deputado federal Efraim Morais resolveu assumir uma tarefa dificil, que é liderar seu partido na Câmara diante da concorrência de José Carlos Aleluia, um advogado e parlamentar baiano de larga experiência.

Por incrivel que pareça, é o fato de Aleluia ter sido lider por várias vezes que faz Efraim Filho ter perspectiva real de ascensão porque perdura um entendimento na Bancada de que se faz indispensável haver rodizio na liderança.

É isto o que deve acontecer.

SINTESE

Pelo menos nos primeiros momentos há ascensão real em curso. Voltaremos ao tema.


Porque Fernando Milanez Neto se credencia e é Nome de Futuro

     Para Dona Lourdinha e Isabela Milanez (in memorian) e Sra Lide

A nova temporada e safra de vereadores de João Pessoa ungiu para os próximos quatro anos jovens representantes da sociedade - alguns deles oriundos de classe média para cima - a atestar que a renovação chegou na Câmara Municipal para valer.

No grupo da nova geração é visivel atestar a ascensão de Bruno Farias, Lucas de Brito, Thiago Nóbrega (saudades de Popó), Damásio Neto, Humberto Pontes, etc, mas salta aos olhos de quem acompanha os bastidores da Politica a performance de Fernando Milanez Neto.

Homônimo do Pai e Avô, águias no trato com as articulações, Fernando Neto chega com valores adicionais porque agregou ao conjunto da atividade politica o conhecimento adicionado de melhor trato das crises em busca de solução.

ATITUDE ALÉM DAS PALAVRAS

Na atual realidade da Câmara de João Pessoa a extrema habilidade do vereador Marcos Vinicius de chegar à Presidência teve em Fernando Neto peça decisiva para reverter a onda pró Durval Ferreira que dispunha de 14 dos 27 votos - faltando dois apenas para ter novo mandato na presidência.

Embora existam figuras de relevo na construção pró-Marcos foi Fernando Neto o articulador decisivo quando se impôs como lider da nova safra criando cacife para até ter seu nome no segundo mandato, mas preferiu optar por João Corujinha expressando a condição superior ao Egoismo.

QUEM É

Fernando Milanez Neto cresceu de calças curtas no colo do avô ouvindo histórias de força na Politica da Paraiba, sem ignorar a energia cósmica da avó Lourdinha  - uma máquina humana de fazer relacionamentos. Braba e romântica ao mesmo tempo.

Do Pai herdou a habilidade de saber estar no tempo e local certos fazendo politica 24 horas ao dia. Seu professor, aliás, deve estar se preparando para vôos mais altos em ambientes só enxergados por águias ou pelos moradores da Torre.

Mas é de Lide, sua Mãe, a lição mais forte de serenidade e firmeza, por isso certamente o futuro presidente da Comissão de Constituição e Justiça deverá dar alta contribuição à nova Mesa e ao novo Mandato.

Ninguém duvide do Futuro promissor a esperar este jovem Representante Popular zeloso por Ética e novas conquistas.

De qualquer forma, vai precisar usar a sandália da Humildade, ouvir muito para errar menos porque Vaidade besta só atrapalha, cujo sabedoria ele parece já dominar.

ULTIMA

"Cada um dá o que tem..."