Mailson Nóbrega retroalimenta a defesa cega do Capital sem vergonha de Temer

 Quem está em João Pessoa é o Ex-ministro da Fazenda do Governo Sarney, Mailson da Nóbrega, paraibano de Cruz do Espírito Santo,  chegando ao topo da análise conjuntural da Economia brasileira  pelo filtro e olhar do mundo Neo - Liberal.

Ao defender cegamente o comando do Capital na atual fase do País e ainda elogiar abertamente o presidente Michel Temer e sua equipe, dá para atestar que se trata de um estrategista a serviço da entrega total de nosso patrimônio sem nenhum pudor sobre a questão ética.

Mailson faz escola e ecoa o tom aberto em defesa do Capital pouco se importando com a repercussão negativa do desmonte de muitas políticas de inserção do Brasil como protagonista, e não subserviente das grandes potências, em especial os Estados Unidos.

Está na cara que se trata de um economista.radicalmente anti-PT, cujo filtro ideológico à Direita o carimba como míope diante da recente conquista do Governo brasileiro de alcançar a.sexta posição na Economia Global desbancando o Reino Unido. Foi no Governo do PT em que isso aconteceu diferente da entrega acintosa de nosso patrimônio natural como se dá agora.

Trocando em miúdos, Mailson sabe que para existir com espaços sobres na Grande Mídia responsável pelo caos em curso precisará sempre ter este posicionamento atrelado ao Capital e aos desmandos praticados pelo Governo.

Míope e com algum.problema.nasal, ele nao vê e nem sente a podridão próxima ao que ele defende de unhas e dentes, muito abaixo da Etica que ele artificializa quando trata de PT e de Lula.

Nada demais, em que pese o respeito pela sua ascensão,  afinal Mailson é o Ministro do Feijão com Arroz.


Luciano parte para afirmação a qualquer custo e atrairá reações indesejáveis

Nos últimos dias, o prefeito de João Pessoa , Luciano Cartaxo, jogou forte para se impor no processo político desafiando em 2018. De uma lapada só, implodiu as chances de diálogo com o governador Ricardo Coutinho ao propor três CPIs contra o legado do Líder socialista na Capital e ainda mudou a Secretária da Juventude e Esportes tirando Jutahy Menezes do mandato para abrigar Elmano Santos.


Com esse movimento, Luciano acabou construindo barreiras para sua Oposição insistir ou apostar na CPI da Lagoa porque regimentalmente não haverá essa condição posterior.


EFEITOS DAS MEDIDAS


De cada, Luciano terá de conviver com o discurso da Oposição afirmando que a decisão de obstruir a CPI da Lagoa é um atestado de muito medo do saldo das investigações no caso, por isso resolveu partir para atacar Ricardo Coutinho com projetos do tipo Jampa Digital.


Ora, conforme a oposição, já é notório a máxima de Isac Newton, segundo a qual à cada ação corresponde outra igual e contrária.


O prefeito antecipou a guerra pois a partir de agora vai perder o sossego com tantas contra-reações capaz de lhe dar dor - de - cabeça .


É tanto que Ricardo Coutinho já reprodução a tese de que vem problema grave contra o prefeito no caso da Lagoa e outros. 


Ou seja, o trunfo de agora em diante é Paus.


PSDB e Alckmin avalizam Gestão de Ricardo Coutinho, adversário de Cássio

É possível que muitas pessoas não tenham percebido diante da velocidade dos fatos e das notícias, mas eis que o Blog de Walter Santos caprichou no exame de algo que chama muito a atenção a entrega, ontem, 20, do Prêmio Ranking de Competitividade dado ao Governo da Paraíba pelo CLP - Centro de Liderança Publica, ONG, exatamente por ser comandada pelo pensamento do PSDB na pessoa do cientista político Luiz Felipe d'Ávila.

Para quem não sabe, d'Ávila é, há algum tempo, o nome escolhido pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para sucedê-lo depois de 2018 no governo do Estado, portanto, gravita em ascensão no Tucanato faz tempo.

Para quem não se lembra, quem inventou João Doria foi Alckmin.

Ora, se é verdade a condição de escolhido para o Governo até com aval de FHC, o Cientista Político e sua ONG acabam por funcionar como instituição que avaliza os dados do Ranking de Competitividade anunciado em São Paulo nos últimos dias colocando a Paraíba em 10a melhor posição de Gestão envolvendo os 27 Estados da Nação Brasileira.

