UM BANQUETE NO PALÁCIO

No passado, era normal e não merecia a mais leve censura, as comemorações oficiais realizadas pelo governo. Às vezes, após um lauto banquete, seguia-se um animado baile, onde o governo confraternizava-se com a alta sociedade. O povo? Ah! O povo. Este componente não era chamado nem para votar, quanto mais para comemorar a posse de um governante. O eleitor era escolhido entre a elite dominante. Essa elite participava do rega-bofe e o “populacho” se contentava em ficar na praça a ouvir tocar uma banda de musica escalada para a ocasião. A Gazeta do Commércio, órgão que circulou até os primeiros anos republicanos,narrou uma dessas festividades. A narrativa foi considerada especial pelo governo, daí porque, a mandou transcrever em A União de 28 de outubro de 1898. Eu considerei uma curiosidade exemplar e resolvi compartilhar um trecho com meus parcos leitores: “Como já havemos dito,o banquete offerecido ao exmo.sr.dr.Antonio Alfredo da Gama e Mello, por se ter empossado no alto cargo de Presidente d´este Estado, começou ás 6 e ½ horas da tarde do dia 22 do corrente, n´um dos vastos salões do Lyceu Parahybano. Ostentava-se, no centro do salão onde ia ter lugar o festim, uma extensa meza primorosamente preparada em forma de ferradura e, sobre a qual, destacavam-se, pelos jorros de luz despejados dos candelabros, crystaes, flores, as mais finas iguarias a par com os mais deliciosos licores. Das paredes pendiam brasões entrelaçados de bandeirolas de todas as nações amigas,vendo-se na parte de honra, o retrato do illustre parahybano que era o alvo das expansivas manifestações d´aquelle dia e exprimia o prenúncio da paz, da ordem e do progresso do seu Estado natalício. A hora aprazada para começo do festim,s.exc.sr.dr. Gama, acompanhado de grande numero de cavalheiros, representantes da fina flor parahybana,vindo de Palácio entrou no salão e tomou a presidência da meza, em volta da qual sentaram-se também cento e sessenta convivas. Os compartimentos immediatos estavam cheios de numeroso pessoal, que não tiveram lugar, aguardando-se uma segunda refeição, que foi servida depois da primeira. Reinou em tudo muita ordem e muita animação, sendo o primeiro brinde levantado pelo illustre desembargador José Peregrino de Araujo, ao eminente dr.Gama e Mello,que foi recebido com expansivas demonstrações de aplausos. Após seguiram-se outros, salientando-se os do exmo.e revmo.sr Padre Walfredo Leal, ex-Vice-presidente do Estado, ao mesmo sr.dr. Gama e do eloqüente e illustrado orador parahybano,dr Castro Pinto, saudando a imprensa na pessoa do Presidente do Estado, que, como sempre, eletrisou, com sua palavra fluente e enfeitada de verdadeiros arroubos oratórios,todos os circunstantes. Em agradecimento as justas felicitações que lhe eram enthusiasticamente dirigidas, levantou-se o exmo.sr.dr. Gama e Mello e n´um discurso em que primou pela linguagem florida e entremeada dos mais bellos conceitos, que só sabe uzal-os o talento e a ilustração,pediu o concurso de todos os parahybanos, para que o seu governo seja de prosperidade para o Estado e findou saudando o progresso da Parahyba”.( Mantive a grafia da época) Mais modernamente, com o surgimento do rádio entre nós, a Tabajara, emissora oficial, era sempre escalada para a cobertura dos eventos palacianos. Lembro que Geraldo Cavalcanti manteve o microfone oficial em suas mãos por vários governos. Certa ocasião, estando afônico, orientou um substituto para a tarefa e destacou que, na chegada do governador, não esquecesse de lembrar que ele estava acompanhado da primeira dama do estado.O locutor não se fez de rogado. O governador foi descendo do carro e enquanto puxava a esposa pela mão, ela sapecou: - Acaba de chegar, Sua Excia, o governador, acompanhado de sua primeira mulher... Não preciso dizer que o locutor perdeu o emprego! Lembro também Paschoal Carrilho, esse, mais debochado, vez por outra fazia das suas. Designado para cobrir a realização de um banquete no Palácio, oferecido a um general cinco estrelas, de má vontade, iniciou a transmissão: - Começou o banquete. Já estão comendo a mulher do governador e o bispo. Os demais aguardam na fila... (do futuro livro “Pequenas histórias para quem tem preguiça de ler as grandes”)