Se isto é verdadeiro e insere, repito, a Paraíba tem condição acima da maioria dos estados nordestinos, logo tudo isso é sinônimo de que os índices e resultados de gestão sob o exame e batuta do PSDB só referendam a gestão do PSB (Leia-se Ricardo Coutinho), adversário tucano no Estado, portanto, torna nula qualquer crítica tucana ao Socialista no campo sobretudo da gestão.

Por estas e outras então está explicado porque em São Paulo fala-se vez em quando que o governador Alckmin é louco para ter Ricardo Coutinho como vice-presidente em sua chapa para presidente.

Mas, como se diz lá na Torre, esses são outros quinhentos até difíceis de acontecer porque o lado ideológico de RC passa longe do Neo-Liberalismo que desmonta as conquistas recentes do país e entrega nossas riquezas ao capital estrangeiro.

No frigir dos ovos, vale o reconhecimento do PSDB ao desempenho do governo socialista paraibano no ranking nacional como trunfo para os futuros embates, inclusive com os tucanos.

ULTIMA

"Essa alma quer reza..."


Como a Gestão pública na Paraíba engrena nova dinâmica passando à 10ª melhor posição no Brasil


Ricardo recebe prêmio em São Paulo
Quem é do ramo sabe que elevar um índice de gestão pública para cima em tempo de crise econômica e financeira não é tarefa fácil, ao contrário, porque exige a convivência com a Meritocracia visando obter resultados impactantes, ao levar a Paraíba a ser reconhecida com a Décima melhor posição entre os 27 estados do País.

Este é o saldo da nova avaliação produzida e veiculada a partir da aferição de segmentos fundamentais como Educação, Infraestrutura, Inovação e Potencial de Mercado, além de Segurança Pública em Ranking Nacional envolvendo todos os Estados e Distrito Federal.

É tudo o que a Oposição ao Governo Ricardo Coutinho jamais gostaria de saber e conviver, sobretudo porque ela vive de acusações e discursos, diante de uma realidade que projeta o governador de bem na fita merecendo destaque nacional.

Isto não se inventa, não se compra em supermercado.

NÚMEROS IMPACTANTES

Pelo Ranking, a Paraíba ficou classificada no item Infraestrutura em 4º lugar, enquanto em Inovação e Potencial de Mercado alcançou o Oitavo lugar, algo surpreendente.

Já na famosa Segurança Pública, onde há crescimento da violência, o Governo paraibano se posicionou em 13º lugar, enquanto na Educação, Solidez Fiscal e sustentabilidade Ambiental, obteve o 14º lugar. Em 16º em Capital Humano e Sustentabilidade Social.

Pelos números, o Estado passou da 15ª para a 10ª posição no Ranking de Competitividade, tendo registrado avanços nos pilares, como são chamados os itens que compõem o Ranking, de Educação, Segurança Pública e Sustentabilidade Social.

EDUCAÇÃO ASCENDENTE

De acordo com o Ranking, a Paraíba recebeu destaque na Educação avançando cinco posições em relação ao ano passado saindo da 19ª para 14ª colocação por conta do ganho com os indicadores de taxa de frequência líquida do ensino fundamental e taxa de frequência líquida do ensino médio.

Neste aspecto, a Paraíba e o Ceará são os representantes do Nordeste mais bem colocados no Ranking de Competitividade 2017 figurando nas 10ª e 11ª colocações, respectivamente, à frente de Mato Grosso e Goiás. Neste Ranking de 2017, Paraíba, Acre e Rondônia, foram as Unidades da Federação que mais ganharam posições, enquanto Amapá, Amazonas e Pernambuco foram os estados que mais perderam posições.

EFEITOS POLÍTICOS

Ricardo e João Azevedo
Certamente que a Oposição não vai parar de fazer barulho, mas os novos dados do Ranking chegam como um duro golpe contra o discurso azedo porque comprova novo patamar de desempenho e gestão em pouco mais e cinco anos de gestão, sem contar as tantas obras e ações ao longo dos anos.

Mais do que o Estado em si quem ri à toa é o candidato ao Governo, João Azevedo, principal beneficiado político do saldo conduzido pelo governador Ricardo Coutinho.

Ranking chega em hora estratégica e determinante.
 


A nova postura da China no Mundo a partir do Nordeste e a loucura da "guerra" do racionamento em CG

Sabemos tratarem-se de dois temas absolutamente distintos e díspares, mas na atualidade chegam como necessidade de abordagem de forma analítica pela importância dos assuntos e dos atores envolvidos.


Por partes, como lembra a cena inglesa, a China resolveu comemorar  seus 68 anos de República Popular sem grandes aparatos e nenhum envolvimento com a classe politica dos 9 Estados do Nordeste, como se anotou ontem, 19 de setembro, em Recife.


O Consulado e a Cônsul Li Feiyue resolveram centrar foco na representação do setor produtivo e intelectual chamando também os Chineses antigos do Nordeste para comemorar a data com direito a discursos em português e mandarim.


PAPEL NO MUNDO


A China sabe do que representa no Planeta e demarca sua posição não só pela condição de maior País Comunista, mas de relação bem resolvida com o Capital e suas consequências sem perder soberania mas, ao contrário, expandindo sua posição no Mundo com seu gigantesco volume de negócios, inclusive no Brasil.


A China sabe ainda do papel que joga de fundamental, por exemplo, diante da Coréia do Norte insultando EUA e aliados como Japão e Coreia do Sul com ameaças (e só) de guerra ameaçando a instabilidade no mundo. E tudo tem no final o dedo (aval) e/ou influência da República Popular da China.


No Brasil, em particular no Nordeste, ela quer expandir negócios. Embora seja mais pais com mais de 1 bilhão e 200 milhões de habitantes, no Nordeste são menos de 10 mil chineses saltando essa quantidade para mais de 300 mil, só em São Paulo.


Daí a estratégia lembrada pela Cônsul em discurso direto, sem adjetivos, de expandir as ações respeitando a soberania brasileira - algo que nem sempre todos Países assim procedem, a exemplo dos Estados Unidos bancando mudanças radicais para pior no Brasil sob a tutela de corruptos.


A China optou assim na conjuntura  por ficar longe da classe política por tudo o que sabemos .


A GUERRA PELA ÁGUA


É absolutamente incompreensível a luta feroz de setores da sociedade paraibana, em particular de Campina Grande, agora com endosso do Ministério Público Federal, pedindo (e conseguindo) na Justiça a manutenção do Racionamento da água vinda de Boqueirão para abastecer a cidade e região.


A água como bem precioso e fundamental esteve ameaçada de acabar com a recente estiagem. Ocorre que, em face de novas condições produzidas pelas águas do Rio São Francisco e do volume conseguido pelas recentes chuvas este perigo dissipou-se com controle da Agência Estadual de Águas e CAGEPA. 


As novas condições aferidas por órgãos responsáveis do Estado mereceram do governador Ricardo Coutinho o entendimento posto em prática de que a população de Campina não precisaria estar vivendo o racionamento por conta do volume existente ser suficiente à medida de normalização do acesso à água.


Mas, eis que uma decisão importante em favor da população mereceu embate político dos adversários do governador não aceitando e temendo que o Bônus da nova realidade pudesse auferir ganhos do governador e seu pré-candidato João Azevedo junto à sociedade partindo para o confronto querendo a manutenção do Racionamento, agora com respaldo judicial.


Há que se respeitar a controvérsia, mas salta aos olhos a condição absurda, muito além de cômica, de transformar um bem indispensável como é consumo de água em guerra política chancelada pelo MPF.


Se bem que o Governo do Estado recorreu e espera-se que no TRF-5 possa reestabelecer o bom senso em favor da população e não de setores políticos agindo na contramão.


UMAS & OUTRAS


...Na solenidade da China, éramos eu e o executivo Paulo Júnior os únicos da Paraíba presentes à comemoração de 58 anos da República Popular.


...Não vi ninguém da classe política.


...É possível que a Consul esteja no Festival de Turismo no próximo mês de outubro, em João Pessoa.


ULTIMA


" HÁ TEMPO PARA TUDO..."Histórico


Aceno de Damião com Cartaxo acende luz amarela entre governador e Feliciano

 Ninguém se iluda: a cisma do governador Ricardo Coutinho e de assessores quanto à vulnerabilidade da lealdade do grupo liderado pelo deputado federal Damião Feliciano - leia-se vice-governadora Lígia Feliciano, se fez visível muito mais rápido do que as previsões dos socialistas faziam .

 Esta é a leitura não confessa de público por muita gente abrigada nos Girassóis afetados com a imagem do deputado federal Damião Feliciano aos abraços com o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo. 

 - Mostrou as unhas muito mais cedo do que se previa - reverberaram muitos dos socialistas.

 QUEBRA COMPLICADA DA CONFIANÇA

 O mais sério de tudo está no efeito imediato da inexistência de vez e por completo da relação de confiança entre eles levando a um estágio complicado de agora em diante.

 Para completar os outros acenos de Damião na direção do PMDB só ampliaram o amargor da relação.

 Por estas e outras, creiam ou não, mais se consolida a condição de que o governador deve mesmo ficar no Governo até o fim.


João Pessoa: para onde caminha nova vocação e o que fazer enquanto há tempo

O prefeito Luciano Cartaxo acaba de chegar de Washington, Capital dos Estados Unidos, animado com a projeção de emplacar em breve Contrato com o BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento na ordem de U$ 100 milhões para consolidar o protótipo de Cidade Inteligente, como é afeito a outras poucas Capitais,a exemplo de Goiânia -GO.

Há meses está em curso um processo de rediscussão sobre o futuro da cidade buscando mapear e identificar os nichos de mercado em curso, a partir da base em torno do comércio e das micro e pequenas empresas. Lembremos que faz parte estudar e agir diante da migração dos negócios deixando o Centro para traz se instalando até nos bairros até periféricos.

Só que é preciso reinserir o Centro Histórico como potencialidade.

BASES IMPORTANTES E REAIS

Sem dúvidas, o Turismo é o carro chefe da atualidade, afora outros Serviços, porque enfim João Pessoa entrou na lista de consumo turístico de muita gente do Interior de São Paulo, Minas, Sul, etc,sem contar os pernambucanos - Grandes consumidores de nossa praça.

Apesar da força do setor, percebe-se o perfil do turista existente consumidor ainda de valores abaixo do esperado , ou seja, não deixam divisas financeiras em maior escala, como se requer do segmento. De médio para baixo, o turista assim consome pouco na proporção de quanto precisa o setor para estourar nas demais cadeias.

Está bom, mas não anda fácil!

BASE DIGITAL FORTE

Embora estejamos em época de velocidade da comunicação, sobretudo das Redes Sociais e da mídia digital, infelizmente o setor Industrial local, os governos, instituições nas várias esferas e a sociedade em si desconhecem a força que somos no mundo de TI.

João Pessoa na atualidade tem mais empresas de TI do que mesmo Campina Grande, famosa, mas muitos não sabem disso e consomem de fora.

O Bairro dos Estados, por exemplo, é território de muito valor agregado com muitas empresas instaladas - , tanto de softwares (maior quantidade) quanto de hardwares, mesmo que a Cidade desconheça a miúde a força e importância deste segmento preferindo, como já disse, consumir de fora quando se tem tudo o que se quer em João Pessoa mesmo.

Mas, é preciso agir, reinventar, inovar porque este é o Setor de força sempre a cada dia que passa daí ter de estar próximo das Universidades e instituições de fomento porque podemos crescer ainda mais.

Precisamos de Comunicações inteligentes , Marketing e decisão Política privada e pública para. A cidade saber o que somos e consumir nossa própria capacidade de atender as necessidades da sociedade como um todo.

Anualmente, por exemplo, colocamos no Mercado - melhor dizendo , formamos mais de 5 mil profissionais na área de TI com muitos deles indo embora.

Daí termos que agir já .

CULTURA COMO POUCOS

João Pessoa não sabe o tamanho do que tem de força também na Cultura. Somos a capital do Brasil com maior quantidade e qualidade de Orquestras Sinfônicas, mais que São Paulo.

Temos mais Sinfônicas que São Paulo, portanto, somos a Capital da Música Erudita sem sabermos ser como faz Havana e Hungria.

Anualmente temos 1.202 alunos estudando os diversos Nipes, sem contar a quantidade de grupos de rock, samba, etc e a imensidão qualificada de cantores e cantoras.

Na pintura, ah nossas artes plásticas!, que bom reverenciar Flávio Tavares, Miguel dos Santos, Alexandre Filho, Alice Vinagre, Chico Pereira, Nandi, José Altino, etc!

Isto é real, mesmo assim não temos sabido transformar isto em referência e mercado para sobrevivência digna de uma cidade e estado Cultural.

SINTESE

O prefeito Luciano Cartaxo aprovado e bem intencionado precisa ficar mais atento com as novidades em curso porque a nova vocação da Capital do Estado passa por estes segmentos agora mencionados na análise e já é hora de incentivar estrategicamente dentro das linhas do BID porque do contrário será desperdiçar uma grande oportunidade para fazer de João Pessoa a capital Digital e de Cultura - a síntese da Economia Criativa.

Tudo isso sem falar em nosso Patrimônio Memorial fantástico mais e melhor do que Natal, Maceió, Aracaju e Teresina daí termos que investir mais, valorizar muito mais.

Temos tudo, agora só falta decisão, enquanto há tempo.

ULTIMA

"Quem sabe faz a hora/ não espera acontecer..." 


Marcos Vinícius realinha posicionamento da Câmara com status além do que é

Semana nova e um saldo recente passado permitindo muitas leituras das diversas cenas politicas, entre elas a performance da atual Mesa Diretora da Câmara de João Pessoa sob a liderança do presidente Marcos Vinícius saltando aos olhos o nível da envergadura nas relações institucionais vividas.

A pretexto dos 70 anos da Câmara Municipal à vista, de A a Z - as várias vertentes politico-partidárias e de lideranças nacionais - tudo isso prova que é possível fazer política com arejamento e respeito às diferenças porquanto existam.

UM EXEMPLO

Abrigar sob o mesmo guarda-chuva representantes como senadores Anastasia, Paulo Paim e Cristovam Buarque - só aí vislumbra-se e atesta-se um perfil de abrigo político sensato e vasto, mesmo quando as lideranças aqui citadas divirjam entre si.

Este modelo implementado por Marcos Vinícius reforçado pela representação dispare na Câmara envolvendo do seu PSDB ao PT passando pelas demais legendas enseja a conclusão de que há um novo tempo em curso na Câmara Municipal como há tempo não havia.

Dialogar com a presidenta do STF, ministra Cármen Lúcia, simboliza diálogo em alto nível, sem dúvidas.

SINTESE

Pelo filtro do que tem acontecido, a Mesa Diretora sob a batuta de MV dialogar além do espectro partidário e nacional para criar limbo e aderência com os setores diversificados da sociedade Pessoense fazendo crer que é possível fazer gestão de resultados em tempos magros.

Voltaremos ainda ao tema.

Como se diz lá na Torre, é assim que se faz.

ULTIMA

"Onde houver trevas/ que eu leve a luz..."
 


22 Anos depois, Antônio Mariz é símbolo de Ética e Competência a fazer muita falta

Foi um setembro de 1995, era sábado quando por volta das 17h58 fomos chamados a adentrar ao quarto anterior onde estava enfermo o governador Antônio Marques da Silva Mariz para ouvir do competente médico Ricardo Maia, que ele acabara de falecer, portanto, era dada a mim a difícil tarefa de anunciar sua morte.

Poucos sabem mas, antes de ir, apelei para o Secretário da Casa Civil, Ronald Queiroz, fazer o comunicado público pela função que exercia, mas este, sempre sereno e firme, declinou da missão se dizendo sem condições emocionais para tal. O mesmo fez o Chefe de Gabinete, Cláudio Paiva Leite, também abalado.

Restou a mim a dura tarefa de anunciar a morte de um governador competente, preparado para o exercício de reformas expressivas, mas que a morte e a pouca sorte da Paraíba não deixaram ele executar.

Eram só alguns metros da casa maior da Granja Santana, residência oficial do Governo da Paraíba para onde estava a Imprensa, mas para mim era uma distância imensa com o ardor da missão penosa de comunicar a morte, não só de um Líder incomum, mas de um Grande Projeto de redenção do Estado em termos de propostas ousadas nos diferentes níveis.

Com voz embargada, trêmulo, cumpri a mais difícil missão que um amigo pode cumprir no exercício do Poder, cujo saldo de apenas 9 meses de Governo sem chances de governar plenamente, Mariz se foi com 74% de aprovação, conforme pesquisa IBOPE que chegara na semana seguinte.

MUDANÇAS COM M MAIÚSCULO

Muito antes da obrigatoriedade dos governos exporem os números da gestão, Antônio Mariz implantou na Paraíba a publicação mensal das Contas nos veículos de comunicação do Estado.

Não havia a febre da internet, mas era assim que Mariz agia, com transparência total. Trouxe para o Estado o que fizera na Prefeitura de Sousa, em 1963.

Transparência, inclusão social e Desenvolvimento sustentável fazia parte do tripé do Governo de Mariz construído a muitas mãos importantes, como de Ronald Queiroz, Tânia Barcelar, Juarez Farias, Inaldo Leitão, José Costa, Mauro Nunes, Ademir Alves, Adalberto Barreto, Otacilio Silveira, Carlos Pereira de Carvalho e Silva e por aí vai.


MATAR A FOME PRIMEIRO

Muito antes de Lula e do PT, Mariz já tinha como premissa prioritária atender com urgência a fome dos miseráveis paraibanos. Queria e exigia que o Governo fosse até eles resolver a comida permanente.

Com Mariz, pela primeira vez a Paraíba conviveu com a Transposição de água de Coremas para as Várzeas de Sousa.

Em pouco tempo de Governo ele consolidou o antigo sonho do Canal da Redenção, cujo efeito seguinte esteve muito abaixo da reforma agrária que Antônio Mariz desenhava para atender aos pequenos produtores e agricultores das Várzeas.

E com base em dados estatísticos existentes, Mariz tinha como meta buscar e construir novas vocações econômicas para o Estado, mas priorizando as políticas públicas para que mais precisava.

Era um governador utópico, socialista sem precisar estereótipos da Esquerda a quem sempre ajudou.

Mariz estava preparado, ou seja, com todo respeito a todos os demais governantes, ele foi quem melhor se preparou para uma gestão modelar e Reformista, certamente a desagradar setores reacionários intolerantes a mudanças de hábito político, mas o acaso e a História privaram a Paraíba dos avanços sócio - econômicos que tanto sonhou.

O imortal governador Antônio Marques da Silva Mariz, exemplar político e Servidor Público, ainda hoje faz muita falta, inclusive na cena nacional.

Lá se foi o Político nota 10.

UMAS & OUTRAS

...Quem convivia na intimidade sabia da correção perfeita de Mariz na família, nas amizades e no fazer político. Com  Ética,  coerênciae sabedoria, que não lhe faltavam.

...Mariz como senador foi o relator do Impeachment de Collor. A partir daí passou a conviver com os efeitos malignos da maldição da Casa da Dinda.

...O marido de Mabel Mariz, grande Mulher da vida política, foi quem iria resolveu as Várzeas de Sousa com o Canal da Redenção que ele construiu , mas a destinação seguinte mudou o rumo e objetivo do grande projeto para o Alto Sertão.

...Ainda em tempo: na eleição para o Senado em 1990, Mariz foi procurado às vésperas por Lucia Braga, que lhe garantia pedir voto para ele desde que se ausentasse do segundo turno. Ao ouvir a proposta, Mariz acabou a reunião é disse que não aceitava traição a um companheiro de partido e de chapa.

...Mesmo com essa postura Ética , setores ligados ao grupo Cunha Lima alimentavam indevidamente comentários de que Mariz teria feito acordo com Lúcia.

...Nem o fato de Mariz participar ativamente do segundo turno pro Ronaldo implodiu o fuxico comum na política.

...Como se vê, o ex-governador faz muita falta.

...Vem a caminho o Documentário - Mariz - A Utopia do Ser Tão"


ULTIMA

"O nome / a obra imortaliza..."


A volta da Metalúrgica Felipéia, a Tabajara e a reverência ao Maestro José Siqueira

A Paraíba precisa prestar mais e melhor atenção com um fato em curso: músicos de elevado nível profissional do Estado liderados pelo Maestro Chiquito resolveram retomar a Orquestra Metalúrgica Felipéia - de padrão máximo - cujo teor remete à comparação de que estamos afinados com a importância histórica do que fizeram Maestro José Siqueira e Maestro Severino Araújo no passado.

Ainda hoje muitos ignoram que foi um paraibano de nome José Siqueira, nascido em Conceição do Piancó, de Elba Ramalho e Pinto do Acordeon, o responsável e criador da Orquestra Sinfônica Brasileira.

Também é plausivel admitir que muitas gerações não saibam que já tivemos a melhor Orquestra de baile do País regida por Maestro Severino Araújo, imortalizado sobretudo depois de se instalar no Rio de Janeiro, com a Tabajara.

INVENÇÃO DE CHIQUITO

Não é fácil reunir a turma porque alguns deles mesmo morando em João Pessoa, há tempo trabalham em Recife ou Natal por questão de sobrevivência profissional, por isso a dificuldade de tempo para a arrumação.

Mas a inquietude, sabedoria e liderança de Maestro Chiquito andam soltas e tomadas de foco para reaquecer a Orquestra e levá-la Estado a fora com repertório de altíssima qualidade. Nem Recife/Olinda, Natal, Salvador e Fortaleza têm uma base orquestral do nível da Metalúrgica, por isso a música alegrada com a boa nova.

Trocando em miúdos, como se diz lá na Torre, a Metalúrgica está vindo para manter e elevar a Paraíba na música instrumental que faz de João Pessoa a Capital de maior quantidade / qualidade de Orquestras Sinfônicas do Brasil, mais que São Paulo.

Começou a contagem regressiva!